Lippia alba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaLippia alba
Lippia alba
Lippia alba
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Lamiales
Família: Verbenaceae
Género: Lippia
Espécies
Ver texto

Lippia alba, é uma espécie de planta com flor da família Verbenaceae, nativa do sul do Texas, nos Estados Unidos,[1] México, Caribe, América Central e América do Sul. A espécie também está presente na Austrália e na Índia, onde foi  provavelmente introduzida pelo homem.[2] 

É um arbusto multi-ramificado, atingindo altura de 1,5 m (4 9 pé). As folhas medem 1 a 3 cm (0 39 a 1 2 in) de comprimento e 0,9 a 2 cm (0 35 a 0 79 in) de largura e são opostos ou em grupos de três. Flores brancas, cor-de-rosa, ou azul-roxo corolas formam inflorescência 2 cm (0 79 in) de comprimento.[3]

Nomes populares[editar | editar código-fonte]

É popularmente conhecida como Erva cidreira brasileira,[4] Erva cidreira de arbusto,[4] Erva cidreira do campo[4] Falsa erva cidreira,[5] Falsa melissa,[5] Alecrim do campo,[6] Erva cidreira brava,[6]Sálvia-da-gripe,[7] Sálvia,[7] Sálvia-trepadora,[7]Salva-brava,[8] Cidrilha.[8]

Óleo essencial[editar | editar código-fonte]

Óleos essenciais ou óleos voláteis são substâncias vitais aromáticas encontradas nas flores, ervas, frutas e especiarias,[9] Na erva-cidreira, o óleo essencial é armazenado nas folhas, mais precisamente nos tricomas secretores (presentes na epiderme foliar) e nos parênquimas paliçádico e lacunoso (GOMES et al., 1993). [10]

Diversos autores e pesquisas referem-se às variações na morfologia e composição do óleo essencial tanto associadas a partes da planta empregada na destilação, ao seu estado de desenvolvimento como a sua posição geográfica, características do solo, clima e outras condições locais da origem geográfica do material. [11] [12] [13] Segundo Silva, N. A et al. [14] foram identificados vinte e quatro compostos sendo o componente majoritário o citral (mistura de neral e geranial) que variou de 70,6 a 79,0%. Também foram identificados:

- monoterpenos oxigenados linalol (1,7- 2,2)%, nerol (0,5-2,5)%, geraniol (0,8-2,0)% e acetato de geranila (0,8-1,4)%. O β−mirceno foi identificado em todas as estações, sendo a maior ocorrência no verão (2,6%).
- sesquiterpenos, germacreno B (0,3-1,5)% e β−cariofileno (0,4-0,7)% também foram identificados, sendo a maior ocorrência observada durante a estação do verão.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Usos medicinais[editar | editar código-fonte]

Popularmente usada como anti-espasmódico,[7] calmante e anticonvulsivante,[15] Camilo (2016) em extensa pesquisa de por revisão de literatura evidenciou que na composição fitoquímica desta espécie é possível identificar grande variabilidade de substâncias, presente no seu óleo essencial sendo os compostos majoritários mais citados na literatura foram linalol, limoneno, carvona e citral. Refere-se também a estudos que tem demonstrado efeitos do citral sobre o Sistema Nervoso Central (SNC), tais como sedativo e anticonvulsivante [16]

Queiroz et al, (2014) atribui aos compostos fenólicos as atividades anti-inflamatória, antimicrobiana e anticarcinogênica da Lippia alba. Segundo estes pesquisadores os flavonoides e o citral (composto de geranial e neral) estão entre os componentes majoritários do óleo essencial encontrados nas partes aéreas dessa planta, assim como do Cymbopogon citratus e da Melissa officinalis, também conhecidos como capim cidreira e erva cidreira, respectivamente. [17]

A Lippia alba demonstrou atividade inibitória em agentes causadores de afecções da pele e do couro cabeludo, como Propionibacterium acnes, uma bactéria associada à acne e Pityrosporum ovale (renomeado como Malassezia furfur), um fungo que precisa de lipídeo (gordura) para se desenvolver, habita naturalmente o couro cabeludo de humanos e pode causar tanto caspa como dermatite seborreica.[18] Pesquisadores da Universidad Nacional da Colombia constataram efeito inibitório in vitro do extrato aquoso de Lippia alba sobre o crescimento de H. pylori. [19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Bushy Lippia, White-flowered Lippia, Hierba Negra, Hierba del Negro, Hierba Buena, Alfombirlla, Cidrilla, Oregano de Burro, Salva do Brasil, Salva Colorado, Te de Castilla, Toronjil de Espana Mirto, Juan slama, Salvia, Sonora, Mastranto, Te del Pais, Te de Maceta, Te del Pan Lippia alba (L. geminata. Benny Simpson's Texas Native Shrubs. Texas A&M University. Consultado em 21 de janeiro de 2010 
  2. Munir, A.A. (1993b).
  3. Tucker, Arthur O.; Thomas DeBaggio (2009). The Encyclopedia of Herbs: A Comprehensive Reference to Herbs of Flavor and Fragrance 2 ed. [S.l.]: Timber Press. pp. 298–299. ISBN 978-0-88192-994-2 
  4. a b c Tamaris Fontanella (2007). Herbanário Sagrado. Clube de Autores. p. 32.
  5. a b Rogério Cavalcante (2009). Fitodontologia. Clube de Autores. p. 35.
  6. a b James A. Duke (2008). Duke's Handbook of Medicinal Plants of Latin America. CRC Press. p. 412. ISBN 978-1-4200-4317-4.
  7. a b c d Cecilia Ballvé Alice (1995). Plantas medicinais de uso popular: atlas farmacognóstico. Editora da ULBRA. p. 106. ISBN 978-85-85692-12-4.
  8. a b Suely Cals (2015). O caldeirão da magia amazônica. Pallas editora. p. 125. ISBN 978-85-347-0581-3.
  9. Scielo: "Especiarias como antioxidantes naturais: aplicações em alimentos e implicação na saúde – Especiarias"
  10. GOMES, E.C.; MING, L.C.; MOREIRA, E.A.; MIGUEL, O.G. Constituintes de óleo essencial de Lippia alba (Mill) N. E. Br. (Verbenácea). Revista Brasileira de Farmácia, v.74, n.2, p.29-32, 1993. apud: TAVARES, Iane Brito; MOMENTÉ, Valéria Gomes; NASCIMENTO, Ildon Rodrigues do. Lippia alba: estudos químicos, etnofarmacológicos e agronômicos. Revista Brasileira de Tecnologia Aplicada nas Ciências Agrárias, Guarapuava-PR, v.4, n.1, p.204–220, 2011. DOI: 10.5777/1397 (PDF Available) Aces 11/8/19
  11. SILVA LR; PEREIRA RCA; BRAGA TR; BEZERRA FC; RODRIGUES THS. 2012. Produção e rendimento de óleo essencial de Lippia alba (Mill.) N. E. Br. no Ceará em função da época de corte. Horticultura Brasileira 30: S6075-S6080. Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 6076 PDF Aces. 11/8/19
  12. CUNHA ALB, CHAVES FCM, BIZZO HR, SOUZA AM. Caracterização química do óleo essencial de erva-cidreira, nas condições de Manaus, AM. Horticultura Brasileira 30: S5780-S5784. PDF Aces. 11/8/19
  13. SILVA, Mayara Teixeira da; CORTEZ,Lucia Elaine Ranieri; VERMELHO, Sônia Cristina Análise de rendimento do óleo essencial de Lippia alba em tempos de extração distintos. Anais Eletrônicos da VII Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica. 21 -24 de outubro de 2014 ISBN 978-85-8084-724-6 UNICESUMAR – Centro Universitário de Maringá, Paraná PDF Aces. 11/8/19
  14. SILVA, N.A. et al. Caracterização química do óleo essencial da erva cidreira (Lippia alba (Mill. N.E.BR.) cultivada em Ilhéus na Bahia. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.8, n.3, p.52-5, 2006.[ http://www.sbpmed.org.br/download/issn_06_2/artigo8_v8_n3.pdf PDF] Aces. 11/8/19
  15. Plantas medicinais: do popular ao científico. UFAL. 2005. p. 35. ISBN 978-85-7177-255-7.
  16. CAMILLO, Flávia da Cunha. Lippia alba (Mill.) N.E. Br. ex Britton & P. Wilson uma espécie nativa promissora para a introdução em programas nacionais de plantas medicinais e fitoterápicos. 2016. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2016. Disp. https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/17709 aces. Agosto de 2019
  17. QUEIROZ T.B.; SANTOS J.C.; NEVES, F.T.A.; BELLINI, M.F. Avaliação farmacognóstica de Cymbopogon citratus, Lippia alba e Melissa officinalis. Rev. Ciênc Farm Básica Apl., v.35 Sup. 1, Agosto, 2014 Abstract em PDF Aces. 11/08/2019
  18. Liana John, Um capim para livrar a cara de adolescência, 01/08/2013
  19. HENAO R, Sandra C et al . Antibacterial activity of aqueous extracts of Lippia alba (Mill.) N.E. Brown against Helicobacter pylori. Rev Col Gastroenterol, Bogotá , v. 26, n. 2, p. 82-87, June 2011 . Available from <http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0120-99572011000200002&lng=en&nrm=iso>. access on 31 July 2019.