Maicon Tenfen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maicon Tenfen
Nome completo Maicon Tenfen
Nascimento 31 de dezembro de 1975 (43 anos)
Ituporanga, SC
Nacionalidade Brasileiro
Alma mater Universidade Regional de Blumenau

Universidade Federal de Santa Catarina

Ocupação Escritor
Prêmios Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski (1997-1999); Concurso Nacional de Contos de Araçatuba (2005); Finalista do Prêmio Jabuti na categoria juvenil (2015); Finalista do Prêmio Leya (2018).

Maicon Tenfen (Ituporanga, 31 de dezembro de 1975) é um escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maicon Tenfen nasceu em Ituporanga (SC) no dia 31 de dezembro de 1975.

Em 1998 formou-se em Letras na FURB (Universidade de Blumenau), onde hoje é professor de literatura e coordenador da Editora Universitária. Concluiu o Mestrado em Literatura Brasileira (2002) e o Doutorado em Teoria Literária (2006) na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Realiza palestras sobre leitura e cidadania em escolas de ensino fundamental, médio e superior.

Por mais de dez anos escreveu crônicas semanais para o Diário Catarinense (2002-2013). Também colaborou com o Jornal de Santa Catarina, assinando uma coluna diária entre 2007 e 2011. Escreveu resenhas e artigos de opinião para o Jornal do Brasil e a revista Veja.

Participou de cursos de roteiro para cinema e TV com Syd Field, William Rabkin e Robert McKee. Desde 2016 coordena a equipe de roteiristas responsáveis pela série de animação Boris e Rufus, atualmente em exibição pelo canal a cabo Disney XD no Brasil e em toda a américa hispânica. A série também é exibida na TV Cultura.

A partir da publicação do primeiro livro, em 1996, lançou duas dezenas de títulos entre crônicas, contos, ensaios e romances. Por duas vezes recebeu o primeiro lugar no Concurso de Contos Paulo Leminski, promovido pela Unioeste de Toledo (PR). Também foi primeiro lugar no Concurso Nacional de Contos de Araçatuba (SC).

Quissama: O Império dos Capoeiras foi finalista do Prêmio Jabuti em 2015 na categoria juvenil.

O Manuscrito, uma autobiografia ficcional do poeta Álvares de Azevedo, foi finalista da edição 2018 do Prêmio Leya.

Obra[editar | editar código-fonte]

Maicon Tenfen em palestra sobre o livro Quissama

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Entre a Brisa e a Madrugada (1996)
  • Um cadáver na banheira (1997)
  • O segredo da montanha (1998)
  • O impostor (1999)
  • O Filho do Feliciano (2000)
  • Mistérios, mentiras e trovões! (2002)
  • Casa Velha Night Club (2009)
  • A Galeria Wilson (2010)
  • O conto do cão paladino (2012)
  • Canil para cachorro louco (2013)
  • Quissama I: o império dos capoeiras (2014)
  • Quissama II: território inimigo (2018)
  • O Manuscrito (2019)

Infantil[editar | editar código-fonte]

  • O filho do capitão trovão (2017)

Crônicas[editar | editar código-fonte]

  • Mania de Grandeza (2005)
  • A Culpa é do Mordomo (2006)
  • O homem que pronominava (2010)
  • Ler é uma droga! (2012)

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • Breve Estudo sobre o Foco Narrativo (2008)

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Maicon Tenfen passou a colaborar mais intensamente com a imprensa do seu estado através de uma coluna semanal no Diário Catarinense (2002 - 2013) e com uma coluna diária no Jornal de Santa Catarina (2007 - 2011), como também publicou artigos e resenhas em jornais e revistas de âmbito nacional, como o Jornal do Brasil.

Animação[editar | editar código-fonte]

Em meados de 2016, Maicon Tenfen foi convidado pelo Belli Studio para participar da produção de uma série original de animação chamada Boris e Rufus. A série, que será exibida pela Disney XD América Latina, contará com alguns roteiros do escritor, que também atua como headwriter. [1]

Literatus TV[editar | editar código-fonte]

Literatus TV é um programa de incentivo à leitura veiculado na internet pelo YouTube e na televisão pela TV Nacional do Brasil (NBR). Inicialmente, Maicon Tenfen apresentava o programa em parceria com Vilto Reis (editor do site de literatura Homo Literatus), porém, o escritor acabou assumindo o comando do programa e manteve uma rotatividade de convidados a cada semana. Dos clássicos aos best-sellers, das páginas às telas e palcos, o programa discute literatura de uma forma descontraída e livre de preconceitos.

Oficinas de escrita criativa[editar | editar código-fonte]

Maicon Tenfen também dedica parte de seu tempo para transmitir o conhecimento sobre narrativas, promovendo oficinas de escrita criativa. Foram publicados Projeto Alpha e Projeto Beta, antologia de contos produzidos nas diferentes versões do curso.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Concurso Nacional de Contos Paulo Leminski[editar | editar código-fonte]

Em O Impostor está o conto "Diablo", vencedor do 8º Concurso de Contos Paulo Leminski (1997), e um texto autobiográfico chamado "Sobre a Arte de Voar", considerados por críticos os melhores do volume. Mais tarde, cada conto de O Impostor seria republicado em fascículos ilustrados e, com uma tiragem totalizando a soma de 100 mil exemplares, distribuídos pelas Edições Sabida para todos os estados brasileiros. Acrescentou-se aos fascículos o conto "Toninho Charola", que também havia conquistado o primeiro prêmio do Concurso Paulo Leminski (1999).

Concurso Nacional de Contos de Araçatuba[editar | editar código-fonte]

O conto "Nick Fourier", vencedor do Concurso Nacional de Contos de Araçatuba (2005), está no livro Casa Velha Night Club, e reflete sobre a vida de escritor e as dicotomias entre alta e baixa literaturas.

Prêmio Jabuti de Literatura[editar | editar código-fonte]

Em 2015 o livro Quissama: o império dos capoeiras, publicado pela Editora Biruta em 2014, ficou entre os finalistas do Prêmio Jabuti na categoria juvenil. [2]

Prêmio Leya[editar | editar código-fonte]

Em 2018 o livro O Manuscrito ficou entre os finalistas do Prêmio Leya.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

Quissama: o império dos capoeiras[editar | editar código-fonte]

Jogo de tabuleiro Quissama

O livro Quissama ganhou uma adaptação para jogo de tabuleiro em 2015. Da autoria de Ricardo Spinelli e com ilustrações de Rubens Belli, Quissama é um jogo de temática brasileira e mecânica europeia. Assim como no livro, o jogo é ambientado no Rio de Janeiro do século XIX e cada personagem disputa um objetivo. [3]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.