Manoel Paulo Nunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde fevereiro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde fevereiro de 2013).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.

Manoel Paulo Nunes (Regeneração, 11 de outubro de 1925) é um advogado, professor, escritor e ensaista brasileiro, membro da Academia Piauiense de Letras. Primeiro ocupante da cadeira 38, cujo patrono é João Francisco Ferry.[1]


Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do agricultor, político e coronel da guarda nacional Francisco de Paula Teixeira Nunes, ex-prefeito municipal de Regeneração e de sua esposa D. Raimunda da Silva Nunes[2].

Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Piauí. Técnico em Assuntos Educacionais do MEC, professor titular da Universidade Federal do Piauí[3].

Uma vida toda dedicada à educação e a cultura, possui vários livros publicados e colabora assiduamente com jornais e revistas do Brasil. É o atual editor da conhecida revista Presença, do Conselho Estadual de Cultura do Piauí, que preside há vários anos. Presidiu a Academia Piauiense de Letras, onde ocupa a cadeira 38[4]. É também membro do Instituto Histórico e Geográfico do Piauí[5].

O Prof. M. Paulo Nunes, como é mais conhecido, é um dos escritores e crítico literário mais abalizados[6] da atualidade[7], com vasta obra publicada[8], onde analisa a obra dos principais escritores da literatura brasileira e universal[9]. Sobre ele e sua obra já se publicaram vários ensaios, artigos e obras, inclusive mais recentemente o livro Conversas com M. Paulo Nunes[10], sob o patrocínio da Universidade Federal do Piauí, instituição de ensino superior que ele ajudou a criar no início dos anos 70[11]. Tem recebido muitas homenagens, comendas e prêmios literários, inclusive tendo o seu nome dada a bibliotecas e escolas[12][13].

Obras do autor[editar | editar código-fonte]

  • A Geração Perdida ( 1979)
  • A Província Restituída (1985)
  • O Discurso Imperfeito (1988)
  • Tradição e Invenção (1992)
  • Solidões Justapostas (1994)
  • As Duas Faces de Nossa Cultura (1998)
  • Tradução e Modernidade em Eça de Queiroz (2000)
  • Modernismo & Vanguarda (2000)
  • Fracasso da Educação Brasileira (2003)

Referências

  • MIRANDA. Reginaldo. São Gonçalo da Regeneração – marchas e contramarchas de uma comunidade sertaneja: da aldeia indígena aos tempos atuais. 2.ª Edição. Teresina: APL, 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Academia Piauiense de Letras