Museu da Revolução

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fachada do Museu da Revolução.

O Museu da Revolução (em espanhol: Museo de la Revolución) é um museu localizado na cidade antiga de Havana, em Cuba. O museu está sediado onde era o palácio presidencial de todos os presidentes cubanos de Mario García Menocal a Fulgencio Batista.[1] O local se transformou em museu após a Revolução Cubana.[2]

Exposições[editar | editar código-fonte]

O edifício, que tem elementos neoclássicos, foi projetado pelo arquiteto cubano Carlos Maruri e pelo arquiteto belga Paul Belau, e foi inaugurado em 1920 pelo presidente Mario García Menocal. Permaneceu como Palácio Presidencial até 1959.[2]

As exposições da história cubana do museu são amplamente dedicadas ao período da guerra revolucionária dos anos 50 e à história do país após 1959. Partes do museu também são dedicadas à Cuba pré-revolucionária, incluindo a Guerra da Independência travada contra a Espanha.[3]

Atrás do edifício fica o Granma Memorial, um grande recinto de vidro que abriga o Granma, o iate que levou Che Guevara, Fidel Castro e seu irmão Raúl Castro, juntamente com dezenas de outros revolucionários do México, à Cuba para a revolução. Em torno do Granma, também um míssil terra-ar SA-2 Guideline, do tipo que abateu um avião espião dos EUA Lockheed U-2 durante a Crise dos mísseis de Cuba, e o motor do avião U-2 é exibido. Vários veículos e tanques usados ​​na revolução são exibidos. Também, perto do museu está localizado um SU-100, um destruidor de tanques de origem soviética.[1][4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Museu da Revolução

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.