Maurice Béjart

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maurice Béjart
Maurice-Béjart--1984---w.jpg, Maurice Béjart (1988) by Erling Mandelmann - 2.jpg
Nome nativo Maurice Béjart
Nascimento 1 de janeiro de 1927
Marseille
Morte 22 de novembro de 2007 (80 anos)
Lausana
Cidadania França
Ocupação dançarino, coreógrafo, roteirista, mestre de balé, bailarino
Prêmios Prêmio Erasmus, Praemium Imperiale
Religião Islã
Página oficial
http://www.bejart.ch/
Béjart, em 1988

Maurice Béjart, nome artístico de Maurice-Jean Berger, (Marselha, 1 de Janeiro de 1927Lausana, 22 de Novembro de 2007) foi um dançarino e coreógrafo francês.

Fundou em 1953, ao lado de Jean Laurent, Les Ballets de l'Etoile, mais tarde rebatizado de Ballet-Théâtre de Paris. Com o lançamento de seu primeiro grande sucesso, Symphonie pour un homme seul (1955), foi convidado pelo Théâtre Royal de la Monnaie, em Bruxelas, a criar um balé para seu corpo de baile: assim nasceu sua obra prima. Le Sacre du printemps, em 1959.

Coreografou mais de duzentos balés, a maioria deles para sua própria companhia. Em Bruxelas, Béjart fundou o Balé do Século XX, que por três décadas maravilhou o mundo da dança, até ser transformado, em 1987, no Béjart Ballet Lausanne. Seguidor de culturas orientais, imprimiu em sua obra a marca dos gestos brilhantes com uma produção sensacionalista, muitas vezes com inserção de trechos falados. Seus críticos atacaram os temas filosóficos exagerados e a forma arrogante de utilizar a música. Mesmo assim, atraiu várias estrelas da dança, como Rudolf Nureyev, Maya Pilsetskaya e Suzanne Farrell.

Béjart deu uma nova guinada em 1992 ao extinguir o Béjart Ballet Lausanne e criar um novo grupo, o Mudra, de infraestrutura menor, e com isso por em prática as teorias do centro que fundara em 1970 para pesquisar formas inovadoras de expressão.

Última coreografia[editar | editar código-fonte]

A última coreografia de Maurice Béjart, ainda inacabada e com a duração de 80 minutos, A Volta ao Mundo em 80 Minutos, estreou no dia 20 de Dezembro de 2007, no Teatro Beaulieu, em Lausanne- Suíça.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Béjard actuou no Coliseu dos Recreios em Lisboa a convite da Fundação Gulbenkian em 6 de Junho de 1968, apresentando o seu espectáculo Romeu e Julieta.

A seguir ao espectáculo subiu ao palco para anunciar a morte do pré-candidato às presidenciais norte-americanas Robert Kennedy, assassinado em Los Angeles. Fez um discurso antiditatorial inflamado e, a seu pedido, o que se seguiu foi um ensurdecedor minuto de silêncio. Nessa noite a PIDE retirou Béjart do Hotel Borges, ao Chiado e foi abandoná-lo às 3 da manhã num posto fronteiriço espanhol.

Maurice Béjart voltaria a Portugal em 1974, logo a seguir à revolução do 25 de Abril e voltou a apresentar o mesmo espectáculo "Romeu e Julieta" no Coliseu dos Recreios.

Em 1998, o então Presidente da República Jorge Sampaio condecorou-o com o grau de grande oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

Principais obras[editar | editar código-fonte]

Maurice Béjart (1988) by Erling Mandelmann - 3.jpg
Títulos em francês
  • 1955: Symphonie pour un homme seul
  • 1957: Sonate à trois
  • 1958: Orphée
  • 1959: Le Sacre du printemps
  • 1961: Boléro
  • 1964: IXe Symphonie
  • 1966: Roméo et Juliette
  • 1967: Messe pour le temps présent
  • 1968: Bhakti
  • 1972: Nijinski, clown de Dieu
  • 1975: Pli selon pli
  • 1975: Notre Faust
  • 1977: Petrouchka
  • 1980: Eros Thanatos
  • 1982: Wien, Wien, nur du allein
  • 1983: Messe pour le temps futur
  • 1987: Souvenir de Léningrad
  • 1988: Piaf
  • 1989: 1789... et nous
  • 1990: Pyramide
  • 1991: Tod in Wien
  • 1992: La Nuit
  • 1993: M
  • 1995: À propos de Shéhérazade
  • 1997: Le Presbytère...
  • 1999: La Route de la soie
  • 2000: Enfant-roi
  • 2001: Tangos
  • 2001: Manos
  • 2002: Mère Teresa et les enfants du monde
  • 2003: Ciao Federico, em homenagem a Federico Fellini
  • 2006: L'amour de la danse
  • 2006: Zarathoustra

Ligações externas[editar | editar código-fonte]