Maria José Salgado Sarmento de Matos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria José Salgado Sarmento de Matos
Nascimento 13 de outubro de 1943 (76 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Ocupação escritora, crítica literária

Maria José Salgado Sarmento de Matos (Lisboa, 13 de outubro de 1943) é uma crítica literária e escritora portuguesa, cuja obra está publicada maioritariamente sob o pseudónimo de Maria Roma.[1] Neta paterna duma filha do 2.º Visconde de Moimenta da Beira, é casada com Diogo Freitas do Amaral.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida na Rua Eduardo Coelho, no Bairro Alto, em Lisboa. Aos 16 anos foi estudar Germânicas mas desistiu do curso. Em 1974 licenciou-se em Filosofia.

Casou-se com Diogo Freitas do Amaral a 31 de Julho de 1965, na Igreja de Santa Maria, em Sintra. Tiveram quatro filhos: Pedro (1966), Domingos (1967), Filipa (1969) e Joana (1971)[3].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Sorri, Francisca (1990);
  • Tandim (1992);
  • Primadona (1994);
  • A luz do rio (1994);
  • De uma vez por todas (2001);
  • Nunca é de mais (2003);
  • Até um dia (2005);
  • Espero-te no sal, Nina (2008);
  • D. Afonso Henriques, meu pai : relato da Rainha da Flandres, Teresa de Portugal, sua filha (2011);
  • Nada é por acaso (2018).

Referências

  1. Maria Roma: Ninguém é absolutamente feliz.
  2. Casa de Sarmento: Prof. Doutor. Diogo Freitas do Amaral.
  3. Revista Sábado n.º 806 (10 a 16 de Outubro de 2019). Amor e Fuga num país em revolução, pág. 41.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.