Idílio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Um idílio, do grego εἰδύλλιον, "poema curto")[1] é uma poesia curta, descritivo da vida rústica, escrito no estilo dos curtos poemas pastorais de Teócrito, os Idílios.

Ao contrário de Homero, Teócrito não escreveu sobre heróis e guerras. Seus idílios são limitados a um pequeno mundo íntimo e descrevem cenas da vida cotidiana. Adeptos posteriores incluem os poetas romanos Virgílio e Catulo, os poetas italianos Torquato Tasso, Sannazaro e Leopardi, o poeta inglês Alfred Tennyson (Idílios do rei) e Nietzsche (Idílios de Messina). Goethe classificou seu poema Hermann e Doroteia — que Schiller considerou o próprio clímax na produção de Goethe — como um idílio.[2]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

O termo é usado na música para se referir geralmente a uma sugestiva obra de uma vida pastoral ou rural, como Idílio da Floresta, de Edward MacDowell, e mais especificamente a uma espécie de entretenimento cortês francês (divertissement) da época barroca, onde um poema pastoral foi definido como música, acompanhada de balé e canto.[3]

Nas artes visuais, um idílio é uma pintura que descreve o mesmo tipo de assunto encontrado na poesia idílica, geralmente com a vida rural ou camponesa como tema central. Um dos primeiros exemplos é o Très Riches Heures du Duc de Berry, do início do século XV.[4] O gênero era particularmente popular nas pinturas inglesas da era vitoriana.[5]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. εἰδύλλιον, Henry George Liddell, Robert Scott, A Greek-English Lexicon, on Perseus
  2. Gjert Vestrheim: "Hellas som ideal", Antikken i ettertiden (s. 170-2), editado por Universitetsforlaget, Oslo 2009, ISBN 978-82-15-01482-1
  3. Randel, Don Michael (1999). "Idyll", The Harvard Concise Dictionary of Music and Musicians. Harvard University Press, p. 312 e passim. ISBN 0-674-00084-6; Sadie, Julie Anne (1998). Companion to Baroque Music. University of California Press, p. 53. ISBN 0-520-21414-5
  4. Hagen, Rose-Marie and Hagen, Rainer (2002) What Great Paintings Say, Volume 1. Taschen, p.20. ISBN 3-8228-2100-4
  5. Treble, Rosemary (1989). "The Victorian picture of the country" em The Rural idyll (G. E. Mingay, ed.). Routledge, pág. 51-59. ISBN 0-415-03394-2