Mário Corino da Costa de Andrade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mário Corino da Costa Andrade (Moura, 10 de Junho de 1906Porto, 16 de Junho de 2005) foi um médico e investigador, homem de vasta cultura humanística, uma das figuras cimeiras da neurologia portuguesa do século XX.

Corino de Andrade foi o primeiro cientista a identificar e caracterizar como nova entidade nosológica a paramiloidose (ou polineuropatia amilóide familiar (PAF))[1], uma doença neuro-degenerativa, cuja neuropatologia clínica e bases genéticas investigou em trabalho pioneiro na década de 1950 (e que é hoje conhecida como doença de Andrade ou Corino-Andrade).

Licenciou-se em medicina e cirurgia em Lisboa em 1929, depois de estagiar com Egas Moniz (Nobel de Fisiologia ou Medicina) e António Flores.

Investigou mais tarde, em colaboração com Paula Coutinho a epidemiologia e genética da doença de Machado-Joseph.

Fundou, ao lado de Nuno Grande, o Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto, tendo sido o seu primeiro director.

Em 1988 recebeu um Doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Aveiro[2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um médico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.