Marózia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marózia
Nascimento Roma
Morte 937
Roma
Progenitores Mãe:Teodora
Pai:Teofilato I
Cônjuge Alberico I de Espoleto, Guido da Toscânia, Hugo da Itália
Filho(s) Alberico II de Espoleto
Ocupação rainha
Título conde
Gravura representando o casamento de Marózia e Hugo da Itália, de Francisco Bertolini, Historia de Roma.

Marózia ou Marósia (nascida Maria, também conhecida como Mariuccia ou Mariozza) (c. 890 – 26 de junho c. 936) foi uma nobre toscana, que teria tido uma decisiva influência na eleição dos Papa Leão VI, Estêvão VIII e João XI (de quem foi mãe), assim como na morte de João X.

Foi a suposta amante do Papa Sérgio III e recebeu os inéditos títulos de senadora (senatrix) e patrícia (patricia) de Roma pelo Papa João X.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Marózia nasceu por volta de 890. Era a filha do cônsul romano Teofilato I, Conde de Túsculo e de Teodora, o poder real, em Roma, a quem Liutprando de Cremona caracterizou como uma "prostituta sem vergonha ... [que] exerce poder sobre os cidadãos romanos como um homem."

Com a idade de quinze anos, Marózia tornou-se amante do primo de Teofilato, o Papa Sérgio III, a quem conheceu quando ele era bispo de Portus. Os dois tiveram um filho, João (mais tarde Papa João XI). Isso, pelo menos, é a história encontrada em duas fontes contemporâneas, o Liber Pontificalis e o Antapodosis sive Res per Europam gestae (958–62), por Liutprando de Cremona (c. 920-72). Mas uma terceira fonte contemporânea, do cronista Flodoardo (c. 894-966), diz João XI era irmão de Alberico II, sendo este último filho de Marózia e seu marido Alberico I. Portanto, João também pode ter sido o filho de Marózia e Alberico I.

De qualquer forma, Marózia casou-se com Alberico I de Espoleto, em 909, e seu filho de Alberico II nasceu em 911 ou 912. Quando Alberico foi morto em Orte em 924, os proprietários de terras romanos obtiveram uma vitória completa sobre a burocracia tradicional representada pela cúria papal. Roma estava praticamente sob controle secular, o histórico ponto mais baixo do papado.

A fim de combater a influência do Papa João X (a quem o cronista Liutprando de Cremona alega ser outro de seus amantes), Marózia posteriormente se casou com seu opositor Guido da Toscânia, que amava a sua bela esposa, tanto quanto amava o poder. Juntos, eles atacaram Roma, capturaram o papa João X em Latrão, e prenderam-o no Castelo de Santo Ângelo. Ou Guido lhe tinha sufocado com um travesseiro em 928, ou ele simplesmente morreu, talvez por negligência ou maus-tratos. Marózia tomou o poder em Roma em um golpe de Estado. A seguir, os papas, Leão VI e Estevão VII, foram seus fantoches. Em 931, ela ainda conseguiu impor seu filho como pontífice, sob o nome de João XI. João tinha apenas vinte e um anos na época.

Quando seu marido morreu em 929, Marózia negociou um casamento com seu meio-irmão Hugo de Arles, que tinha sido eleito Rei da Itália. Hugo era casado, mas teve o casamento anulado e assim ambos poderiam se casar. Alberico II, filho de Marózia, liderou a oposição ao domínio de Marózia e Hugo. Após depor-los em 932, na cerimônia de casamento, Alberico II aprisionou sua mãe até a morte dela. Hugo fugiu da cidade.[1]

Marozia morreu na prisão entre 932 e 937, provavelmente em 26 de junho de 936[2].

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Teofilato I, Conde de Túsculo
864–924
Teodora
Hugo da Itália
887-948
(também se casou com Marózia)
Alberico I de Espoleto
d. 925
Marózia
890–937
Papa Sérgio III
904–911
Teodora
Graciano
(Cônsul)
Alda de Vienne
Alberico II de Espoleto
905–954
Davi ou Deodato
Papa João XI
931–935
Teodora
João Crescêncio
Teofilato
Papa João XII
955–964
Papa Bento VII
974-983
Marózia
Papa João XIII
965–972
Crescêncio, o Velho
Gregório I, conde de Túsculo
Papa Bento VIII
1012–1024
Alberico III, conde de Túsculo
d. 1044
Papa João XIX
1024–1032
Pedro, Duque dos Romanos
Caio
Otaviano
Papa Bento IX
1032–1048

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Marózia

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chamberlin, E. R. (1969). The Bad Popes. [S.l.: s.n.] 
  • Williams, George (1998). Papal genealogy, the families and descendants of the popes. [S.l.: s.n.] 
  • di Carpegna Falconieri, Tommaso (2008), Marozia, in Dizionario biografico degli italiani, 70, pp. 681–685

Ligações externas[editar | editar código-fonte]