Jorge Luís Rocha de Paula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jorge Luís Rocha de Paula, o Rocha, (Rio de Janeiro, 28 de outubro de 1958Rio de Janeiro, 14 de setembro de 1995) foi um jogador de futebol brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jogando na posição de volante, foi revelado pelo Olaria, em 1979, atuando posteriormente por Campo Grande, Botafogo-RJ, Palmeiras, Juventus-SP e Vila Nova-GO, além da seleção brasileira, em 1981, quando foi convocado para um amistoso por Telê Santana. Ainda jogou na Seleção Brasileira de Masters, comandada por Luciano do Valle.

Os cabelos exageradamente oxigenados e abundantes eram a grande marca desse jogador. Muito esforçado, conhecido pela raça e a dedicação em que encarava cada partida, Rocha não conquistou muitos títulos em sua carreira porque pegou fases ruins nas equipes que defendeu, especialmente o Palmeiras e o Botafogo, que estavam há anos sem conseguir títulos.

Permaneceu na equipe do Parque Antártica de 1982 a 1985. É considerado um grande ídolo do alviverde paulista durante um período dificil de sua história. Atuou em 199 partidas (79 vitórias, 77 empates, 43 derrotas) e marcou apenas um gol, como consta no Almanaque do Palmeiras, de Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti.

Esteve próximo de disputar uma final de Brasileiro pelo Botafogo. O volante fez uma boa partida contra o São Paulo, mas o Tricolor Paulista, do inspirado Éverton, levou a melhor no jogo válido pela semifinal do Brasileirão, de 1981, jogo que ficou marcado pela arbitragem, que foi coagida pelos seguranças do tricolor, favorecendo consequentemente a equipe paulista. O São Paulo passou pelo Fogão e perdeu para o Grêmio, o campeão daquele ano.

No Botafogo, Rocha atuou com jogadores de renome, como o meia Mendonça e o zagueiro Osmar. No Palmeiras, teve a oportunidade de jogar com o ponta Jorginho e os zagueiros Luís Pereira e Vágner.

No Juventus, já em fase final de carreira, Rocha teve o prazer de ser campeão paulista do Torneio Início de 1986. O clube da Mooca tinha ainda outros experientes jogadores, entre eles, o goleiro Barbirotto (ex-São Paulo), o zagueiro Juninho (ex-Ponte Preta e Corinthians) e o meia Gatãozinho (ex-São Bento e XV de Piracicaba).

Faleceu relativamente jovem, vítima de leucemia.

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • UNZETE, Celso Dario Unzelte & Venditti, Mário Sérgio. Almanaque do Palmeiras. São Paulo: editora abril, 2004.