Los Solidarios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Los Solidarios , também conhecido como Crisol, foi um grupo anarquista de ação direta armada, formado entre 1922 e 1923 em Barcelona como resposta a guerra suja emprendida por setores patronais e governamentais contra os sindicatos. Surgiu como sucessor de um grupo anterior chamado "Los Justicieros" existente em Zaragoza. Alguns de seus integrantes fundariam o coletivo "Nosotros" após se filiarem a Federação Anarquista Ibérica, tornando-se mais estratégicos em suas ações.

História[editar | editar código-fonte]

Formado por anarcosindicalistas que montaram uma rede para compra e depósito de armas a serem usadas contra pistoleiros patronais e seus contratantes. São atribuídos a eles assaltos a banco entre estes ao Banco de España (Setembro de 1923) e o assassinato do cardeal zaragozano Juan Soldevila y Romero (1923). Depois deste feito e com a pressão da ditadura de Primo de Rivera, Durruti, Ascaso e outros membros se refugiaram primeiro na França e depois na América Latina, onde realizaram outros assaltos. Voltaram para a Europa se estabelecendo na França onde viveram clandestinamente depois de serem acusados de tentar assassinar o rei Alfonso XIII em uma visita a Paris. Foram por fim expulsos do país se estabelecendo na Bélgica, onde lhes foi permitido residência. Com a proclamação da Segunda República Espanhola (1931) alguns dos membros que puderam voltar a Catalunha decidem ingressar na FAI com o nome de "Nosotros", com posições mais radicais que as da federação. Ao ser declarada a Guerra Civil Espanhola o grupo deixa de atuar como tal e se junta às milícias.

Encontra-se conservada uma gravação sonora de um dos discursos de Juan García Oliver [1] onde qualifica os membros do grupo, incluindo ele próprio, como os melhores terroristas da classe trabalhadora, os que melhor podiam devolver golpe por golpe o terrorismo estatal e patronal contra o proletariado como os assassinatos de Salvador Seguí ou Francesc Layret por pistoleiros contratados pelos patrões.[2]

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Entre outros, tomaram parte los Solidarios:

Canção homenagem de Chico Sánchez Ferlósio[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Abel Paz, Durruti, le peuple en armes. París, Tête de Feuille, 1972

Veja também[editar | editar código-fonte]

Portal Portal da Anarquia

Ligações externas[editar | editar código-fonte]