Nintendo World

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Nintendo World
Pôster comemorativo dos 10 anos da Nintendo World, aqui representado em uma moldura.
Editor Fernando Filho (editor-chefe)
Frequência Mensal
Editora Editora Tambor
Circulação Nacional
Categoria Videogame
País  Brasil
Idioma Português
Fundação 1998
Primeira edição 5 de setembro de 1998
http://nintendoworld.com.br/

A Nintendo World é uma revista mensal brasileira sobre notícias e estratégias sobre jogos eletrônicos da Nintendo.

História[editar | editar código-fonte]

Projeto 0[editar | editar código-fonte]

Nos primórdios da revista, foi denominado Projeto 0 uma revista-demonstração, feita por funcionários da Gradiente (a representante comercial da Nintendo no Brasil na época), entre eles Pablo Miyazawa (atual editor da revista Rolling Stone) e Eduardo Trivella (um dos editores atuais da revista NGamer Brasil). A idéia da publicação veio de André Forastieri, que contactou a Nintendo of America, que por sua vez recomendou-lhe que contactasse a Gradiente para que os rumos da publicação fossem tomados. O Projeto 0 nunca foi vendido, serviu apenas para demonstrar para a Nintendo como a revista se parecia garficamente, já que a maior parte de seus textos eram falsos. Os poucos verdadeiros foram reaproveitados nas edições seguintes.

Lançamento[editar | editar código-fonte]

Em 5 de setembro de 1998 a revista foi lançada. No lançamento, a revista tinha a seguinte equipe: André Forastieri (editor-chefe; o mentor da idéia); Marcelo Del Greco e Ricardo Matsumoto (editores-assistentes); Rogério Motoda e Pablo Miyazawa (redatores); José Carlos Assumpção e Euriko Sakamoto (arte); Eduardo Trivella (editor-contribuinte).

Ainda sob o comando de Forastieri, foi esbelecido um padrão que viria a ser seguido por anos: toda a primeira edição do ano, traria um número de dicas corresponde ao número do ano. A idéia para isso veio da capa da edição 5, que trazia as melhores 1234 dicas. Os anos em que esse padrão foi seguido foram: 2000, 2003, 2004 e 2005. A manchete era sempre a mesma (exceto por 2004): As melhores [número do ano] dicas, truques e códigos.

Edição 37[editar | editar código-fonte]

A edição 37 marcou de certa forma a história de sucesso da revista. Era época de lançamento do GameCube, o quarto console da Nintendo. A Nintendo World fez a capa da edição que comemorava o cubo assim: Mario segurava o console (que irradiava uma luz dourada), como se fosse oferecê-lo ao leitor, como um bebê recém-nascido, e escrita a palavra Nasceu logo abaixo, grafada em dourado.

Edição 50[editar | editar código-fonte]

A edição 50, muito comemorada, novamente (assim como na edição 37) teve uma capa simples. Trazia Samus (outra personagem da Nintendo, criada por Gunpei Yokoi) como se caisse no fundo branco da capa. Apesar da comemoração pelas cinquenta edições, a revista também trazia uma notícia triste: a Rare, responsável por jogos importantes como Donkey Kong Country e Banjo-Kazooie, deixara de produzir jogos para o GameCube.

Invasão Wii[editar | editar código-fonte]

A partir da edição 95, começou a chamada Invasão Wii. Não foi uma invasão propriamente dita, na verdade foi uma preparação para o lançamento do console Wii.

Devido a essa invasão, a Nintendo World parou gradativamente de falar do GameCube. Apesar disso, a edição 98 trouxe uma matéria com a manchete O GameCube ainda reina!. Ela relatava os lançamentos para o cubo ainda previstos.

Edição 100[editar | editar código-fonte]

A tão aguardada edição 100 foi muito comemorada. Trazia uma matéria sobre toda a trajetória de sucesso da revista. A seção Retrô contava a história de sucesso de todas as edições do GameBoy (o console portátil da Nintendo) e também a história dos três primeiros consoles da Nintendo: Nintendo Entertainment System (NES), Super Nintendo Entertainment System (Super NES) e o Nintendo 64 (N64).

Crise[editar | editar código-fonte]

Logo após a edição 100 houve uma notável "crise" na revista. A edição 101 foi lançada dentro do prazo, mas a edição 102, prevista para dezembro de 2006, chegou apenas no mês seguinte. Na parte do Correio N, estava escrito o seguinte aviso: A sua Nintendo World está passando por algumas mudanças e agora está nas bancas de dois em dois meses. Estamos esquentanto as turbinas quando acontecer a grande invasão do Wii, já em 2007. Aguarde grandes novidades!.

Esse esquema seguiu-se pelos quatro bimestres seguintes, até que a edição 107 não teve seu lançamento em outubro de 2007, como era previsto pelo sistema bimestral. Acabou que esta edição só chegou as bancas em novembro do mesmo ano. Mas veio acompanhada de notícia que de que a Nintendo World voltaria a ser mensal. O lançamento da edição 108 no mês seguinte tornou isso uma realidade. No entanto, a edição 109 não chegou no prazo previsto.

"Renascimento"[editar | editar código-fonte]

em março de 2008 edição 109 foi publicada, com um novo editor-chefe, Orlando Ortiz. A partir desta data a revista voltou a ser publicada mensalmente.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]