Haliotis asinina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaHaliotis asinina
H. asinina
H. asinina
Juvenil de H. asinina (5 mm), mostrando em "r" o relevo e em "v" os vales entre relevos. Em branco, as setas indicam of furos excretores, tremata, já abertos.
Juvenil de H. asinina (5 mm), mostrando em "r" o relevo e em "v" os vales entre relevos. Em branco, as setas indicam of furos excretores, tremata, já abertos.
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Clado: Vetigastropoda
Classe: Gastropoda
Superfamília: Haliotoidea
Família: Haliotidae
Género: Haliotis
Linnaeus, 1758[1]
Espécie: H. asinina
Nome binomial
Haliotis asinina
Linnaeus, 1758[1]
Sinónimos
Haliotis asinum Donovan, 1808
Teinotis (gênero) H. Adams & A. Adams, 1854[1]

Haliotis asinina (em inglês ass's ear abalone, donkey's ear abalone ou green abalone)[2] é uma espécie de molusco gastrópode marinho pertencente à família Haliotidae. Foi classificada por Linnaeus, em 1758. É nativa do leste do oceano Índico e oeste do Pacífico,[3] na região tropical do Indo-Pacífico.[1][4][5] É a espécie-tipo de seu gênero.[6]

Descrição da concha[editar | editar código-fonte]

Concha de 6 até 12 centímetros,[3][5][7] mais alongada que a maioria das espécies de Haliotis, com superfície de coloração variável[5] e relevo pouco aparente,[8] geralmente em tons de verde ou verde-oliva a castanha,[9][10] até mesmo avermelhada[11] e, em muitos casos, com desenhos triangulares;[3][12] dotada de 6 a 7 perfurações abertas em sua superfície.[3][7] Lábio externo ligeiramente sinuoso em sua metade.[13] Região interna da concha fortemente nacarada.[12][14]

Hábitos e distribuição geográfica[editar | editar código-fonte]

Vivem em bentos de recifes de coral a uma profundidade conhecida por zona nerítica, em águas rasas,[5][13] ocorrendo desde o Mar de Andamão até a Melanésia e ilhas Fiji, passando pelas Filipinas,[8] Nova Guiné e norte da Austrália,[9] até o Vietnã, sul do Japão (Okinawa) e do litoral de Queensland.[4][5][7][13]

Em vida, o excepcionalmente grande manto, de coloração verde, quase cobre a concha, de modo que esta espécie é quase desprovida dos incrustantes organismos marinhos em sua superfície, característicos em outros Haliotidae.[13]

Padrão de camuflagem juvenil[editar | editar código-fonte]

O juvenil de H. asinina apresenta uma coloração marrom uniforme, similar à das algas coralinas incrustantes em que a larva se fixou. Com cerca de 1 milímetro de tamanho, mais alterações no manto são refletidas em sua concha. Estruturalmente, uma série de relevos ("r" na fotografia em preto e branco) e vales pronunciados ("v" na fotografia em preto e branco) e uma linha de furos (tremata - "t" na fotografia abaixo e setas brancas na fotografia em preto e branco) aparecem. Além disso, nesta fase do desenvolvimento aparecem os primeiros indícios de nácar. O fundo uniforme, marrom, agora é interrompido por áreas em creme; ambas as regiões apresentando um padrão de pontuações que só ocorrem nos sulcos. Quando recobre uma área em marrom, tal padrão é azul; quando recobre uma área em creme, tal padrão é laranja. Este padrão de concha pode melhorar a capacidade do juvenil para camuflar-se no fundo heterogêneo de seu habitat.[15]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «Haliotis asinina» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  2. Moscowskaya, Nathalie. «Stock Photo - Haliotis asinina (Linnaeus, 1758), family Haliotidae. Shells on the sand. Also known, as "Ass's Ear Abalone", "Donkey's Ear Abalone" and "Green Abalone".» (em inglês). 123RF. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  3. a b c d OLIVER, A. P. H.; NICHOLLS, James (1975). The Country Life Guide to Shells of the World (em inglês). England: The Hamlyn Publishing Group. p. 18. 320 páginas. ISBN 0-600-34397-9 
  4. a b «Computer Generated Native Distribution Map for Haliotis asinina (donkey's ear abalone), with modelled year 2100 native range map based on IPCC A2 emissions scenario» (em inglês). Aquamaps. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  5. a b c d e ABBOTT, R. Tucker; DANCE, S. Peter (1982). Compendium of Seashells. A color Guide to More than 4.200 of the World's Marine Shells (em inglês). New York: E. P. Dutton. p. 21. 412 páginas. ISBN 0-525-93269-0 
  6. «Haliotis» (em inglês). World Register of Marine Species. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  7. a b c «Haliotis asinina» (em inglês). Gastropods. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  8. a b LINDNER, Gert (1983). Moluscos y Caracoles de los Mares del Mundo (em espanhol). Barcelona, Espanha: Omega. p. 112. 256 páginas. ISBN 84-282-0308-3 
  9. a b Barritt, Michael J. (17 de outubro de 2012). «Ass's-ear Abalone (Haliotis asinina), Northern Territory, Australia. (1)» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  10. Barritt, Michael J. (17 de outubro de 2012). «Ass's-ear Abalone (Haliotis asinina), Northern Territory, Australia. (2)» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  11. Parker, Richard (4 de agosto de 2009). «Donkey's Ear Abalone - Haliotis asinina» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  12. a b Watery World (24 de dezembro de 2011). «Haliotis asinina» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  13. a b c d «Haliotidae» (PDF) (em inglês). Food and Agriculture Organization of the United Nations. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 [ligação inativa]
  14. Barritt, Michael J. (17 de outubro de 2012). «Ass's-ear Abalone (Haliotis asinina), Northern Territory, Australia. (3)» (em inglês). Flickr. 1 páginas. Consultado em 6 de maio de 2016 
  15. Jackson Daniel J.; Wörheide, Gert; Degnan, Bernard M. (2007). «Dynamic expression of ancient and novel molluscan shell genes during ecological transitions» (em inglês). BMC Evolutionary Biology. 1 páginas. Consultado em 29 de abril de 2016