Karl Ludwig Sand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Karl Ludwig Sand
Nome completo Karl Ludwig Sand (Carl Ludwig Sand)
Nascimento 5 de outubro de 1795
Wunsiedel, Reino da Prússia
Morte 20 de maio de 1820 (24 anos)
Mannheim, Grão-Ducado de Baden
Nacionalidade bávaro
Progenitores Mãe: Dorthea Jane Wilheltmina Schapf
Pai: Godfrey Christopher Sand
Túmulo de Karl Ludwig Sand na Alemanha.
Karl Ludwig Sand apunhalando August von Kotzebue
Execução de Karl Ludwig Sand

Karl Ludwig Sand (Wunsiedel, Prussia, 5 de outubro de 1795Mannheim, 20 de maio de 1820), também conhecido como Carl Ludwig Sand, foi um jovem estudante, da Universidade de Jena, sorteado em sessão da Burschenschaft para matar August von Kotzebue, que confessou ter executado o crime conforme as determinações da seita.

Foi julgado em Mannheim em 10 de novembro de 1819, numa atmosfera de terror criada pelas sociedades secretas. Karl Ludwig Sand confessou o crime, gabou-se de tê-lo cometido e negou ter qualquer cúmplice. Foi condenado à morte. O Imperador da Rússia enviou ao Grão-duque de Baden um ultimato protestando contra a demora da execução da sentença. Foi executado em 20 de maio de 1820 e enterrado no cemitério de Mannheim, ao lado de sua vítima.

Karl Ludwig Sand foi voluntário contra Napoleão Bonaparte, combateu em Waterloo e esteve na França até 1816 com o exército de ocupação. Voltou para a Universidade de Erlangen-Nuremberga, da qual era estudante, filiando-se com exaltação a Burschenschaft. Em 1817 Karl Ludwig Sand ingressou na Universidade de Jena, onde foi fundada, em 1815, a primeira Burschenschaft, composta por antigos combatentes das guerras contra Napoleão Bonaparte.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

O único opositor da Bucha no Brasil e de Julius Frank foi o pesquisador e historiador Gustavo Barroso, autor de História Secreta do Brasil, que assevera ter sido Julius Frank uma identidade de Karl Ludwig Sand.[1]

Em 1820 as viagens por terra eram lentas e as por mar, às vezes, ainda mais lentas, dependendo dos ventos. Em 1821 desembarcou no Rio de Janeiro, vindo clandestinamente num barco mercante, o jovem Julius Frank, figura cheia de mistério.

Se liam nas reuniões da Bucha os cadernos em que Julius Frank contava suas campanhas contra Napoleão Bonaparte. Chegou ao Brasil em 1821. Contava 26 anos. Quando morreu, em 1841, estava com 46 anos. Se Julius Frank tivesse somente 30, 32 ou 34 anos, quando faleceu, em 1841, teria desembarcado no Rio de Janeiro, em 1821, com 10, 12 ou 14 anos.

Em 1823 surgiu subitamente no Rio de Janeiro Otto von Kotzebue, filho de August von Kotzebue. Comandava a fragata russa Enterprise, destinada a descobrimentos e explorações. No dia 13 de novembro de 1823, ancorou à vista da barra devido à calmaria do mar. Entrou na Baía de Guanabara no dia 14. Otto von Kotzebue permaneceu durante 25 dias no Rio de Janeiro, residindo em Botafogo, na casa de um amigo e deixando, na obra que escreveu sobre a viagem, boas descrições da capital brasileira. Voltou para a fragata na tarde de 9 de dezembro e levantou as velas no dia 10, saindo ao anoitecer.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • A Sombra de Júlio Frank (1942). Afonso Schmidt.[2]
  • Die Unbedingten (2009)[3]
  • História secreta do Brasil. Gustavo Barroso. Vols. 1-6.[4]

Notas e Referências

  1. Antonio Augusto Machado de Campos Neto (2003). «Memórias de Júlio Frank». Revista da Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo. Consultado em 14 de fevereiro de 2015. 
  2. Afonso Schmidt (1942). «A Sombra de Júlio Frank». Consultado em 14 de fevereiro de 2015. 
  3. http://www.dieunbedingten.de (em alemão)
  4. Gustavo Barroso (1993). «História secreta do Brasil. Vols. 1-6.» (PDF). Editora Revisão. Consultado em 14 de fevereiro de 2015.