Noémia de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Noémia de Sousa
Nome completo Carolina Noémia Abranches de Sousa Soares
Nascimento 20 de setembro de 1926
Maputo, Moçambique
Morte 4 de dezembro de 2002 (76 anos)
Cascais, Portugal
Nacionalidade Moçambique Moçambicana
Ocupação Poetisa, tradutora, jornalista e militante política
Magnum opus Msaho (1952)

Carolina Noémia Abranches de Sousa Soares (Catembe, 20 de setembro de 1926Cascais, 4 de Dezembro de 2002) foi uma poeta, tradutora, jornalista e militante política moçambicana. É considerada a “mãe dos poetas moçambicanos”.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de Clara Brüheim Abranches de Sousa, de uma família de comerciantes com origens germânicas, moçambicanas e goesas, e de António Paulo Abranches de Gama e Sousa, de ascendência goesa, portuguesa e africana, que era alto funcionário do Governo colonial, empregado no Banco Ultramarino. Quando Noémia de Sousa tinha 6 anos, a família mudou-se para Lourenço Marques. Depois da morte do pai em 1932, Noémia de Sousa começou a estudar no curso pós-laboral de comércio na Escola Técnica e publicou os primeiros poemas no jornal da escola.[2]

Noémia de Sousa estudou no Brasil e começou a publicar no jornal O Brado Africano.[carece de fontes?]

Na década de 1940 viveu numa casa de madeira e zinco no bairro da Mafalala, em Maputo. Ali escreveu poemas que se tornariam símbolos nacionalistas africanos como "Deixa passar o meu povo". Só saiu do bairro por motivos políticos, em 1949.[3]

Entre 1951 e 1964 viveu em Lisboa, onde trabalhou como tradutora, mas, em consequência da sua posição política de oposição ao Estado Novo teve de exilar-se em Paris, onde trabalhou no consulado de Marrocos. Começa nesta altura a adoptar o pseudónimo de Vera Micaia.

A sua obra está dispersa por muitos jornais e revistas. Colaborou em publicações como Mensagem (CEI), Mensagem (Luanda), Itinerário, Notícias do Bloqueio (Porto, 1959), O Brado Africano, Moçambique 58; Vértice (Coimbra), Sul (Brasil).

Poeta, jornalista de agências de notícias internacionais, viajou por toda a África durante as lutas pela independência de vários países.

Em 1975 regressou a Lisboa, onde trabalhou na Agência Noticiosa Portuguesa.

Em 2001, a Associação dos Escritores Moçambicanos publicou o livro Sangue Negro, que reúne a poesia de Noémia de Sousa escrita entre 1949 e 1951.

A sua poesia está representada na antologia de poesia moçambicana Nunca mais é Sábado, organizada por Nelson Saúte[4]

Obras[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Esteves, João; Castro, Zília Osório de (2013). Feminae, Dicionário Contemporâneo. Lisboa: Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género. ISBN 978-972-597-372-1 
  2. Alfieiri, Noemi (1 de janeiro de 2020). «Noémia de Sousa, ou ser "África da cabeça aos pés" em tempos de colonização». CHAM, Centro de Humanidade Universidade Nova de Lisboa. Journal of Lusophone Studies: 219-233 
  3. Ribeiro, Margarida & Rossa, Walter (2016). Mafalala: memórias e espaços de um lugar, Imprensa da Universidade de Coimbra.
  4. Lisboa, Publicações D. Quixote. ISBN 972-20-2398-5.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Texto de Carla Maria Ferreira Sousa publicado na revista África e Africanidades
Texto de Jurema José de Oliveira publicado na Revista Electrônica do Instituto de Humanidades da Universidade do Grande Rio

Texto de Jacqueline Britto Sant´anna publicado na Revista Kalíope (PUC-SP)