Maria das Neves Ceita Batista de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maria das Neves
Primeira-ministra de São Tomé e Príncipe São Tomé e Príncipe
Período 7 de outubro de 2002
a 18 de setembro de 2004
Antecessor(a) Gabriel Costa
Sucessor(a) Damião Vaz d'Almeida
Dados pessoais
Nome completo Maria das Neves Ceita Batista de Sousa
Nascimento 1958 (59 anos)
Partido MLSTP/PSD
Profissão política

Maria das Neves Ceita Batista de Sousa (nascida em 1958) foi primeira-ministra de São Tomé e Príncipe entre 7 de Outubro de 2002 e 18 de Setembro de 2004. É membro do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe/Partido Social Democrata (MLSTP - PSD).

Em 2016 Maria das Neves era a presidente da Organização das Mulheres de São Tomé e Príncipe (OMSTP), a ala feminina do MLSTP, sendo também vice-presidente da Assembleia Nacional e candidata derrotada a presidente da nação[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Concluiu seus estudos secundários no Liceu Nacional de São Tomé e Príncipe logo após a independência do país[2]. Formou-se economista na Universidade de Havana, em Cuba, com especialização em finanças públicas.

Iniciou suas funções na gestão pública como funcionária no Ministério das Finanças de São Tomé; em seguida é cedida para o Banco Mundial e trabalha também no Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Retornou a São Tomé ocupando cargos importantes do governo: Ministra da Economia (1999-2001)[3], Ministra das Finanças 2001/02 e Ministra do Comércio, Indústria e Turismo (2002).

Em 2001, Fradique de Menezes foi eleito presidente com o apoio de uma coalização de centro. No entanto, não havia uma maioria clara no parlamento, e o resultado foi uma coesão instável com uma série de gabinetes de curta duração encabeçados pela oposição. Uma coalizão de três partidos foi formada sob o comando do social-democrata Gabriel Costa, com Neves servindo como membro do governo[4].

Primeira-Ministra[editar | editar código-fonte]

Maria das Neves ocupou o cargo de primeira-ministra a partir de 07 de outubro de 2002 até 18 de Setembro de 2004, sendo a primeira pessoa do sexo feminino chefe do governo em São Tomé e Príncipe. O presidente Fradique de Menezes nomeou Maria das Neves como primeira-ministra depois que o governo de unidade nacional de três partidos liderado por Gabriel Costa entrou em colapso após queixas do exército em relação as promoções de oficiais.

O país estava em uma situação difícil, fortemente endividado e dependente da ajuda. Havia desentendimentos e lutas de poder. Quando um acordo de petróleo foi assinado com a Nigéria, houve um golpe militar em 16 de julho de 2003. O presidente estava no exterior e o exército e os mercenários agiram, prendendo as autoridades do Gabinete de Neves e outros funcionários do governo. Os golpistas se queixaram de corrupção e disseram que as próximas receitas do petróleo não seriam distribuídas de forma justa. Após a pressão internacional, um acordo foi alcançado e Menezes restabeleceu seu governo após uma semana. Neves foi hospitalizada após sofrer um ataque cardíaco moderado. Ela apresentou renúncia como primeira-ministra, mas aceitou continuar quando o presidente Menezes reafirmou sua confiança nela[5]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casada e mãe de duas filhas.

Referências

  1. O conselho nacional do MLSTP-PSD decidiu por votação apoiar de forma inequívoca a camarada Maria das Neves as próximas eleições presidenciais. Vitrina. 10 de Abril de 2016
  2. Cardoso, José Maria. Maria das Neves reuniu-se com a diáspora são-tomense em Sacavém-Portugal. Téla Nón. 11 de Junho de 2011.
  3. Primi, Antonella; Varani, Nicoletta. La condizione della donna in Africa sub-sahariana. Biblioteca contemporanea. 2011
  4. Skard, Torild (2014) "Maria das Neves" in Women of power - half a century of female presidents and prime ministers worldwide, Bristol: Policy Press, ISBN 978-1-44731-578-0, pp. 299-300
  5. Jensen, Jane S. (2008) "Maria das Neves" in Women Political Leaders – breaking the highest glass ceiling, New York, NY: Palgrave Macmillan, ISBN 978-0-312-22338-0, p. 58; Skard (2014), pp. 299–300
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.