Genie (criança selvagem)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Genie
Genie aos 13 anos em 1970, logo depois do seu resgate.
Nome completo Genie Wiley
Conhecido(a) por Ser vítima de abuso infantil severo, ser objeto de estudo em aquisição linguística e ser uma criança selvagem
Nascimento 18 de abril de 1957 (65 anos)
Arcadia, Califórnia
Residência Los Angeles, Califórnia
Nacionalidade Estadunidense

Genie (Arcadia, 18 de abril de 1957) é o pseudônimo de uma criança selvagem estadunidense que foi vítima de abuso grave, negligência e isolamento social. Suas circunstâncias são proeminentemente registradas nos anais da linguística e da psicologia infantil anormal.[1][2][3] Quando ela tinha aproximadamente 20 meses de idade, seu pai começou a mantê-la em um quarto trancado. Durante esse período, ele quase sempre a amarrava no banheiro ou em um berço com os braços e as pernas imobilizados, proibia qualquer pessoa de interagir com ela, proporcionava-lhe quase nenhum tipo de estimulação e a deixava gravemente desnutrida.[4][5][6] A extensão de seu isolamento a impediu de ser exposta a qualquer quantidade significativa de fala e, como resultado, ela não aprendeu a falar durante a infância. O nível de abuso que ela sofreu chamou a atenção das autoridades de bem-estar infantil do Condado de Los Angeles em novembro de 1970, quando ela tinha 13 anos e 7 meses, quando ela se tornou responsabilidade do estado da Califórnia.[1][4][7]

Psicólogos, linguistas e outros cientistas inicialmente deram muita atenção ao caso de Genie. Ao determinar que ela ainda não havia aprendido a falar, os linguistas viram em Genie uma oportunidade de obter mais informações sobre os processos que controlam as habilidades de aquisição da linguagem e testar teorias e hipóteses identificando períodos críticos durante os quais os humanos aprendem a entender e usar a linguagem. Ao longo do tempo em que foi estudada, ela fez avanços substanciais em seu desenvolvimento mental e psicológico geral. Em poucos meses, ela desenvolveu habilidades excepcionais de comunicação não verbal e gradualmente aprendeu algumas habilidades sociais básicas, mas mesmo no final do estudo de caso, ela ainda exibia muitos traços comportamentais característicos de uma pessoa não socializada. Ela também continuou a aprender e usar novas habilidades linguísticas ao longo do tempo em que a testaram, mas acabou sendo incapaz de aprender totalmente uma língua materna.[8][9][10]

As autoridades inicialmente providenciaram a admissão de Genie no Hospital Infantil de Los Angeles, onde uma equipe de médicos e psicólogos cuidou dela por vários meses. Sua vida posterior tornou-se objeto de um debate rancoroso. Em junho de 1971, ela deixou o hospital para morar com seu professor do hospital, mas um mês e meio depois, as autoridades a colocaram com a família do cientista que chefiava a equipe de pesquisa, com quem viveu por quase quatro anos. Logo após completar 18 anos, Genie voltou a morar com sua mãe, que decidiu depois de alguns meses que não poderia cuidar dela adequadamente. As autoridades então a transferiram para a primeira do que se tornaria uma série de instituições para adultos com deficiência, sendo que as pessoas que a administravam a separaram de quase todos que ela conhecia e a submeteram a abusos físicos e emocionais extremos.[4][5][11] Como resultado, sua saúde física e mental se deteriorou severamente e suas habilidades de linguagem e comportamento recém-adquiridas regrediram muito rapidamente.[4][5]

No início de janeiro de 1978, a mãe de Genie proibiu abruptamente todas as observações científicas e testes em Genie. Pouco se sabe sobre suas circunstâncias desde então. Seu paradeiro atual é incerto, embora se acredite que ela esteja vivendo sob os cuidados do estado da Califórnia.[4][12][13] Psicólogos e linguistas continuam a discuti-la e há considerável interesse acadêmico e da mídia em seu desenvolvimento e nos métodos da equipe de pesquisa. Em particular, os cientistas compararam Genie a Victor de Aveyron, uma criança francesa do século XIX que também foi objeto de um estudo de caso sobre atraso no desenvolvimento psicológico e aquisição tardia da linguagem.[5][14][15]

Referências

  1. a b Reynolds & Fletcher-Janzen 2004, p. 428.
  2. Waltz, Mitzi (2013). Autism: A Social and Medical History. Basingstoke, Hampshire, United Kingdom: Palgrave Macmillan. ISBN 978-0-230-52750-8. OCLC 821693777. Consultado em 24 de maio de 2014. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2016 
  3. Pinker 2007, pp. 296–297.
  4. a b c d e James, Susan Donaldson (7 de maio de 2008). «Wild Child 'Genie': A Tortured Life». ABC News. Consultado em 4 de março de 2013. Cópia arquivada em 23 de abril de 2013 
  5. a b c d «Secret of the Wild Child». PBS (Estados Unidos), BBC (Reino Unido). OCLC 57894649. Consultado em 12 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2012 
  6. Curtiss 1977, pp. 1–6.
  7. Curtiss 1977, pp. 5–6.
  8. Curtiss 1977.
  9. Curtiss, Susan; Fromkin, Victoria A.; Krashen, Stephen D.; Rigler, David; Rigler, Marilyn (1974). «The Development of Language in Genie: a Case of Language Acquisition Beyond the "Critical Period"» (PDF). Brain and Language. 1 (1): 81–107. ISSN 0093-934X. OCLC 4652742368. doi:10.1016/0093-934X(74)90027-3. Consultado em 6 de junho de 2013. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2015 
  10. Curtiss, Susan; Fromkin, Victoria A.; Krashen, Stephen D. (1978). «Language development in the mature (minor) right hemisphere» (PDF). Journal of Applied Linguistics. 39–40 (1): 23–27. Consultado em 30 de abril de 2013. Cópia arquivada (PDF) em 29 de maio de 2013 
  11. Rymer 1994, pp. 151–155.
  12. James, Susan Donaldson (19 de maio de 2008). «Raised by a Tyrant, Suffering a Sibling's Abuse». ABC News. Consultado em 12 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2011 
  13. Carroll, Rory (14 de julho de 2016). «Starved, tortured, forgotten: Genie, the feral child who left a mark on researchers». The Guardian. Consultado em 14 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 27 de julho de 2016 
  14. Rymer 1994.
  15. Leiber, Justin (setembro de 1977). «Nature's Experiments, Society's Closures». Journal for the Theory of Social Behaviour. 27 (2–3): 325–343. ISSN 0021-8308. OCLC 5152679776. doi:10.1111/1468-5914.00041. Consultado em 1 de setembro de 2014. Cópia arquivada em 23 de março de 2010 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.