Judite Canha Fernandes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Judite Canha Fernandes
'
Nascimento 1971 (50 anos)
Funchal
Cidadania Portugal
Ocupação escritora,
Prêmios

Judite Canha Fernandes (Funchal, 11 de Dezembro de 1971) é uma escritora, dramaturga e ativista feminista portuguesa.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Judite Canha Fernandes nasceu no Funchal, a 11 de Dezembro de 1971, tendo-se mudado para Ponta Delgada, em 1980[1] quando a família se mudou para o arquipélago na sequência da militância antifascista do pai, Liberato Fernandes[3]. É filha da ativista feminista Clarisse Canha, uma das fundadoras da UMAR[4].

Licenciou-se em Ciências do Meio Aquático e doutorou-se em Ciência da Informação, tendo também uma pós-graduação em Biblioteca e Arquivo. [1][5]

É também uma ativista feminista[6] tendo sido representante da Europa no Comité Internacional da Marcha Mundial das Mulheres entre 2010 e 2016. [1][5] e também foi subscritora da carta aberta "A emergência é social e económica". [7]

Como escritora[8][9][10][11][12][13] já publicou um conjunto de obras de ficção, poesia e dramaturgia. [1][14]

Obra[editar | editar código-fonte]

Poesia e Ficção [15][16]

  • 2008 - Abraçando o lastro, Poesia, Burra de Milho
  • 2008 - Penumbr@, Poesia, Burra de Milho
  • 2017 - Curtíssimas, Contos, Editora Kazua
  • 2017 - O mais difícil do capitalismo é encontrar o sítio onde pôr as bombas, Poesia, Editora Urutau
  • 2018 - A fúria da loiça da China,  Poesia, Editora Urutau
  • 2019 - Podemos amar ou podemos, Poesia, Editora Urutau
  • 2019 - Um passo para sul, Romance, Edições Gradiva

Obra Dramatúrgica

  • 2008 (estreia) - M. A sede dos outros – Teatro Micaelense [17]
  • 2018 - Bemóis e outros bicharocos (Co-criação com Teresa Gentil) – Centro Cultural de Belém [18][19]
  • 2018 - Check-in. O dilema das cidades turvas - Arquipélago – Centro de Arte Contemporânea [20]
  • 2018 - A minha casa era a sede (Co-criação com Teresa Gentil e Cláudia Gaiolas) [21]
  • 2019 - As três sozinhas (Co-criação de Anabela Almeida, Cláudia Gaiolas e Sílvia Filipe / Dramaturgia com Alex Cassal) – Teatro Nacional D. Maria II [22]

Tem também diversas publicações em revistas literárias no Brasil, Itália, Espanha e Portugal. [23][24][25][26][27][28]

Reconhecimentos e Prémios[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d e f g «Judite Fernandes». Centro Nacional de Cultura. 8 de maio de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  2. Fernandes Martins, Catarina. «Como educar um filho para ser feminista?». Notícias Magazine. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  3. «Sinto que a visão da situação das mulheres e da importância que estas têm para a mudança no mundo foi-me acompanhando». Correio dos Açores 
  4. Fernandes Martins, Catarina. «Como educar um filho para ser feminista?». Notícias Magazine. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  5. a b «Judite Canha Fernandes vence Prémio Agustina Bessa-Luís». Esquerda.net (em inglês). Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  6. «Como educar um filho para ser feminista?». Consultado em 31 de março de 2021 
  7. «A emergência é social e económica». PÚBLICO. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  8. «Entrevista com Judite Canha Fernandes_RUM». Consultado em 31 de março de 2021 
  9. «Entrevista com Judite Canha Fernandes». Consultado em 31 de março de 2021 
  10. «Intervista a Judite Canha Fernandes». Consultado em 31 de março de 2021 
  11. «Entrevista com Judite Canha Fernandes». Consultado em 31 de março de 2021 
  12. «O tempo das cerejas». Consultado em 31 de março de 2021 
  13. Mar de Letras. «Mar de Letras». Consultado em 31 de março de 2021 
  14. a b «Prêmio literário Oceanos divulga lista de autores em sua semifinal; veja». Folha de S.Paulo. 14 de agosto de 2018. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  15. «Judite Fernandes». Centro Nacional de Cultura. 8 de maio de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  16. Lusa, Agência. «Romance de estreia de Judite Canha Fernandes vence Prémio Agustina Bessa-Luís». Observador. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  17. «Teatro Micaelense - M. a sede dos outros (2008-11-07)». www.teatromicaelense.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  18. AUTHOR. «BEMÓIS E OUTROS BICHAROCOS». estrelaseouricos.sapo.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  19. «Leve as suas crianças (de 8 a 16 de novembro)». Jornal Expresso. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  20. «Peça de teatro alerta para impacto do crescimento do turismo nas grandes cidades - DN». www.dn.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  21. «Teatro Municipal de Bragança | MEMÓRIAS CONTADAS: A minha casa era a sede». teatromunicipal.cm-braganca.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  22. Seara.com. «As três sozinhas». Teatro Nacional D.Maria II. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  23. «Tlön». tlonrevistaliteraria.blogspot.com. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  24. «"localização do meu corpo na epistemologia crítica": poema do livro 'a fúria da loiça da china', de Judite Canha Fernandes». Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  25. «"ver as sombras no tecto, a efervescência das palavras" - três poemas de Judite Canha Fernandes». Literatura & Fechadura - revista de literatura contemporânea e arte. 19 de julho de 2019. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  26. Tajani, Ornella. «Judite Canha Fernandes – Nazione Indiana» (em italiano). Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  27. «Ligeia». Wikipedia, a enciclopedia libre (em galego). 4 de dezembro de 2020. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  28. segadoras. «A furia do outro lado da historia por Arancha Rodríguez Fernández». A Sega. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  29. «Plano Nacional de Leitura». Consultado em 11 de março de 2021 
  30. «Sociedade Portuguesa de Autores». www.spautores.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  31. «SPA anuncia nomeados da edição 2020 dos prémios Autores - JN». www.jn.pt. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  32. «Três autores portugueses na final do Prémio Oceanos 2020». Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  33. PÚBLICO. «Doze autores vão receber bolsas de criação literária». PÚBLICO. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  34. Lusa, Agência. «Romance de estreia de Judite Canha Fernandes vence Prémio Agustina Bessa-Luís». Observador. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  35. «"Regresso a Kionga" de Mário Silva Carvalho vence Prémio Literário Ferreira de Castro». Jornal Expresso. Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  36. «Abraçando o lastro». juditecanhafernandes. Consultado em 26 de janeiro de 2021 


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.