Mama Killa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Na mitologia Inca, Mama Killa era a irmã e esposa do deus Inti. Esta deusa representada pela lua acompanhava Inti em igualdade na corte celestial. A Tríplice Deusa Inca, a grande deusa da mitologia inca, desdobra-se em três: Mama Killa, Mama Ogllo e Mama Cocha.

Era a mãe do firmamento, tinha uma estátua sua no Templo do Sol, onde uma Ordem de Sacerdotisas a cultuavam.

Naturalmente a deusa Mama Killa estava ligada ao fervor religioso das mulheres, eram elas que formavam o núcleo de suas fiéis seguidoras, já que a deusa Mama Killa podia compreender seus desejos e temores e dar-lhes o amparo buscado.

Há também uma história, até onde não sabemos se é verdadeira:

"Segundo a lenda, a Ka-Ata-Killa, ou Mama killa, foi criada pelo Deus Viracocha Pachacayaki, criador de todas as coisas. Ela nasceu no lago Titicaca, precisamente, e muitos templos foram dedicados à deusa.

Ela mesma escolheu morar perto do lago onde nasceu, e então um dia, Ka-Ata-Killa se apaixonou por um mortal, um pescador cujo barco ela frequentemente via da janela de sua casa. Sua paixão por ele era tão intensa que ela não aguentou e se revelou a ele um dia, em todo o seu explendor de deusa, e o homem ficou assustado.

Ka-Ata-Killa, furiosa com essa rejeição, construiu um templo nas profundezas da selva e trancou o mortal que ousou resistir a ela. Depois de sequestrar o mortal que estava apaixonada, a deusa criou um espelho, ela forçou o homem olhar para ele e responder a uma pergunta, sempre a mesma: Você me ama? A deusa acreditou que o homem acabaria se apaixonando por ela.

Este espelho era mágico, uma espécie de espelho da verdade, você não pode mentir quando está na frente dele, ele mostra a sua verdadeira natureza.

O homem achou que a deusa nunca daria sua liberdade se ele não dissesse o que ela realmente desejava.

Até que um dia o mortal disse que a amava, mas a deusa sabia que ele estava mentindo quando se olhou no espelho.

Em uma fadídica noite, enlouquecido pelo cativeiro, ele pôs fim a própria vida.

Quando AK-Ata-Killa descobriu seu cadáver ela entrou em desespero. Em sua dor, ela libertou sua raiva causando um cataclismo, que exterminou quase toda a humanidade, e foi descansar no alto do céu, tonando-se um satélite - a lua."




Ícone de esboço Este artigo sobre mitologia inca é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.