Manuel Martins (artista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuel Joaquim Martins[1], usualmente conhecido como Manuel Martins, (São Paulo, 24 de outubro de 1911 — São Paulo, 1979) foi um pintor, ilustrador, desenhista, gravador, escultor e ourives brasileiro.

Filho de imigrantes portugueses, cresceu no Brás, bairro industrial da cidade de São Paulo. Dedicou-se, a partir de 1924, ao ofício da ourivesaria. Iniciou, em 1931, seus estudos artísticos com o escultor Vicente Larocca. Freqüentou, em seguida, a Escola de Belas Artes. Começou a fazer parte do Grupo Santa Helena em 1935, com Alfredo Volpi, Francisco Rebolo e Fulvio Pennacchi, Clovis Graciano, Alfredo Rizzotti, Humberto Rosa entre outros. Dividiu ateliê com Mario Zanini. Participou, em 1937, de exposições da Família Artística Paulista (FAP).

Nos anos 60, começou a trabalhar com gravura em metal. Paralelamente ao ofício de pintor, realizou ilustração em livros, como em "O cortiço", de Aluísio de Azevedo e "Bahia de Todos os Santos", de Jorge Amado, e em revistas.

Sua obra apresenta grande preocupação social, com temáticas ligadas ao cotidiano das classes mais pobres e à vida do trabalhador. Pintou paisagens do centro e arredores de São Paulo e é foi considerado pela crítica como um repórter da vida paulistana.

Referências

  1. Pela grafia arcaica, Manoel Joaquim Martins.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]