Malus sylvestris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Malus sylvestris
Malus sylvestris (Southeast Michigan).JPG
Classificação científica edit
Reino: Plantae
Clado: Tracheophytes
Clado: Angiospermas
Clado: Eudicots
Clado: Rosids
Ordem: Rosales
Família: Rosaceae
Gênero: Malus
Espécies:
M. sylvestris
Nome binomial
Malus sylvestris

Malus sylvestris é uma espécie do gênero Malus, nativa da Europa. Seu nome científico significa "maçã silvestre". a árvore apresenta a presença de espinhos.

Características[editar | editar código-fonte]

Sua copa é longa e, muitas vezes, se parece mais com um arbusto do que com uma árvore. Pode viver aproximadamente de 80 a 100 anos, e pode crescer até 10 metros de altura com o diâmetro do tronco medindo de 23-45 cm. Devido à sua fraca competitividade e alta necessidade de luz, a M. sylvestris é encontrada principalmente nas bordas das florestas e em sebes de terras agrícolas. É originária da Ásia Central, atualmente correspondendo com a atual área do Cazaquistão. A árvore é atualmente bastante rara, mas nativa da maioria dos países europeus. A árvore tem a presença de espinhos, e suas flores são hermafroditas com a polinização sendo feito por insetos, ela apresenta um padrão de distribuição dispersa como indivíduos únicos ou em pequenos grupos.[2]

Ancestral das maçãs domesticadas[editar | editar código-fonte]

No passado, M. sylvestris era considerado o ancestral mais importante das maçãs cultivadas ( M. domestica ), que desde então se demonstrou ter sido originalmente derivada da espécie da Ásia central M. sieversii.[3] No entanto, outra análise[4] confirma que M. sylvestris contribuiu significativamente para o genoma.

O estudo descobriu que a introgressão secundária de outras espécies do gênero Malus moldou bastante o genoma de M. domestica, com M. sylvestris sendo o maior contribuinte secundário. Ele também descobriu que as populações atuais de M. domestica estão mais intimamente relacionadas a M. sylvestris do que a M. sieversii. No entanto, em linhagens mais puras de M. domestica, a ancestralidade de M. sieversii ainda predomina.

Pragas[editar | editar código-fonte]

Suas folhas são alimento das lagartas Smerinthus jamaicensis e possivelmente da mariposa Scythropia crataegella.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Fontes[editar | editar código-fonte]

M.H.A Hoffman, List of names of woody plants, Applied Plant Research, Boskoop 2005.

RHS dictionary of gardening, 1992

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Malus sylvestris (Crab Apple, European Crab Apple, Pommier Sauvage)». Iucnredlist.org. 16 de abril de 2010. Consultado em 21 de setembro de 2018 
  2. Stephan, B.R.; Wagner, I. & Kleinschmit, J. (2003), Wild apple and pear - Malus sylvestris/Pyrus pyraster: Technical guidelines of genetic conservation and use (PDF), European Forest Genetic Resources Programme, archived from the original (PDF) on 2016-10-20, retrieved 2016-10-20
  3. Velasco R., Zharkikh A., Affourtit J. et al., The genome of the domesticated apple (Malus × domestica Borkh.) Nature Genetics, 2010, 42, 10, 833
  4. Coart, E., Van Glabeke, S., De Loose, M., Larsen, A.S., Roldán-Ruiz, I. 2006. Chloroplast diversity in the genus Malus: new insights into the relationship between the European wild apple (Malus sylvestris (L.) Mill.) and the domesticated apple (Malus domestica Borkh.). Mol. Ecol. 15 (8): 2171-82.