Ilustração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Este artigo é sobre ilustração gráfica. Para a corrente cultural, veja Iluminismo.

Ilustração de Jessie Willcox Smith
Ilustração de Santiago Martinez Delgado

Ilustração é uma imagem pictórica utilizada para acompanhar, explicar, interpretar, acrescentar informação, sintetizar ou até simplesmente decorar um texto. Embora o termo seja usado frequentemente para se referir a desenhos, pinturas ou colagens, uma fotografia também é uma ilustração. Além disso, a ilustração é um dos elementos mais importantes do design gráfico.

São comuns em jornais, revistas e livros, especialmente na literatura infanto-juvenil (assumindo, muitas vezes, um papel mais importante que o texto), sendo também utilizadas na publicidade e na propaganda. Existem também ilustrações independentes de texto, onde a própria ilustração é a informação principal. Um exemplo seria um livro sem texto, não incomum em quadrinhos ou livros infantis.

Em princípio, o que distingue a ilustração das histórias em quadrinhos é não descrever, necessariamente, uma narrativa sequencial, mas sintetizar ou caracterizar conceitos, situações, ações ou, até mesmo determinadas pessoas, como é o caso da caricatura.

História[editar | editar código-fonte]

A partir do século XV, os livros passaram a ser ilustrados em xilogravura. Nos dois séculos seguintes, os principais métodos utilizados para a reprodução de ilustrações foram a gravura e a água-forte. No final do século XVII, a litografia permitiu que as ilustrações fossem reproduzidas de forma ainda melhor. O ilustrador mais notável desta época foi William Blake, que desenvolveu um método de relevo em água-forte.

Século XIX[editar | editar código-fonte]

Entre as figuras notáveis do gênero no princípio do século XIX estão John Leech, George Cruikshank, Hablot Knight Browne e Honoré Daumier. Os mesmos ilustradores contribuíram para revistas satíricas e de ficção, mas em ambos os casos a demanda era para o registro de personagens que encapsulavam ou caricaturizavam tipos e classes sociais.

A revista de humor britânica Punch, fundada em 1841 na esteira do sucesso do Almanaque Cômico de Cruikshank, empregou uma linha ininterrupta de artistas de alta qualidade – incluindo Sir John Tenniel, os Irmãos Dalziel, e Georges du Maurier – que, apesar de formados convencionalmente em belas artes, alcançaram fama primeiramente como ilustradores. Em seu auge, a revista registrou a mudança gradual da ilustração popular e dependente da caricatura para as sofisticadas observações de tópicos específicos.

Tipos de ilustração[editar | editar código-fonte]

Digolo e Mazrui subcategorizam a ilustração a partir das técnicas utilizadas, tais como desenho, pintura, impressão ou colagem. Essas técnicas afetam a arte em diversas formas, sendo escolhidas pelos diferentes impactos que reproduzem. A escolha pode ser baseada no objetivo ilustração, nas limitações do artista, no custo ou em outros fatores.1

A ilustração tradicional é focada em métodos de criação que permitam sua redistribuição, e pode ser classificada em diferentes tipos:

Referências

  1. Digolo & O. Mazrui (2005): Art & Design Forms 1 and 2, pág. 51

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ilustração

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Em português[editar | editar código-fonte]

Outros idiomas[editar | editar código-fonte]