João Paulo II e o judaísmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

As relações entre o papa João Paulo II e o judaísmo começaram quando Karol Wojtyła era criança, essas relações continuaram na sua juventude e durante seu papado trabalhou para melhorar as relações entre o judaísmo e a Igreja Católica. O papa também se esforçou para melhorar as relações entre judeus e muçulmanos. Por conta de seu trabalho, o papa foi homenageado por lideranças judaicas.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Durante a sua adolescência, ele travou contato com a grande comunidade judaica de Wadowice e os jogos de futebol eram disputados entre os times de judeus e católicos, com Wojtyła muitas vezes jogando ao lado dos judeus.[1][2]

Na noite de 17 de janeiro de 1945, os alemães fugiram da cidade e os estudantes puderam retomar o então arruinado seminário. Karol e outros seminaristas ofereceram-se para limpar pilhas de imundíces congeladas que se acumularam nas latrinas.[3] Karol também ajudou uma garota judia de 14 anos chamada Edith Zierer,[4] que tinha fugido de um campo de trabalho alemão em Częstochowa.[4] Edith havia desmaiado na plataforma de trens e Karol a carregou e ficou com ela durante toda a viagem até Cracóvia.[5] Ela afirma que Karol salvou-lhe a vida naquele dia.[5][6][7] A organização judaica B'nai B'rith afirma que Karol ajudou a proteger muitos outros judeus poloneses dos nazistas, além de ter priorizado a amizade com os judeus.[8]

Papado[editar | editar código-fonte]

As relações entre o catolicismo e o judaísmo melhoraram durante o pontificado de João Paulo II[9][10] Ele falou com frequência sobre a relação da Igreja com os judeus.[9]

Em 1979, João Paulo II se tornou o primeiro papa a visitar o campo de concentração Auschwitz, na Polônia, onde muitos de seus compatriotas (majoritariamente judeus poloneses) haviam perecido durante a ocupação alemã da Polônia na Segunda Guerra Mundial. Em 1998, o papa publicou "Nós Lembramos: Uma Reflexão sobre a Shoah", que delineou seu pensamento sobre o Holocausto.[11] Ele se tornou o primeiro papa a fazer uma visita papal oficial a uma sinagoga,[12] quando ele visitou a Grande Sinagoga de Roma em 13 de abril de 1986.[13][14][15]

Em 1994, João Paulo II estabeleceu relações diplomáticas formais entre a Santa Sé e o Estado de Israel, reconhecendo sua importância central na vida e fé judaicas.[13][16] Em honra a este evento, o papa João Paulo II patrocinou o "Concerto Papal para Comemoração do Holocausto". Este concerto, que foi concebido e conduzido pelo maestro norte-americano Gilbert Levine, contou com a presença de Elio Toaff, o Rabino principal de Roma, do presidente da Itália Oscar Luigi Scalfaro e de sobreviventes do Holocausto vindos do mundo inteiro.[17][18]

Em março de 2000, João Paulo II visitou o memorial de Yad Vashem, um monumento nacional israelense em honra às vítimas e heróis do Holocausto, e depois entrou para a história ao tocar um dos mais sagrados objetos de devoção do Judaísmo, o Muro das Lamentações[10], seguindo o costume de colocar uma carta entre as frestas de seus tijolos (na qual ele pediu perdão pelas perseguições contra os judeus)[10][13][19][20]. Em parte do seu discurso, ele disse: "Eu asseguro o povo judeu que a Igreja Católica... está profundamente entristecida pelo ódio, atos de perseguição e mostras de anti-semitismo dirigidas contra os judeus pelos cristãos, à qualquer tempo, em qualquer lugar" e acrescentou que "não há palavras fortes o suficiente para deplorar a terrível tragédia do Holocausto"[10][13][19][20]. O ministro israelense, rabino Michael Melchior, que foi o anfitrião do papa durante a visita, disse que estava "muito comovido" pelo gesto do papa[10][19]:

Foi além da história, além da memória.
 
Rabino Michael Melchior, em 26 de março de 2000, durante a visita de João Paulo II a Israel[19].
Nós estamos profundamente entristecidos pelo comportamento dos que, no curso da história, provocaram sofrimento às suas crianças e, ao pedir perdão, desejamos nos comprometer com uma irmandade genuína com o povo da Aliança
 
Papa João Paulo II, em 12 de março de 2000, numa nota deixada no Muro das Lamentações[20][21].

Em outubro de 2003, Liga Anti-Difamação (ADL, da sigla em inglês) emitiu um comunicado congratulando João Paulo II por seu vigésimo-quinto ano de papado[16]. Em janeiro de 2005, João Paulo II se tornou o primeiro papa a receber a benção sacerdotal de um rabino, quando Benjamin Blech, Barry Dov Schwartz e Jack Bemporad visitaram o pontífice no Salão Clementino do Palácio Apostólico.[22]

Concerto Papal pela Reconciliação[editar | editar código-fonte]

Em 2004, João Paulo II patrocinou o "Concerto Papal pela Reconciliação", que reuniu líderes do Islã com líderes da comunidade judaica e da Igreja Católica no Palácio Apostólico, no Vaticano, para um concerto do Coro Filarmônico de Cracóvia, da Polônia, do Coro Filarmônico de Londres, do Reino Unido, da Orquestra Sinfônica de Pittsburgh, dos Estados Unidos, e do Coro Polifônico Estatal de Ancara, da Turquia. John Harbison, um dos compositores mais importantes da América, foi contratado para escrever a obra "Abraão", baseado no texto de Gênesis que foi usada para abrir o concerto.[23][24][25][26] O evento foi concebido e dirigido por Sir Gilbert Levine, OSGM, e foi transmitido para o mundo inteiro.[23][24][25][26]

Após sua morte[editar | editar código-fonte]

Imediatamente após a morte de João Paulo II, a ADL emitiu um comunicado afirmando que o papa João Paulo II havia revolucionado as relações entre católicos e judeus e que "mais mudanças para melhor haviam ocorrido em seus vinte e sete anos de papado do que nos quase 2000 anos anteriores".[27] Em outro comunicado, emitido pelo diretor do conselho para assuntos australianos, israelenses e judaicos de Israel, o dr. Colin Rubenstein, afirmou que "O papa será lembrado por sua inspiradora lembrança espiritual em prol da causa da liberdade e da humanidade. Ele conseguiu muito mais em termos de transformar as relações tanto com o povo judeu quanto com o Estado de Israel do que qualquer outra figura na história da Igreja Católica."[13]

Com o judaísmo, portanto, nós temos uma relação com a qual não temos com qualquer outra religião. Vocês são nossos queridos irmãos e, de certa forma, pode-se dizer que vocês são os nossos irmãos mais velhos
 
papa João Paulo II, em 13 de abril de 1986[28].

Referências

  1. «Pope John Paul II 1920–2005». CNN. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  2. Stourton, Edward (2006). John Paul II: Man of History. London: Hodder & Stoughton. p. 25. ISBN 0340908165 
  3. Witness to Hope, George Weigel, HarperCollins (1999, 2001) ISBN 0-06-018793-X.
  4. a b «Profile of Edith Zierier (1946)». Voices of the Holocaust. 2000 Paul V. Galvin Library, Illinois Institute of Technology. Consultado em 19 de abril de 2015.. Arquivado do original em 19 de abril de 2008  |archiveurl= e |arquivourl= redundantes (ajuda); |archivedate= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |accessdate= e |acessodata= redundantes (ajuda)
  5. a b Cohen, Roger (2011). «John Paul II met with Edith Zierer». dialog.org. Consultado em 16 de dezembro de 2011.. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  6. «CNN Live event transcript». CNN. 8 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  7. Roberts, Geneviève (3 de abril de 2005). «The death of Pope John Paul II: 'He saved my life – with tea, bread'». The Independent. Consultado em 17 de junho de 2007. 
  8. «B'nai B'rith Leaders Meet With Pope Benedict XVI - B'nai B'rith International - The Global Voice of the Jewish Community». Bnaibrith.org. Consultado em 25 de janeiro de 2012. 
  9. a b «John Paul II: A strong moral vision». CNN. 11 de Fevereiro de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 22 de dezembro de 2006 
  10. a b c d e Klenicki, Rabbi Leon (13 de abril de 2006). «Pope John Paul II's Visit to Jordan, Israel and the Palestinian Authority: A Pilgrimage of Prayer, Hope and Reconciliation» (PDF). Anti-Defamation League. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada (PDF) em 16 de janeiro de 2014 
  11. Cassidy, Cardinal Edward Idris (16 de março de 1998). «We Remember: 'A Reflection on The Shoah'». Vatican archives. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 26 de junho de 2014 
  12. «A Blessing to One Another – Pope John Paul II & The Jewish People». 2007,2009 A Blessing to One Another. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 25 de abril de 2014 
  13. a b c d e «AIJAC expresses sorrow at Pope's passing». Australia/Israel & Jewish Affairs Council. 4 de abril de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 3 de junho de 2013 
  14. «"Great Synagogue, Rome"». Sacred-destinations.com. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2009 
  15. «Boston College: "Address at the Great Synagogue of Rome"». 2009 The Trustees of Boston College. 13 de abril de 1986. Consultado em 19 de abril de 2015.. Arquivado do original em 8 de julho de 2008  |archiveurl= e |arquivourl= redundantes (ajuda); |archivedate= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |accessdate= e |acessodata= redundantes (ajuda)
  16. a b «Pope John Paul II: 'In His Own Words'». Anti-Defamation League. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 20 de novembro de 2012 
  17. «Papal Concert to Commemorate the Holocaust Synopsis». 2009 Fandango. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2008 
  18. «Reflections at the Concert at the Vatican Commemorating the Holocaust». adl.org. 2011. Consultado em 22 de dezembro de 2011.. Cópia arquivada em 30 de outubro de 2012 
  19. a b c d «2000: Pope prays for Holocaust forgiveness». BBC News. 26 de março de 2000. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 9 de fevereiro de 2014 
  20. a b c «A Blessing to One Another: Pope John Paul II and the Jewish People». 2007,2009 A Blessing to One Another. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Arquivado do original em 21 de outubro de 2007 
  21. «Online News Hour – A Papal Apology». 1996–2009 MacNeil/Lehrer Productions. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2013 
  22. «Largest Gathering of Jewish Leaders to Ever Meet With a Sitting Pope». PTWF. 2004–2009 Pave the Way Foundation, Inc. Consultado em 1 de janeiro de 2009. 
  23. a b «WQED Pittsburgh: Media-Only Press Room: Papal Concert». 1999–2009 WQED Multimedia. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 17 de junho de 2007 
  24. a b «Orchestra to make Vatican history». BBC News. 9 de novembro de 2003. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2012 
  25. a b «Papal Concert of Reconciliation». London Philharmonic Choir. 11 de janeiro de 2005. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2014 
  26. a b Pitz, Marylynne; Andrew Druckenbrod (8 de novembro de 2003). «Pittsburgh Symphony to perform for Pope». Post-Gazette Publishing Co., Inc. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2014 
  27. Jacobson, Kenneth (2 de abril de 2005). «Pope John Paul II: 'An Appreciation: A Visionary Remembered'». Anti-Defamation League. Consultado em 22 de dezembro de 2011.. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2006 
  28. «BrainyQuote: Pope John Paul II Quotes». BrainyMedia.com. Consultado em 1 de janeiro de 2009.. Cópia arquivada em 15 de junho de 2014