Miguel Mota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com São Miguel da Mota.
Miguel Mota
uma ilustração licenciada gratuita seria bem-vinda
Biografia
Nascimento
Morte
24 de Março de 2016 (93 anos)
Cidadania
Alma mater
Atividade
Professor e cientista

Miguel Eugénio Galvão de Melo e Mota (Lisboa, 15 de Outubro de 1922 - 24 de Março de 2016), foi um cientista e professor universitário português, que se destacou principalmente no estudo da genética.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascimento e formação[editar | editar código-fonte]

Miguel Mota nasceu na cidade de Lisboa, em 15 de Outubro de 1922.[1] Em 1946, licenciou-se em agronomia no Instituto Superior de Agronomia.[2]

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Começou a trabalhar na investigação agrícola em 1948, logo após o final da licenciatura, como director Laboratório de Citogenética da Estação de Melhoramento de Plantas, em Elvas.[1] Integrou-se depois na Estação Agrónoma Nacional, onde atingiu a posição de investigador principal em 1973.[2]

Destacou-se pelos seus estudos revolucionários sobre divisão celular em 1957, que no entanto só foram validados internacionalmente em 1987.[3] Em Portugal, foi o pioneiro no uso da microscopia electrónica, e foi responsável por grandes avanços na compreensão da genética e da biologia celular nas plantas, o que levou ao desenvolvimento de cereais melhorados.[1] Assumiu-se como um dos principais investigadores desta área, tanto a nível nacional como internacional.[4] Trabalhou em várias instituições no estrangeiro, incluindo na Suécia, no Reino Unido e nos Estados Unidos da América, e publicou mais de mil artigos em diversos jornais e revistas científicas.[3] Também colaborou na revista Vida Rural, onde defendeu a investigação agrícola.[4] Trabalhou como cientista até à sua reforma, em 1992.[1]

Também exerceu como professor, tendo em 1983 começado a ensinar na Universidade de Évora como professor catedrático convidado.[2]

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Miguel Mota faleceu em 24 de Março de 2016, aos 94 anos de idade.[1] O funeral teve lugar no dia seguinte.[1]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 2006, recebeu o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Évora.[4] Devido ao seu trabalho na genética, foi homenageado em 2009 pelo Instituto de Biologia Molecular e Celular da Universidade do Porto, numa cerimónia onde participaram alguns dos maiores cientistas da área a nível mundial.[3]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Uma guerra entre as plantas: novela de divulgação agrícola (1954)

Referências

  1. a b c d e f «Morreu o cientista Miguel Mota». TVI 24. 26 de Março de 2016. Consultado em 30 de Maio de 2019 
  2. a b c «Miguel Eugénio Galvão de Melo e Mota (1922-2016)». Universidade de Évora. Consultado em 30 de Maio de 2019 
  3. a b c «Português que revolucionou estudo da divisão celular homenageado no Porto». Diário de Notícias. 6 de Março de 2009. Consultado em 30 de Maio de 2019 
  4. a b c MARTINS, Isabel (29 de Março de 2016). «Morreu Miguel Mota». Vida Rural. Consultado em 30 de Maio de 2019 


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cientista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.