Conde de Túsculo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.

Os condes de Túsculo foram nobres seculares mais poderosos em Lácio, perto de Roma, na atual Itália entre o século X e o século XII. Vários papas e um antipapa durante o século XI vieram de suas fileiras. Os condes de Túsculo vieram da família Theofilacto, uma família romana senatorial. Criaram e aperfeiçoaram a fórmula política do papado nobre, onde o Papa era arranjado para ser eleito unicamente a partir das fileiras dos nobres romanos. A Pornocracia, período de influência por parte de poderosos membros do sexo feminino da família também influenciaram a história papal.

Os condes de Túsculo permaneceram árbitros da política e da religião romana por mais de um século. Além da influência papal, detinham poder através de consulados leigos e membros do Senado. Tradicionalmente, eram pró-bizantinos e antialemães em sua filiação política.

Após 1049, o Papado de Túsculo chegou ao fim com a nomeação do Papa Leão IX. Na verdade, o papado de Túsculo foi o grande responsável pela reação conhecida como reforma gregoriana. Os eventos subseqüentes (de 1062 em diante) confirmaram uma mudança de política regional, como os condes viera a lado com o Sacro Imperador Romano contra a Roma dos reformadores. Em 1059, o decreto papal (reforma eleitoral), do Papa Nicolau II estabeleceu novas regras para a eleição papal, portanto, pôs fim à fórmula nobre do papado.

Condes e seus títulos[editar | editar código-fonte]

  • antes de 924: Teofilato I
  • até 924: Alberico I de Espoleto, cônsul, genro
  • 924-954: Alberico II de Espoleto, filho
  • antes de 1013: Gregório I, filho (Excellentissimus vir - Praefectus navalis)
  • até 1012: Teofilato II, filho de Gregório I
  • 1012 - 1024: Romano (Consul et dux, senator), irmão de Teofilato II e filho de Gregório I
  • 1032 - 1045: Alberico III (Imperialis palatii magister Consul et dux - Comes sacri palatii La), irmão de Teofilato II e Romano;
  • 1024 - 1032: Teofilato III, filho de Alberico III
  • 1044 - 1058: Gregório II (Consul, nobilis vir, senator Comes Tusculanensis), filho de Alberico III
  • 1058 - 1108: Gregório III , (Comes Tusculanensis Consul, illustris), filho de Gregório II
  • 1108 - 1126: Ptolomeu I (Tolomeo I), (Consul, comes Tusculanus), filho de Gregório III;
  • 1126 - 1153: Ptolomeu II (Tolomeo II), (Illustrissimus, dominus Consul et dux) filho de Ptolomeu I;
  • 1153 - 1167: Jonathan (Comes de Tusculano) co-regente com Raino filho de Ptolomeu II;
  • 1153 - 1179: Raino (Nobilis vir, dominus), irmão de Jonathan, co-regente com Jonathan.

Papas de Túsculo[editar | editar código-fonte]

* Também foi conde.

Sucessores[editar | editar código-fonte]

De acordo com a tradição, os sucessores dos Condes de Túsculo foram a família Colonna, fundada por Pedro (1099-1151), filho de Gregório III, chamado Pedro "de Columna" de seu feudo de Colonna, a leste de Roma.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]