Mamurra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mamurra
Morte século I a.C.
Nacionalidade
SPQR.svg
República Romana
Etnia Romana
Ocupação Militar e engenheiro
Religião Politeísmo romano
Júlio César
Busto no Museu do Prado

Mamurra (fl. século I a.C.) foi um oficial militar romano do fim da República Romana que teria servido sob o general e político Júlio César.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mamurra foi um equestre nascido em Fórmias, na Itália.[1] Sua família era proeminente na região, como relatado satiricamente pelo poeta Horácio que chama Fórmias de "a cidade dos Mamurras".[2] Mamurra aparece pela primeira vez nos anos 50 a.C., quando serviu como prefeito dos engenheiros (em latim: praefectus fabrum) no exército de Júlio César na Gália.[1] Um poeta de Cátulo também refere-se a seu serviço na Britânia, bem como no Ponto e Hispânia,[3] sugerindo que serviu durante a guerra civil entre César e Pompeu. Entre os feitos de engenharia realizados pelo exército cesarino durante o período, dos quais Mamurra provavelmente esteve envolvido, estão a rápida construção de uma ponte sobre o rio Reno em 55 a.C.,[4] a projeção e construção de um novo tipo de navio para a segunda expedição à Britânia em 54 a.C.[5] e a circunvalação dupla de Alésia em 52 a.C..[6]

O serviço militar de Mamurra, e seu patrocínio por César, fez-o extremamente rico.[3][7] Segundo Cornélio Nepos (citado por Plínio, o Velho) ele foi o primeiro romano que teria sua casa inteira, que estava no Célio, revestida de mármore, e o primeiro a usar sólidas colunas de mármore.[1] Em um de seus poemas endereçado a César, Cátulo atacou Mamurra, junto com o ditador, com as mais severas invectivas: o autor cita que Mamurra possuía um estilo de vida desregrado e escandaloso e como era mulherengo, inclusive apelidando-o mêntula (termo vulgar para pênis) e alegando que ele mantinha uma relação homossexual com César.[8] Isto foi considerado uma "mancha duradoura" no caráter de César, mas Cátulo desculpou-se mais adiante, e foi imediatamente convidado para jantar com ele.[9]

Apesar disso, Cátulo voltaria a atacá-los: em outro poema o autor diria que Mamurra e César viviam nos mais vergonhosos termos,[10] enquanto num terceiro ele faz menção, em termos pouco lisonjeiros, a Ameiana, a amante do "falido de Fórmias" (em latim: decoctor Formianus), geralmente considerado como Mamurra.[1][9][11][12] Uma carta de Cícero de 45 a.C. refere-se a César dando qualquer reação visível quando ouviu as notícias de Mamurra, o que poderia ser interpretado como sua morte.[13] Apesar disso, William Smith considera que ela poderia estar vivo no período de Horácio, devido a menção dele à família de Mamurra.[14]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Smith, William (1870). Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. [S.l.]: Little, Brown and Company