Grupo Santa Helena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Grupo Santa Helena foi um grupo de pintores que se formou a partir de meados da década de 1930 e que se reunia nos ateliês de Francisco Rebolo e Mario Zanini, situados no Palacete Santa Helena, um edifício da Praça da Sé, na cidade de São Paulo.[1] O palacete foi demolido em 1971, devido a necessidade de se abrir espaço na Praça da Sé para a construção da futura estação Sé do metrô. O grupo se reuniu nos ateliês coletivos até o início da década de 1940, quando estes ateliês foram extintos.[2]

Origens[editar | editar código-fonte]

O Grupo Santa Helena formou-se de maneira espontânea, sem maiores pretensões e nenhum compromisso conceitual.[1] A maioria de seus membros era de origem italiana: Alfredo Volpi e Fúlvio Penacchi (imigrantes italianos); Aldo Bonadei, Alfredo Rizzotti, Mario Zanini, Clóvis Graciano e Humberto Rosa (filhos de imigrantes italianos). O grupo ainda contava com paulistas de outras origens como: Francisco Rebolo (filho de espanhóis) e Manuel Martins (filho de portugueses). Todos de origem humilde, para sobreviver, exerciam atividades artesanais e proletárias.

A pintura era praticada nos finais de semana ou nos momentos de folga. A origem social humilde e as afinidades profissionais levaram à Mario de Andrade nomeá-los de Artistas Proletários , alcunha que perdurou e os caracterizou dentro do movimento modernista.[3]

A maior parte deles frequentou o Liceu de Artes e Ofícios ou a "Escola Profissional Masculina do Brás".[1] Porém, conscientemente ou não, reduziam esse aprendizado às técnicas de pintura e desenho e não às orientações acadêmicas de ordem formal.

Nessa época, algumas associações de pintores foram constituídas em São Paulo, como a Sociedade Pró-Arte Moderna (Spam) e o "Clube dos Artistas Modernos" (CAM), englobando os participantes da Semana de 22. Esses grupos eram formados por intelectuais e membros da Elite paulista, que mantinham enorme distância em relação aos integrantes do Santa Helena e de outros núcleos proletários, dos quais se tinham pouco ou nenhum conhecimento.

A união do grupo, que perdurou por muitos anos, pode ser explicada como reação ao enorme preconceito existente em relação aos imigrantes pobres e os seus descendentes, por parte não só das elites, formadas por famílias brasileiras, mas também por parte dos imigrantes e seus descendentes, que já tinham feito fortuna no Brasil. Esse preconceito ficou evidente em inúmeras críticas que surgiram ao trabalho do Grupo, principalmente quando eles começaram a despertar a atenção e a ameaçar posições já definidas. Mário de Andrade, por outro lado, reconhecia a importância dos santahelenistas, identificando neles uma escola paulista, com um modernismo moderado.[4]

Com exceção dos que já tinham estudado na Europa, como Pennacchi, Rizzotti e Bonadei, o contato dos integrantes do Grupo com a produção artística de lá era bastante precário e obtido com professores no Brasil. Bonadei estudou com Pedro Alexandrino, Antonio Rocco e Amedeo Scavone; Graciano foi aluno de Waldemar da Costa e Zanini estudou com Georg Elpons.[5]

A perseverança do Grupo, que continuava na luta pela sobrevivência, despertava o interesse e acolhia novos amigos e parceiros. Assim, com o tempo, o local passou a ser o ponto de encontro de muitos outros artistas.

O mérito maior do Grupo Santa Helena foi ter revelado alguns dos mais importantes artistas plásticos brasileiros do século XX.

Exposições[editar | editar código-fonte]

Em 1937 foi realizada uma exposição da chamada "Família Artística Paulista", agregando um conjunto de artistas e incluindo todo o Grupo Santa Helena que, desse modo, apresentaram seus trabalhos ao público pela primeira vez. A partir daí, o Grupo tornou-se conhecido e despertou o interesse de Mário de Andrade, que neles identificou uma "escola paulista".

Em 1940, a "Exposição de Pintores Franceses", apresentando Cézanne, Picasso, Braque e Juan Gris, dentre outros, causou enorme impacto e começou a redirecionar os caminhos de vários integrantes do Grupo, e a distanciá-los na temática ou nos aspectos formais.

Membros[editar | editar código-fonte]

Os membros do Grupo Santa Helena, e suas respectivas atividades e profissões eram:


Referências

  1. a b c «Grupo Santa Helena». Enciclopédia Itaú Cultural de Artes Visuais do Itaú Cultural. Consultado em 22 jan 2013 
  2. COUTO, André Luiz Faria. «Grupo Santa Helena». Brasil Artes Enciclopédia. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  3. ANDRADE, Mário. Esta paulista família. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 2 jul. 1939
  4. «Grupo Santa Helena - O modernismo paulista dos anos 1930». Uol. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  5. Georg Elpons Itaú Cultural