Fernando de Barros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Fernando de Barros
Nascimento 1915
Portugal
Morte 11 de setembro de 2002 (87 anos)
São Paulo, São Paulo
Nacionalidade nascido português
naturalizado brasileiro
Ocupação Jornalista
Cineasta
Editor de moda

Fernando de Barros (Portugal, 1915São Paulo, 11 de setembro de 2002) foi um jornalista, cineasta e editor de moda português naturalizado brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ele nasceu em Portugal mas chegou ao Brasil com pouco mais de vinte anos para integrar uma equipe de cinema que rodava Pureza, baseado na obra homônima de José Lins do Rego, no Rio de Janeiro. Veio e ficou de uma vez, se naturalizando brasileiro.

Chegou em São Paulo em 1942 e nunca mais se mudou da cidade. Em 1950 foi convidado a trabalhar na Companhia Vera Cruz, primeiramente como assistente de direção de fotografia, assistente de produção e de direção e, depois, como diretor. Participou de vinte filmes, e como diretor fez Apassionata, Quando a Noite Acaba, Uma Certa Lucrécia, Moral em Concordata, As Cariocas, Lua de Mel e Amendoim e A Arte de Amar bem.

Depois do cinema se tornou um dos jornalistas e críticos mais respeitados do mundo da moda. Considerado um gentleman e um homem de fino trato, ele foi casado ou manteve romances com belas mulheres, como Tônia Carrero, Maria Della Costa, Odete Lara e a modelo Giedre Valeika.

Escrevia sobre beleza para a revista O Cruzeiro, uma das revistas mais importantes da América Latina, nos anos 40 e 50. Passou depois pela revista Quatro Rodas e foi editor de moda da Playboy. Também lançou dois livros sobre o assunto: Elegância - Como o Homem Deve Se Vestir e O Homem Casual. Colaborou, ainda, nas revistas ilustradas de cinema Movimento [1] (1933-1934) e Cine [2] publicada em Maio de 1934.

Referências

  1. Jorge Mangorrinha (25 de Fevereiro de 2014). «Ficha histórica: Movimento : cinema, arte, elegâncias (1933-1934)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 09 de Janeiro de 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  2. Jorge Mangorrinha (25 de Fevereiro de 2014). «Ficha histórica: Cine (1934).» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 30 de Dezembro de 2014 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.