Herwarth Walden

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Herwarth Walden
Nascimento 16 de setembro de 1878
Berlim
Morte 31 de outubro de 1941 (63 anos)
Saratov
Cidadania Alemanha
Ocupação pintor, escritor
Movimento estético expressionismo

Herwarth Walden (Berlim, 1878 - Saratov, Volga, 1941), pseudônimo de Georg Levin foi um escritor, músico, editor, promotor e crítico das artes alemão, fundador da revista Der Sturm e principal popularizador do termo Expressionismo[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Casado de 1903 a 1912 com a importante poeta expressionista Else Lasker-Schüler, foi esta que sugeriu o seu pseudônimo e o título da sua revista, criada em 1910. Der Sturm foi proeminente na promoção dos experimentos mais radicais do Expressionismo.

Após a revista, em 1912, abriu uma galeria de arte homônima, divulgando em seu primeiro ano o grupo Der Blaue Reiter de Munique e os futuristas italianos[2].

No ano do lançamento da Der Sturm publicou composições musicais. De 1916 a 1931, Herwarth Walden publicou três romances e dez peças e um livro de poemas. Embora o seu trabalho criativo seja considerado de menor importância, sua obra ensaística é considerada muito elucidativa com relação ao momento vanguardista vivido na Alemanha de então, e inclui Das Begriffliche in der Dichtung e Kritik der vorexpressionistischen Dichtung (publicados em Der Sturm, 1918), Die neue Malerei(Der Sturm, 1920) e Die dichtung als Wortkunst (Der Sturm, 1921)[3].

Em 1932 ele dirigiu-se para Moscou, onde viverá exilado da Alemanha, em função da ascensão de Hitler e do pensamento comunista do autor.

É notória a contribuição de Walden ao Expressionismusdebatte (ou Realismusdebatte) pelo seu tratado Vulgär-Expressionismus, que apareceu em fevereiro de 1938 em Das Wort (editada por Brecht, Lion Feuchtwanger, e Willi Bredel de 1901-64). Com relação à polêmica noção que envolveu autores como Lukács de que o Expressionismo preparou o caminho para o fascismo, Walden a rejeitou fortemente em seus ensaios [4].

Vítima também dos expurgos de Stalin, Herwarth Walden foi deportado para Saratov em 1940 ou 41[5], morrendo em circunstâncias obscuras no ano de 1941.

Obra[editar | editar código-fonte]

Der Sturm. Editor: Herwarth Walden
  • Der Sturm (Revista, 1910–1932)
  • Dafnislieder für Gesang und Klavier (Canções, 1910)
  • Das Buch der Menschenliebe (Romance, 1916)
  • Die Härte der Weltenliebe (Romance, 1917)
  • Kind (Drama, 1918)
  • Menschen (Drama, 1918)
  • Unter den Sinnen (Romance, 1919)
  • Die neue Malerei (Ensaios, 1920
  • Glaube (Drama, 1920
  • Einblick in Kunst (Ensaios, 1920)
  • Sünde (Drama, 1920)
  • Die Beiden (Drama, 1920)
  • Erste Liebe (Drama, 1920)
  • Letzte Liebe (Drama, 1920)
  • Im Geschweig der Liebe (Poemas, 1925)
  • Vulgär-Expressionismus (Ensaios, 1938)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]