Giovanni Legrenzi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Giovanni Legrenzi
Nascimento 12 de agosto de 1626
Clusone
Morte 27 de maio de 1690 (63 anos)
Veneza
Cidadania República de Veneza
Ocupação compositor, organistaórgão, órgão
Movimento estético música barroca
Religião Igreja Católica

Giovanni Battista Legrenzi (Clusone, batizado em 12 de agosto de 1626Veneza, 27 de maio de 1690) foi um clérigo, compositor e organista da Itália. É considerado um dos maiores compositores da escola de Veneza do fim do século XVII e exerceu uma enorme influência no desenvolvimento da linguagem do barroco no norte da Itália.

Vida[editar | editar código-fonte]

Era filho de Giovanni Maria Legrenzi, compositor e violinista, que deve ter sido o seu primeiro professor. Depois transferiu-se para Bergamo, o centro regional, onde recebeu sua primeira indicação, tornando-se organista na Igreja de Santa Maria Maior, sede de grande tradição musical. Ordenado padre em 1651, foi indicado capelão na igreja e Primeiro Organista em 1653. Sua primeira coleção de obras publicadas apareceu no ano seguinte, contendo missas e vésperas.

Deixou Bergamo em 1655 e em 1656 assumiu como mestre de capela na Academia do Espírito Santo em Ferrara, uma pequena mas sólida instituição musical, também de longa tradição. Neste período publicou diversas outras coleções de obras e iniciou uma carreira de operista, apresentando sua primeira composição no gênero em Veneza, em 1664. Entre esta data e 1670 pouco se sabe sobre sua vida, mas renunciou ao cargo na Academia e embora tenha continuado a produzir música, parece não ter mantido empregos estáveis. Em torno de 1670 estabeleceu-se em Veneza, como professor na Igreja de Santa Maria dei Derelitti, onde permaneceu até 1676, quando foi indicado maestro do coro no Ospedale dei Mendicanti. Em 1685 tornou-se vice-maestro na Basílica de São Marcos. Nesta altura era considerado, junto com Carlo Pallavicino (1640 ca. – 1688), o maior compositor de óperas em atividade. Em abril do mesmo ano foi nomeado mestre de capela da Basílica, mas já estava doente, e nos anos seguintes pouco atuou nesta posição. Apesar da fama que ganhou em vida com suas óperas e música sacra, hoje é mais lembrado pela sua produção instrumental.

Música[editar | editar código-fonte]

Legrenzi era ativo na maioria dos gêneros correntes no norte da Itália no final do século XVII, incluindo música vocal sacra, ópera, oratório e variedades de música instrumental. Embora mais conhecido como compositor de sonatas instrumentais, ele foi predominantemente um compositor de música litúrgica com um caráter nitidamente dramático. A maior parte de sua música instrumental também pode ser incluída nesta categoria, uma vez que teria sido usada principalmente como um substituto para itens litúrgicos na Missa ou Vésperas.

Legrenzi compôs dezenove óperas de 1662 a 1685, das quais as mais bem-sucedidas foram Achille in Sciro (1664), La divisione del mondo, I due cesari (1683), Il Giustino (1683) e Publio Elio Pertinace (1684).[1] Suas óperas eram imensamente populares (e apresentadas de forma extravagante) em seus dias, embora, como seus oratórios, poucos tenham sobrevivido. Sua música de dança posterior estava certamente ligada ao repertório operístico, embora a função de uma coleção antiga (Op. 4, que é musicologicamente famosa por incluir seis peças designadas sonate da câmera) seja menos clara.

A música de Legrenzi está ganhando interesse constantemente à medida que partituras e transcrições se tornam mais amplamente disponíveis. Os grupos de música antiga estão cada vez mais incluindo as sonatas instrumentais e seleções da música devocional e litúrgica nos concertos. Houve reavivamentos significativos de algumas das óperas sobreviventes. Editions de La divisione del mondo e Il Giustino pelo maestro alemão Thomas Hengelbrock tiveram performances no Festival Schwetzingen, o Festival Innsbruck de Early Music eo Festival de Música de Echternach , e houve um grande renascimento do La divisione del mondo em uma coprodução entre a Opéra national du Rhin e a Opéra national de Lorraine em fevereiro / março de 2019.[2]

Trabalhos publicados[editar | editar código-fonte]

  • Concerti Musicali per uso di Chiesa. Op. 1 (Venice, Alessandro Vincenti, 1654)
  • Sonata a due, e tre. Op. 2 (Venice, Francesco Magni, 1655)
  • Harmonia d'affetti Devoti a due, tre, e quatro, voci. Op. 3 (Venice, Alessandro Vincenti, 1655)
  • Sonate dà Chiesa, e dà Camera, Correnti, Balletti, Alemane, Sarabande a tre, doi violini, e violone. Libro Secondo. Op. 4 (Venice, Francesco Magni, 1656)
  • Salmi a cinque, tre voci, e due violini. Op. 5 (Venice, Francesco Magni, 1657)
  • Sentimenti Devoti Espressi con le musica di due, e tre voci. Libro Secondo. Op. 6 (Venice, Francesco Magni detto Gardano, 1660). Uma segunda edição foi publicada em Antuérpia em 1665.
  • Compiete con le Lettanie & Antifone Della B.V. a 5. voci. Op. 7 (Venice, Francesco Magni detto Gardano, 1662)
  • Sonate a due, tre, cinque, a sei stromenti. Libro 3. Op. 8 (Venice, Francesco Magni, 1663)
  • Sacri e Festivi Concerti. Messa e Salmi a due chori con stromenti a beneplacito. Op. 9 (Venice, Francesco Magni Gardano, 1667)
  • Acclamationi Divote a voce sola. Libro Primo. Op. 10 (Bologna, Giacomo Monti, 1670)
  • La Cetra. Libro Quarto di Sonate a due tre e quattro stromenti. Op. 10 (Venice, Francesco Magni Gardano, 1673, reimpresso em 1682)
  • Cantate, e Canzonette a voce sola. Op. 12 (Bologna, Giacomo Monti, 1676)
  • Idee Armoniche Estese per due e tre voci. Op. 13 (Venice, Francesco Magni detto Gardano, 1678)
  • Echi di Riverenza di Cantate, e Canzoni. Libro Secondo. Op. 14 (Bologna, Giacomo Monti, 1678)
  • Sacri Musicali Concerti a due, e tre voci. Libro Terzo. Op. 15 (Venice, Gioseppe Sala, 1689)
  • Balletti e Correnti a cinque stromenti, con il basso continuo per il cembalo. Libro Quinto Postumo. Op. 16 (Venice, Gioseppe Sala, 1691)
  • Motetti Sacri a voce sola con tre strumenti. Op. 17 (Venice, Gioseppe Sala, 1692)
  • Sonate a 2, 3, 4, 5, 6 e 7 istrumenti con tromba, o senza, overo flauto Op. 18 (Venice, Gioseppe Sala, 1693) (nenhuma cópia sobreviveu)
  • Voci geniali, raccolte in duetti e terzetti Op. 19 (Venice, Gioseppe Sala, 1698) (nenhuma cópia sobreviveu)

Nota: Duas coleções foram publicadas como opus 10, Acclamationi Divote (1670) e La Cetra (1673). A impressão de La Cetra como Opus 10 parece ser um erro por parte do editor veneziano, que presumivelmente não tinha conhecimento da coleção publicada em Bolonha em 1670: a numeração correta das publicações foi retomada com Opus 12.

Trabalhos não publicados[editar | editar código-fonte]

Várias obras sobrevivem apenas em cópias manuscritas. A maioria pode ser atribuída com segurança a Legrenzi, embora existam alguns de atribuição menos certa. Entre as mais importantes dessas obras estão:

  • O Messa a cinque voci con stromenti, encontrado em Oxford.
  • A Missa quinque vocibus encontrada em Loreto. Esta missa, datada de 1689 e sobrevivendo em um volume magnificamente encadernado, pode ter sido apresentada como uma oferta votiva.
  • O Messa a 16 para quatro coros e continuo de órgão realizado na Biblioteca do Vaticano.
  • O Prosa pro mortuis, cenário completo para coro duplo e instrumentos da sequência "Dies irae" da Missa de Réquiem.
  • Um cenário único para coro duplo e instrumentos de Matinas para o dia de Natal, incluindo o Invitatório, Salmos e Te Deum; e concluindo com a introdução para a primeira missa de Natal.
  • Intret in conspectu, um moteto para 6 vozes, conhecido de uma única fonte copiado por Handel, que se inspirou no moteto de Legrenzi no coro 'To thy dark servant' no oratório Samson.
  • Credidi propter quod locutus sum, uma configuração de salmo para solo alto, cordas e contínuo, que parece ser um exemplo único da mão do próprio Legrenzi, pois há evidências de que é um autógrafo.
  • Laudate pueri, uma configuração de salmo para cinco vozes, cordas e continuo e, excepcionalmente, uma trombeta.
  • Spirate aure serenae, um moteto para soprano solo, cordas e contínuo que prevê um teorbo para dobrar ou substituir o violão.

Além disso, há mais algumas peças litúrgicas, várias cantatas e a incomum 'serenata' Notte, madri d'horrori.

Óperas[editar | editar código-fonte]

  • Nino, il giusto (1662)
  • Achille in Sciro (1663)
  • Zenobia e Radamisto (1665)
  • Tiridate (1668)
  • Eteocle e Polinice (1674)
  • La divisione del mondo (1675)
  • Adone in Cipro (1676)
  • Germanico sul Reno (1676)
  • Totila (1677)
  • Antioco il grande (1681)
  • Creso (1681)
  • Pausania (1681)
  • Lisimaco riamato da Alessandro (1682)
  • Ottaviano Cesare Agusto (1682)
  • I due cesari (1683)
  • Il Giustino (1683)
  • L'anarchia dell'imperio (1683)
  • Publio Elio Pertinace (1684)
  • Ifianassa e Melampo (1685)

Oratórios[editar | editar código-fonte]

  • Oratorio del giuditio (1665)
  • Lamenti Profetici nella Passione di Cristo (1671)[3]
  • Sedecia (1671)
  • Il creation del mondo (1672)
  • Sisara (1672)
  • Moisè (1672)
  • La vendita del cuor humano (or Il prezzo del cuor humano) (1673)
  • La morte del cor penitente (1673)
  • San Giovanni Battista (1673)
  • Adamo et Eva (1674)
  • Gli sponsali d’Ester (1675)
  • Decollatione di S. Giovanni (1678)
  • Erodiade (lib. Neri) (1687)
  • Erodiade (lib. Piccioli) (1687)

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • Stephen Bonta: The Church Sonatas of Giovanni Legrenzi. Ph.D. Dissertation, Harvard University, 1964.
  • Stephen Bonta: "Giovanni Legrenzi", Grove Music Online ed. L. Macy (Accessed June 27, 2005), (subscription access)
  • Stephen Bonta: Studies in Italian Sacred and Instrumental Music in the 17th Century. Burlington, Ashgate Publishing Co, 2003. ISBN 0-86078-878-4
  • Rudolf Bossard: Giovanni Legrenzi – Il Giustino: Eine Monograph; Studie. Ph.D. Dissertation, Basel, 1987. Published as Il Giustino; eine mongraphische Studie. Baden-Baden, Koerner, 1988. Collection d'études musicologiques ; 79. ISBN 3-87320-579-3
  • Tiziana Brugnoni: Giovanni Legrenzi, Germanico sul Reno: Studio introduttivo ed edizione critica. M.A. Dissertation, Università di Pavia, 1991.
  • L. Glenn Cockerham: The chamber sonatas and dances of Giovanni Legrenzi. Ph.D. Dissertation, University of Kansas, 1988.
  • Luigi Collarile: Sacri Concerti. Studi sul mottetto a Venezia nel secondo Siecento. Ph.D. Dissertation, University of Freiburg, 2010.
  • Julia Davids: Music for Vespers of the B.V.M. by Giovanni Legrenzi: A modern performing edition. D.Mus. Dissertation, Northwestern University, 2006.
  • Reinmar Emans: Die einstimmigen Kantaten, Canzonetten und Serenaden Giovanni Legrenzis. Ph.D. Dissertation, University of Bonn, 1984
  • Piero Fogaccia: Giovanni Legrenzi. Bergamo, Edizioni Orobiche, 1954.
  • John Alexander MacDonald: The sacred vocal music of Giovanni Legrenzi. 2 vols. Ph.D. Dissertation, University of Michigan, 1964.
  • Paola Palermo and Giulia Pecis Cavagna: La cappella musicale di Santa Maria Maggiore a Bergamo dal 1637 al 1810. (Studi Sulla Storia Della Musica in Lombardia, v). Turnhout, Brepols, 2007. ISBN 2-503-51033-7.
  • Francesco Passadore and Franco Rossi: La sottigliezza dell’intendimento. Catalogo tematico di Giovanni Legrenzi. Venice: Edizioni Fondazione Levi, 2002. ISBN 88-7552-028-3
  • Francesco Passadore and Franco Rossi (eds.): Giovanni Legrenzi e la Cappella ducale di San Marco : atti dei convegni internazionali di studi, Venezia, 24–26 maggio 1990, Clusone, 14–16 settembre 1990. Florence : Olschki, 1994. ISBN 88-222-4164-9
  • Gale Richard Price: "II sedecia" A seventeenth-century oratorio by Giovanni Legrenzi. D.M.A. Dissertation, University of Kentucky, 1981
  • John H. Roberts (ed.): La lotta d’Hercole con Acheloo / Agostino Steffani. Miscellaneous manuscript sources. Handel sources: materials for the study of Handel's borrowing ; 9. New York: Garland, 1986. ISBN 0-8240-6483-6 ISBN 978-0824064839 (motet Intret in conspectu)
  • Eleanor Selfridge-Field: A New Chronology of Venetian Opera and Related Genres, 1660–1760. Palo Alto, Stanford University Press, 2007. ISBN 978-0-8047-4437-9
  • Eleanor Selfridge-Field: Pallade veneta : writings on music in Venetian society, 1650–1750. Venezia : Fondazione Levi, 1985. ISBN 88-7552-006-2
  • Eleanor Selfridge-Field: Venetian Instrumental Music, from Gabrieli to Vivaldi. New York, Dover Publications, Third Rev. Ed. 1994. ISBN 0-486-28151-5 (See also Venetian instrumental ensemble music in the seventeenth century. D.Phil. Dissertation, University of Oxford, 1969.)
  • Umberto Scarpetta: Ritratto di un musicista barocco: Giovanni Legrenzi. Ph.D. Dissertation, Università Cattolica del Sacro Cuore, 1976.
  • Hendrik Schulze: Die Figur des Odysseus in der venezianischen Oper des 17. Jahrhunderts. Ph.D. Dissertation, Heidelberg, 2002. Published as Odysseus in Venedig: Sujetwahl und Rollenkonzeption in der venezianischen Oper des 17. Jahrhunderts. Frankfurt: Peter Lang, 2004. ISBN 3-631-50495-0.
  • J. David Swale: A thematic catalogue of the music of Giovanni Legrenzi (with an introduction and commentaries). 3 vols. Ph.D. Dissertation, The University of Adelaide, 1984.
  • Karin Anna Swanson: The secular vocal chamber music of Giovanni Legrenzi: M.Mus. Dissertation, University of Illinois, 1964.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. William Smyth Rockstro (1886). A general history of music from the infancy of the Greek drama to the present period. [S.l.]: Sampson Low, Marston, Searle, & Rivington. p. 117 
  2. «La Divisione del mondo». Les Talens Lyriques (em inglês). Consultado em 6 de agosto de 2021 
  3. Robert Kendrick, Singing Jeremiah: Music and Meaning in Holy Week, Indiana University Press, 2014, pp.135, 282
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.