Frank Moro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Frank Moro
Nome completo Francisco Moro Rueda
Nascimento 11 de janeiro de 1944
Holguín, Cuba
Cuba
Morte 21 de junho de 1993 (49 anos)
Miami, Estados Unidos
Estados Unidos
Ocupação Ator
IMDb: (inglês)

Francisco Moro Rueda conhecido como Frank Moro (Holguín, 11 de janeiro de 1944 - Miami, 21 de junho de 1993) foi um ator cubano que radicou em Porto Rico e no México[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 11 de janeiro de 1944, em Holguín, pequena localidade de Cuba, mas desde pequeno migrou como exilado em Miami, onde trabalhou no teatro cubano instalado naquele lugar.

No entanto, ao ver que sus aspirações não dariam certo ali, decidiu viajar ao México para buscar fortuna dentro do cinema mexicano, apoiado pelo diretor Juan Orol, quem lhe ofereceu sua primeira oportunidade em 1966 , no filme "Antesala de la Silla eléctrica". Mais tarde vieram outros filmes, como "Mommy", "Tú", "Mi amor", "Libertad para la juventud", "Adiós New York", "Mamá Soy Paquito", "Las piernas del millón", etc.

Mas foi na televisão onde ele se consagrou como ator popular. Sua primeira novela foi Paloma, no ano de 1975.

Em 1980 protagonizou a novela Al rojo vivo, junto com Alma Muriel e Silvia Pasquel.

Já em 1982 protagonizou a novela El amor nunca muere, junto com Christian Bach e novamente com Silvia Pasquel[2].

No ano seguinte, em 1983 integrou o trio protagonista da novela Bodas de odio, junto com Miguel Palmer e Christian Bach[3].

Em 1986 protagonizou a novela El engaño junto a Erika Buenfil e Guillermo García Cantú. [4].

Em 1991 integrou o elenco da novela Atrapada. Esta foi a sua última aparição na televisão[5].

Também conseguiu ingressar na industria discográfica com vários discos de poesia espanhola e latino-americana, entre cujos poetas favoritos destacam: León Felipe, García Lorca e Pablo Neruda. Tempo antes da data em que ocorreu seu decesso, o ator foi a Miami e trabalhou por mais de um ano como locutor na estação "La cubanísima, no programa Una hora con Frank Moro, dentro do qual entrevistou a varias figuras do espetáculo e além disso, conduziu o noticiário "Mundo Latino" na cadeia NetWork.

No teatro realizou obras como "Carta de Amor", ao lado de Saby Kamalich, Jacqueline Andere e Lucy Gallardo, ao qual se apresentou durante mais de um ano[6].

Carreira[editar | editar código-fonte]

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

Telenovelas (Porto Rico)[editar | editar código-fonte]

  • El cuarto mandamiento (
  • Esos hijos
  • La noche del extraño
  • Mujeres sin hombres
  • La intrusa
  • Por qué Dios me hizo quererte?
  • Solamente tú
  • Chao
  • Una vez a la semana
  • Jaque a la reina
  • La zorra y las uvas
  • Escenificación
  • El amado amante
  • Canción de cuna
  • El rebelde
  • La sangre de Dios
  • La dama de las camelias
  • El sirviente

Referências

  1. «Recordando a Frank Moro». Angel Fire. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  2. «El Amor Nunca Muere o Lo Imperdonable versión 1982». La hora de la novela. 16 de agosto de 2015. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  3. «Telenovelas del ayer: Bodas de Odio». Novelas about. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  4. «El engaño». Series now. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  5. «Christian y Humberto -"atrapados" en el éxito». Zurita Bach. 27 de janeiro de 2011. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  6. «Recordando a Frank Moro». Terra. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]