Teofilato I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Teofilato I
Nascimento 860
Morte 920 (60 anos)
Roma
Cidadania Roma Antiga
Cônjuge Teodora
Filho(s) Marózia
Ocupação político
Título conde

Teofilato I (c. 864 - c. 925) foi um senador e cônsul romano, Conde de Túsculo, que foi o governante efetivo de Roma em torno de 905 até sua morte. Seus descendentes controlariam o Papado durante os próximos 100 anos..

Biografia[editar | editar código-fonte]

Teofilato foi o Conde hereditário de Túsculo, uma cidade pequena nas proximidades de Roma. É mencionado pela primeira vez em um documento de 901 como juiz palatino do imperador Luís III, o Cego. Ele permaneceu em Roma, comandando um grupo de soldados após o regresso do imperador para Provença em 902, e se destacou na derrubada do antipapa Cristóvão, em janeiro de 904, a quem muito provavelmente condenou a morte na prisão, durante o final daquele ano. Teofilato formou uma aliança com Alberico I de Espoleto, e com o seu apoio conjunto, o Papa Sérgio III foi eleito no lugar de Cristóvão.[1] Durante o seu pontificado, Teofilato tornou-se vestarário do palácio sagrado (sacri palatii vestararius) e mestre dos soldados (magister militum) de Sérgio, efetivamente tomando o controle da cidade. Ele também recebeu outros títulos honoríficos, como senador, duque glorioso (glorissimus dux) e dominus urbis.[2]

Casado com Teodora, com esta e sua filha Marózia, exerceram uma grande influência sobre os sucessivos papas que ocuparam o trono de São Pedro até a sua morte, inaugurando um período da história papal conhecido como Pornocracia.

Além de Marózia, teve duas outras filhas: Teodora, o que resulta na família de Crescêncio e Sérgia, apesar de provavelmente ser filha ilegítima do Papa Sérgio III foi reconhecido por Teofilato como sua própria.

O Papa João X o enviou para negociar uma aliança militar com o príncipe normando da Campânia para formar uma liga militar que derrotou os árabes na batalha de Garigliano em agosto de 915, e que a principal conseqüência foi que as tropas muçulmanas deixassem o território do Lácio.

A longo prazo, os herdeiros de Teofilato, os Teofilactos, foram os rivais dos Crescêncios no controle de Roma, e colocaram vários papas na Cátedra de São Pedro. Seus eventuais herdeiros foram os Colonna.

Árvore genealógica[editar | editar código-fonte]

Teofilato I, Conde de Túsculo
864–924
Teodora
Hugo da Itália
887-948
(também se casou com Marózia)
Alberico I de Espoleto
d. 925
Marózia
890–937
Papa Sérgio III
904–911
Teodora
Graciano
(Consul)
Alda de Vienne
Alberico II de Espoleto
905–954
Davi ou Deodato
Papa João XI
931–935
Teodora
João Crescêncio
Teofilato
Papa João XII
955–964
Papa Bento VII
974-983
Marózia
Papa João XIII
965–972
Crescêncio, o Velho
Gregório I, conde de Túsculo
Papa Bento VIII
1012–1024
Alberico III, conde de Túsculo
d. 1044
Papa João XIX
1024–1032
Pedro, Duque dos Romanos
Caio
Otaviano
Papa Bento IX
1032–1048

Referências

  1. Williams, pg. 11
  2. Williams, pg. 11; Gregorovius, pg. 251

Bibliografia[editar | editar código-fonte]