Márcio Vaccari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2017).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde maio de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Márcio Vaccari (Lorena, 22 de agosto de 1966) é um cineasta, ator, roteirista, poeta, músico e escritor brasileiro. Nascido no interior de São Paulo, na região do Vale do Paraíba, o artista acumula destaque por seus filmes e, principalmente, por suas composições musicais, tendo feito parcerias com grandes nomes da música brasileira, como Júlio Barroso, Guilherme Arantes e Leoni.

Seu maior sucesso na carreira musical, em se tratando de público, é certamente a música Perdidos na Selva[1], criada em parceria com Júlio Barroso e Guilherme Arantes, e gravada originalmente pela banda brasileira Gang 90 e as Absurdettes[2], no álbum Essa Tal de Gang 90 e as Absurdettes[3], de 1983. A obra se destacou no MPB-Shell[4], festival de música organizado no teatro Fênix, no Rio de Janeiro, no ano de 1981, e patrocinado pela multinacional petrolífera Shell. Posteriormente, a música foi utilizada como trilha sonora da telessérie Malhação[5], da TV Globo, em sua 17ª temporada (de novembro de 2009 a agosto de 2010). Outra parceria de Márcio Vaccari com Júlio Barroso, o criador do grupo Gang 90, é a música Telefone[6], também presente no álbum homônimo de 1983.

No audiovisual, destacam-se, além de suas obras no campo publicitário[7], seus trabalhos produzidas para internet, como a série de entrevistas que dirigiu no programa A Gema do Novo, reunindo uma vasta coleção de artistas da cena independente paulistana[8], como Mário Bortolotto, Paulão de Carvalho (da banda Velhas Virgens), Edvaldo Santana e Paulo de Tharso, nos mais diversos seguimentos, como teatro, música, cinema, artes plásticas, etc. Já em suas obras cinematográficas, percebe-se o estilo extremamente autoral, que quase sempre apresenta uma estética de mistura entre artes plásticas e poesia. Destaca-se, nessa esfera, o curta metragem ''Mídia, a Grande Mentira[9]'', que apresenta uma ácida crítica ao poder que a mídia exerce sobre o pensamento da população. A obra possuí uma perceptível inspiração no expressionismo alemão e serviu como referência para criação de teses de conclusão de curso em universidades[10], inclusive.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Perdidos Na Selva - Gang 90 - LETRAS.MUS.BR». www.letras.mus.br. Consultado em 5 de maio de 2017 
  2. Jornal da Globo | Líder da Gang 90 deixa legado que dura até hoje | Globo Play, consultado em 5 de maio de 2017 
  3. «Os 100 Maiores Momentos da Música Brasileira». RollingStone. 10 de dezembro de 2014 
  4. «MPB–SHELL ESPECIAL - FORMATO». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 5 de maio de 2017 
  5. «Trilha sonora de 'Malhação ID' traz clássicos do pop-rock nacional regravados». O Globo. 15 de fevereiro de 2010 
  6. «'Telefone' da Gang 90 toca no tom juvenil de álbum do Pequeno Cidadão | G1 Música Blog do Mauro Ferreira». Mauro Ferreira 
  7. Limão, Marcelo (2008). «Matéria no Jornal Contato» (PDF). Jornal Contato. Consultado em 5 de maio de 2017 
  8. [http://zonabranca.blog.uol.com.br/arch2006-08-06_2006-08-12.html «ESPELUNCA - blogue de ademir assun��o - UOL Blog»]. zonabranca.blog.uol.com.br. Consultado em 5 de maio de 2017  replacement character character in |titulo= at position 35 (ajuda)
  9. Filmes, Interrogação. «Curtagora :: Mídia, A Grande Mentira». curtagora.com. Consultado em 5 de maio de 2017 
  10. Olivatti, Tânia (2009). «TCC pós graduação Universidade Estadual Paulista» (PDF). Universidade Estadual Paulista. Consultado em 5 de maio de 2017