Hipertensão medicamentosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ver artigo principal: Hipertensão arterial

Hipertensão medicamentosa engloba as situações de hipertensão arterial que ocorrem devido ao uso de medicamentos.[1] Não ocorrem em todos os indivíduos que fazem uso da medicação ou substância química. Quando é possível a retirada ou substituição da droga, pode haver normalização da pressão arterial.

Medicações potencialmente envolvidas[editar | editar código-fonte]

  1. Corticóides
    1. Mineralocorticóides
    2. Glicocorticóides
    3. Esteróides sexuais
  2. Anti-inflamatórios não esteróides
  3. Drogas de ação sobre o sistema nervoso simpático
    1. Soluções oftálmicas
    2. Ioinbina
    3. Glucagon
    4. Cocaína
    5. Anorexígenos
    6. Descongestionantes nasais
    7. Antitussígenos
    8. Sibutramina
    9. Clozapina
    10. Bromocriptina
    11. Disulfiran
  4. Antidepressivos
    1. Inibidores da monoamina oxidase
    2. Antidepressivos tricíclicos
    3. Agonistas serotoninérgicos
  5. Anestésicos e Narcóticos
    1. Quetamina
    2. Desflurano
    3. Naloxona
    4. Sevoflurano
  6. Miscelâneo
    1. Ciclosporina
    2. Tacrolimus
    3. Eritropoietina recombinante humana
    4. Antiretrovirais
    5. Etanol
    6. Cafeína
    7. Chumbo
    8. Cádmio
    9. Arsênico

Referências

  1. Izzo Jr., Joseph L. (2008). «166 - Management of Drug-Induced and Iatrogenic Hypertension». Hypertension Primer. The Essentials of High Blood Pressure (em inglês) 4ª ed. Philadelphia, PA, USA: Linppincott Willians & WIlkins. ISBN 978-0-7817-8205-0 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.