Guerra Russo-Turca (1787–1792)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Guerra Russo-Turca (1787–1792)
January Suchodolski - Ochakiv siege.jpg
Campo de Ochakiv, em 1788, por January Suchodolski.
Data 1787 – 1792
Local Europa Oriental
Desfecho Vitória russa; Tratado de Jassy
Combatentes
 Império Russo Império Otomano Império Otomano
Principais líderes
Rússia Catarina II
Rússia Gregório Potemkin
Rússia Alexander Suvorov
Rússia Pyotr Rumyantsev
Rússia Nicholas Repnin
Rússia Fyodor Fyodorovich Ushakov
Flag of Russia.svg Bandera de España 1760-1785.svg José de Ribas
Flag of Russia.svg US flag 13 stars – Betsy Ross.svg John Paul Jones
Império Otomano Abd-ul-Hamid I
Império Otomano Koca Yusuf Pasha
Império Otomano Cezayirli Gazi Hasan Pasha
Império Otomano Husayn Pasha

A Guerra russo-turca de 1787-1792 aconteceu-se devido ao intenso aceleramento do Império Otomano para reconsquistar territórios perdidos pela Rússia no curso da anterior guerra russo-turca (1768-1774).

Em 1786, Catarina, a Grande, realizou sua entrada triunfal na Crimeia anexada na companhia de seu aliado, o imperador José II, Sacro Imperador Romano-Germânico. Estes acontecimentos, junto com a fricção causada por mútuas acusações do Tratado de Kuchuk-Kainarji, que havia terminado a guerra anterior, inflamaram a opinião pública de Constantinopla. Os embaixadores britânicos e franceses, por sua parte, também deram seus apoios incondicionais aos partidários da guerra.

A guerra declarou-se em 1788, mas os preparativos da Turquia foram inadequados e era um momento ruim, com a Áustria aliada à Rússia, que os turcos só descobriram apenas quando já era tarde. Os turcos conseguiram com que os austríacos se retirassem de Mehadia e consquitaram o Banato (1789). Mas na Moldávia, o marechal de campo, Rumyantsev, apossou-se Iaşi e Khotin. Em um grande campo de inverno em Ochakiv, foi morto o príncipe Grigori Alexandrovich Potemkin, e todos seus habitantes foram massacrados. Esta notícia afetou tanto ao sutão Abdul Hamid I, que causou-lhe a morte.

Os generais turcos não eram bons administradores de seus exércitos, e o exército era fraco. As expedições de auxílio à Bender e Akerman fracassaram, Belgrado foi tomada pelo General Laudon da Áustria, a fraca fortaleza de Izmail foi capturada por Suvórov mediante o uso de ataques surpresa e combinados da infantaria e artilharia, Ushakov destruiu a frota otomana em Fidonisi, Tendra, Estreito de Kerch e Cabo Caliacria, e a queda de Anapa diante de Ivan Gudocivh completou a série de desastres turcos.

O novo e jovem sultão Selim III, queria, rapidamente, restaurar o prestígio de seu país com uma vitória antes de fazer a paz, mas o estado de suas tropas frustrou suas esperanças. A Prússia, que havia firmado um tratado ofensivo com a Turquia, em 31 de janeiro de 1790, não prestou-lhe nenhuma ajuda.

Pelo Tratado de Jassy, firmado com a Rússia, em 9 de janeiro de 1792, o Império Otomano reconheceu a anexação russa do Canato da Crimeia (efetuada em 1783) e cedeu Yedisán (Khadsibey e Ochakiv) a Rússia, passando o rio Dniéster a ser a fronteira entre ambos os países. A fronteira asiática (o rio Kuban) permaneceu intacto.

Referências[editar | editar código-fonte]