Idílio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em literatura, dá-se o nome de idílio. Pode ser conhecido como lirico grego eidúllion, que significa "pequeno quadro" ou, por derivação, "pequena poesia", por intermédio do latim ídyllìum. Entre os gregos antigos, dava-se o nome de "idílio" a qualquer poema curto, de natureza descritiva, narrativa, dramática, épica ou lírica.

Em linguagem figurada, "idílio" pode ser definido como sonho, fantasia, devaneio ou algum entretenimento amoroso. Não muito extensos, os idílios passam-se entre pastores e pessoas do povo. Tratam de muitos temas, tais como a juventude, a época, a poesia e o amor.
Exemplo do emprego do termo nesse sentido: "Pouco mais de uma semana para o nosso idílio, a minha flor prometida doente morreu", na música sertaneja "A sementinha", gravada pela dupla Lourenço e Lourival e um sucesso nacional.
No livro "Angélica", de Maria José Dupré:

"Isso é pretexto, penso. Chama-o para mostrar as flores; o que ela quer é que êle entre, fique à vontade, longe de minha vigilância de cão de guarda. — Lindas. . . Ficam quietos e em silêncio. Nada oiço. Devem cochichar, traçam planos em voz baixa, longe de mim. Só sirvo para importunar, perturbar o doce idílio".

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.