Luís José, Delfim da França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Luís José
Delfim da França
Retrato por Adolf Ulrik Wertmüller, 1784.
Casa Bourbon
Nome completo
Luís José Xavier Francisco
Nascimento 22 de outubro de 1781
  Palácio de Versalhes, Versalhes, França
Morte 4 de junho de 1789 (7 anos)
  Castelo de Meudon, Meudon, França
Enterro Basílica de Saint-Denis, Saint-Denis, França
Pai Luís XVI de França
Mãe Maria Antonieta da Áustria

Luís José de França (Luís José Xavier Francisco; Versalhes, 22 de outubro de 1781Meudon, 4 de junho de 1789) foi o segundo filho e primeiro varão do reis Luís XVI de França e Maria Antonieta da Áustria. Como filho de um rei da França, ele era um Fils de France ("Filho da França"), e como filho mais velho e herdeiro aparente, ele detinha o título de delfim da França. Luís José era o vigésimo sexto herdeiro da dinastia capetiana).

Luís José morreu aos sete anos de idade de tuberculose e foi sucedido como delfim da França por seu irmão de quatro anos, Luís Carlos. A rainha Maria Antonieta sofreu muito com sua morte haja vista que a mesma foi praticamente ignorada pelo povo francês que estava preocupado com o desenrolar da Tomada da Bastilha.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascimento esperado[editar | editar código-fonte]

Maria Antonieta com o delfim Luís José e Maria Teresa Carlota, por Charles Le Clerc, 1781.

Luís José nasceu no Palácio de Versalhes, Versalhes, França, para alegria do rei Luís XVI de França e da nação, a rainha da França Maria Antonieta da Áustria deu à luz o tão desejado sucessor ao trono, que recebeu o nome de Luís José em homenagem ao irmão mais velho do rei lhe de mesmo nome, Luís José Xavier de França, cuja morte na idade de dez anos de idade havia lhe marcado. Depois de dar um herdeiro ao Estado, Maria Antonieta poderia legitimamente ser considerada a rainha da França.[1] Ainda que a felicidade pelo nascimento do delfim tenha se espalhado por todo o país, não impediu a circulação de panfletos satíricos que questionavam a paternidade da criança. Diziam que o pai não era o rei, mas qualquer outro amante. A reputação da rainha, já minada pelos rumores sobre seus modos displicentes, saiu ainda mais danificada.[2] O nascimento de Luís José arruinou as esperanças de seu tio de tornar-se rei.

Sua comitiva privada foi criada após seu nascimento e Luís foi entregue aos cuidados de Geneviève Poitrine, uma de suas amas de leite; Mais tarde, ela foi acusada de transmitir tuberculose ao jovem delfim. Seu governante era o marechal de campo Antoine Charles Augustin d'Allonville; Outro membro de sua comitiva era Yolande Gabrielle de Polastron, duquesa de Polignac, que era a favorita de sua mãe.

Luís José era muito próximo de sua irmã Maria Teresa Carlota e de seus pais, que o observavam-o de perto; Ele sempre mostrou grande inteligência e seus pais se esforçaram no ensino; Luís XVI encomendou um globo destacável, mostrando as áreas terrestres e submersas e uma série de pinturas de couro de bisões e outras coisas que poderiam ampliar seus conhecimentos.

Fragilidade e morte[editar | editar código-fonte]

Luís José com sua irmã por Élisabeth Vigée-Le Brun, 1784.

Frágil, ele sofria febres periódicas e aos cinco anos começou a sentir os sintomas do mal de Pott na coluna vertebral. Os médicos erram no diagnóstico e, pensando que a criança sofria de escoliose, colocaram diferentes espartilhos metálicos que produziram graves rachaduras em suas duas vértebras.

A disseminação da tuberculose é atribuída - embora não se possa verificar os dados com confiança - à sua ama de leite, Geneviève Poitrine, que desenvolveu a doença da malária depois de criar Luís José e seu irmão, estando já infectada sem sintomas quando começou a trabalhar. A doença prejudicou gravemente a saúde do Delfim até sua morte, no Castelo de Meudon, durante a celebração dos Estados Gerais de 1789. Seu irmão menor, também enfermo de tuberculose, então logo virou Delfim. Ele também morreria seis anos depois, em 1795, durante a Revolução Francesa, na prisão da Torre do Templo.

Luís José foi enterrado no dia 13 de junho, numa cerimônia simples na Basílica de Saint-Denis. Em 10 de agosto de 1793, por ordem da Convenção Nacional, durante o Reino do Terror, seu túmulo, juntamente com os dos reis e das rainhas da França e membros da família real, altos dignitários, abades, etc. foi profanado.[3]

A morte do delfim, que normalmente causaria comoção nacional, foi praticamente ignorada pelo povo francês, mais preocupado com as reuniões dos Estados Gerais e esperançoso de melhorias sociais. "Meu filho está morto e não parece importar a ninguém!", exclamou a rainha.

Sucessão[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Luís José o título de delfim da França passou a seu irmão Luís Carlos (que na altura detinha o titulo de duque da Normandia), com a execução de Luís XVI na guilhotina; Luís Carlos foi aclamado como Luís XVII; mas com a morte prematura deste (dez anos de idade), a coroa passou para seu tio que subiu ao trono como Luís XVIII; sem descendência, com a morte de Luís XVIII; seu irmão Carlos subiu ao trono como Carlos X; seu filho o duque de Angoulême (delfim da França) casou-se com Maria Teresa Carlota de França; irmã de Luís José e de Luís XVII; mas com o golpe dos Orleãns e com Luís Filipe de Orleãns, a sucessão bourbonica da França cessou.

Representações na cultura[editar | editar código-fonte]

Rainha Maria Antonieta e seus filhos, 1787 em Versalhes. Esquerda para direita: Maria Teresa Carlota; a rainha com o duque da Normandia nos braços; o delfim está à direita apontando para um berço vazio; o berço iria mostrar madame Sofia Helena Beatriz; que morreu no final do mesmo ano em que deveria ser pintada por Élisabeth Vigée-Le Brun; A flor-de-lis, símbolo da França e os Bourbons podem ser vistos atrás do armário

Literatura[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Não teve; pelo fato de nunca ter se casado e por morrer muito novo; apenas com sete anos de idade.

Referências

  1. Lever, p. 195
  2. Lever, p. 193
  3. Suzanne Glover Lindsay, The Revolutionary Exhumations at St-Denis, 1793, Essay, in Conversations: An Online Journal of the Center for the Study of Material and Visual Cultures of Religion (2014).
  4. «Napoleon (1927)» (IMDb). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  5. «Madame Du Barry (1934)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  6. «Marie Antoinette (1938)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  7. «Black Magic (1949)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  8. «Scaramouche (1952)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  9. «Si Versailles m'était conté (1954)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  10. «Maria Antonieta (1956)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  11. «A História da Humanidade (1957)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  12. «Start the Revolution Without Me (1970)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  13. «Lady Oscar (1979)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  14. «Casanova E a Revolução (1982)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  15. «La révolution française (1989)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  16. «L'Autrichienne (1990)». IMDb (em italiano). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  17. «Jefferson em Paris (1995)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  18. «O Insolente (1996)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  19. «Ridicule (1996)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  20. «O Enigma do Colar (2001)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  21. «Maria Antonieta (2006)». IMDb. Consultado em 26 de junho de 2012. 
  22. «Les adieux à la reine (2012)». IMDb (em inglês). Consultado em 26 de junho de 2012. 
  23. «Louis XVI, King of France > Family Tree» (em inglês). Family Tree. Consultado em 17 de fevereiro de 2015. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Em sua homenagem, foram batizados os seguintes lugares:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luís José, Delfim da França