Filipe I Filadelfo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Filipe I Filadelfo
Nascimento 125 a.C.
Império Selêucida
Morte 83 a.C.
Cidadania Império Selêucida
Progenitores
Filho(s) Philip II Philoromaeus
Irmão(s) Seleuco VI Epifânio Nicátor, Antíoco XI Epifânio Filadelfo, Antíoco XII Dionísio, Demétrio III Filopátor
Ocupação soberano

Filipe I Filadelfo foi um membro da dinastia selêucida e rei da Síria.

Família[editar | editar código-fonte]

Filipe I Filadelfo era filho de Antíoco VIII Gripo, tinha um irmão gêmeo chamado Antíoco, e outro irmão, Seleuco VI Epifânio Nicátor.[1]

Sua mãe era Trifena, filha de Ptolemeu VIII Evérgeta.[1] Seu pai era filho de Demétrio II Nicátor e Cleópatra Teia.[2]

Seu pai, rei da Síria, havia sido derrotado por Antíoco IX de Cízico,[3] meio-irmão de Antíoco VIII, por ser filho de Cleópatra Teia e Antíoco VII Sideta;[2] Demétrio I Sóter era o pai de Demétrio II Nicátor [4] e Antíoco VII Sideta.[5]

Seleuco VI Epifânio Nicátor, filho de Antíoco VIII, derrotou seu tio Antíoco IX e tomou o trono, mas ele era violento e tirânico, e foi queimado até a morte no ginásio de Mopso (Mopsuéstia), cidade da Cilícia.[3] Segundo Eusébio de Cesareia, Seleuco VI fugiu para Mopsuéstia na Cilícia, e, quando viu que os cidadãos o reconheceram e queriam queimá-lo vivo, cometeu suicídio.[1] Segundo Flávio Josefo, a fuga e morte de Seleuco VI ocorreram depois que Antíoco X Pio o depôs.[6]

Guerra contra Antíoco X Eusébio Pio[editar | editar código-fonte]

O sucessor de Seleuco VI foi Antíoco X Eusébio, filho de Antíoco IX Gripo.[3][6][Nota 1] Mas os dois irmãos de Seleuco, Filipe I Filadelfo e Antíoco, gêmeos, reuniram um exército, capturaram a cidade de Mopsuéstia e a destruíram.[1] Antíoco, irmão de Seleuco, morreu quando caiu com seu cavalo no Rio Orontes e foi levado pela correnteza, e Filipe, irmão de Seleuco e filho de Antíoco Gripo, continuou a luta contra Antíoco X Eusébio, o filho de Antíoco de Cízico.[1] Filipe colocou o diadema sobre a própria cabeça, mas Ptolemeu Látiro chamou seu quarto irmão, Demétrio III Filopátor, e o colocou como rei de Damasco.[6]

No início do terceiro ano da 171a olimpíada, Filipe, filho de Gripo e Antíoco, filho de Antíoco de Cízico, lutaram em uma batalha pelo controle da Síria, já que cada um controlava uma parte.[1] Antíoco foi derrotado, e fugiu para os partos; em seguida, ele se rendeu a Pompeu, esperando recuperar a Síria.[1] De acordo com Flávio Josefo, Antíoco X Pio morreu em luta, pois ele ajudou a Laódice, rainha dos Gileaditas, que estava lutando contra os partas.[6]

Guerra contra Demétrio III Filopátor[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Antíoco X Pio, a Síria ficou divida entre Filipe e seu irmão Demétrio.[6]

Após sua campanha na Judeia, Demétrio cercou Filipe em Bereia, com dez mil soldados de infantaria e mil de cavalaria, mas Strato, tirano de Bereia e aliado de Filipe, chamou em seu auxílio Zizon, que governava as tribos árabes e Mitrídates Sinax, que governava os partas, que derrotaram Demétrio e o levaram como prisioneiro para Mitrídates, rei dos partas.[7]

Filipe dirigiu-se a Antioquia, a capturou, e reinou sobre a Síria.[7]

Guerra contra Antíoco XII Dionísio[editar | editar código-fonte]

Antíoco XII Dionísio, irmão de Filipe, ambicionando o trono da Síria, tomou Damasco, e reinou nesta cidade.[8] Quando Antíoco Dionísio foi lutar contra os árabes, Filipe retornou, e recebeu a cidade de Milesius.[8] Milesius, assim que Filipe saiu de Damasco, entregou a cidade, de novo, para Antíoco Dionísio.[8]

Antíoco Dionísio comandou uma expedição contra os judeus, atacando Alexandre com 8.000 soldados de infantaria e 800 de cavalaria; após haver passado pela Judeia, Antíoco Dionísio atacou Aretas, rei dos árabes, que inicialmente recuou, mas depois contra-atacou com 10.000 cavaleiros.[8] Antíoco morreu nesta batalha.[8]

Deposição[editar | editar código-fonte]

Filipe foi deposto,[Nota 2] e foi convidado pelos habitantes de Alexandria para governar o Egito, mas foi impedido por Aulo Gabínio, oficial de Pompeu e governador romano da Síria.[1]

Notas e referências

Notas

  1. Antíoco Eusébio, no texto de Flávio Josefo, é chamado de Antíoco Pio.
  2. De acordo com Apiano, que não menciona Filipe, após Antíoco X Eusébio ter sido expulso da Síria por se casar com Cleópatra Selene I, esposa do seu pai, a Síria foi tomada por Tigranes, o Grande, rei da Arménia.

Referências

  1. a b c d e f g h Eusébio de Cesareia, Crônica, 98, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande [em linha]
  2. a b Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 68 [em linha]
  3. a b c Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 69
  4. Eusébio de Cesareia, Crônica, 96, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande [em linha]
  5. Eusébio de Cesareia, Crônica, 97, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande
  6. a b c d e Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, Capótulo 13, Como Alexandre, formando uma aliança de defesa mútua com Cleópatra, fez uma expedição contra a Celessíria, e conquistou a cidade de Gaza, e como ele matou 10.000 judeus que se rebelaram contra ele. Sobre Antíoco Gripo, Seleuco filho de Antíoco de Cízico, Antíoco Pio, e outros, 4 [em linha]
  7. a b Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, Capítulo 14, Como Demétrio Eucerus derrotou Alexandre mas em pouco tempo se retirou do país por medo, e como Alexandre matou vários dos judeus e assim terminou com seus problemas. Sobre a morte de Demétrio, 3
  8. a b c d e Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, Capítulo 15, Como Antíoco, chamado Dionísio, e depois dele Aretas, atacaram a Judeia, e como Alexandre tomou várias cidades e retornou a Jerusalém e, depois de três anos de doença, morreu, e o conselho que ele deu a Alexandra, 1


Árvore genealógica simplificada. As linhas pontilhadas indicam que a paternidade dos personagens é baseada em conjecturas, para mais detalhes, consulte os artigos:

Demétrio II Nicátor
Cleópatra Teia
Ptolemeu VIII Evérgeta II
Antíoco Gripo
Trifena
Seleuco VI Epifânio Nicátor
Antíoco XI Epifânio Filadelfo
Filipe I Filadelfo
Demétrio III Filopátor
Antíoco XII Dionísio