Mestre Vitalino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mestre Vitalino
Mestre Vitalino, Fundo Correio da Manhã.tif
Biografia
Nascimento
Morte
Cidadania
Atividades
Outras informações
Distinção
Caruaru-Mestre-Vitalino-entrada-Alto-do-Moura.jpg

placa comemorativa

Vitalino Pereira dos Santos, conhecido como Mestre Vitalino (Caruaru, 10 de julho de 1909Caruaru, 20 de janeiro de 1963), foi um artesão brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de lavradores,[1] Mestre Vitalino foi um artesão que retratou em seus bonecos de barro a cultura e o folclore do povo nordestino, especialmente do interior de Pernambuco e da tradição do modo de vida dos sertanejos.[2] Este trabalho ficou conhecido entre especialistas como arte figurativa.

O artista passou a desenvolver a modelagem no barro desde quando era pequeno, os bonecos que criava eram seus brinquedos.[3]As obras de Vitalino ganharam reconhecimento na região Sudeste a partir de 1947, quando o artista plástico Augusto Rodrigues o convidou para a Exposição de Cerâmica Popular Pernambucana, realizada no Rio de Janeiro. Em janeiro de 1949, a fama foi ampliada com exposição no Masp[2]. Em 1955, integrou em Neuchâtel, Suíça, a exposição Arte Primitiva e Moderna Brasileiras.[1]

O reconhecimento do artista foi ampliado após a sua morte. A biografia do artista inspirou o samba-enredo da Império da Tijuca nos carnavais de 1977 e 2009. A Festa de São João de Caruaru o adotou como a personalidade homenageada de 2009.[4]

Suas obras mais famosas são Violeiro, O enterro na rede, Cavalo-marinho, Casal no boi, Noivos a cavalo, Caçador de onça e Família lavrando a terra.[2]

A produção do artista passou a ser iconográfica[5] e inspirou a formação de novas gerações de artistas, especialmente no Alto do Moura, um bairro que fica na cidade de Caruaru, onde viveu. A casa onde viveu parte de sua vida atualmente é a instalação da Casa Museu Mestre Vitalino. O entorno é ocupado por oficinas de artesãos[6].

Parte de sua obra pode ser contemplada no Museu do Louvre, em Paris, na França. No Brasil, a maior parte está nos museus Casa do Pontal e Chácara do Céu, Rio de Janeiro; Acervo Museológico da Universidade Federal de Pernambuco, em Recife; e no Alto do Moura.[2][5][7]

Referências

  1. a b Vitalino, Mestre (1909 - 1963) - Enciclopédia de Artes Visuais do Itaú Cultural, 22 de janeiro de 2007 (visitado em 15-3-2010)
  2. a b c d Do barro nasce um herói - Revista de História da Biblioteca Nacional, 1 de julho de 2009 (visitado em 15-3-2010)
  3. Mestre Vitalino e outros - Cerâmica no Rio, (visitado em 15-3-2010)
  4. Ninguém faz festa junina como eles - O Estado de S.Paulo, 13 de maio de 2009 (visitado em 15-3-2010)
  5. a b Mestre Vitalino se instala no céu - O Estado de S. Paulo, 29 de agosto de 2009 (visitado em 15-3-2010)
  6. Retratos do cotidiano sertanejo - O Estado de S.Paulo, 16 de junho de 2009 (visitado em 15-3-2010)
  7. Acervo Museológico da UFPE, 2009 (visitado em 15-3-2010)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mestre Vitalino