Nogueira da Regedoura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Nogueira.
Portugal Portugal Nogueira da Regedoura 
  Freguesia  
Igreja Paroquial de Nogueira da Regedoura
Igreja Paroquial de Nogueira da Regedoura
Bandeira de Nogueira da Regedoura
Bandeira
Brasão de armas de Nogueira da Regedoura
Brasão de armas
Localização no concelho de Santa Maria da Feira
Localização no concelho de Santa Maria da Feira
Nogueira da Regedoura está localizado em: Portugal Continental
Nogueira da Regedoura
Localização de Nogueira da Regedoura em Portugal
Coordenadas 41° 0' 14" N 8° 36' 03" O
País Portugal Portugal
Concelho VFR1.png Santa Maria da Feira
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Rui Alves Rios (PS)
Área
 - Total 4,87 km²
População (2011)
 - Total 5 790
    • Densidade 1 188,9 hab./km²
Gentílico Nogueirenses/Rachões
Código postal 4500-764

Nogueira da Regedoura

Orago S. Cristovão

Nogueira da Regedoura é uma freguesia portuguesa do extremo noroeste do concelho de Santa Maria da Feira, com 4,87 km² de área e 5 790 habitantes (2011). A sua densidade populacional é de 1 188,9 hab/km². Esta faz fronteira com São Paio de Oleiros, Mozelos, Argoncilhe, do Concelho de Santa Maria da Feira, com Esmojães e Guetim, do Concelho de Espinho e com a União das Freguesias de Grijó e Sermonde, do concelho de Vila Nova de Gaia.

História[editar | editar código-fonte]

As origens da actual freguesia de Nogueira da Regedoura remontam, segundo os registos mais antigos ao ano de 1037, anterior, portanto, à própria nacionalidade. Várias referências lhe são feitas no Sec. XI, indicando a sua situação corográfica.

Num documento entre particulares, em 1086 pode ler-se: «in uilla nogeira de ecclesiola  (…) subtus monte sagitella discurrente fonte de Froila cam in suburbio ciuitatis sancte marie territorio portugalensi» ou seja, e abreviando, «Nogueira de Grijó».O Padre Miguel de Oliveira no seu trabalho «Igrejas das Terras de Santa Maria, no ano de 1320» refere os vocábulos Rigeira, Regedoura, Rugidoira, Regedoira, e, ainda, Regedores por falsa paronímia (semelhança gráfica) e da influência psíquica de «Regeri» que significa «governar» ou «reger».

O nome «Regedoura» conserva-se num Lugar da vizinha freguesia de Grijó. Sabendo-se que, em latim, a sílaba «ou» tem o significado de «água» ou, mais vagamente «rio», poder-se-ía supor que «Regedoura» seria uma povoação atravessada por um rio, regato ou ribeiro. Mas é uma suposição, não existindo absoluta certeza de tal relação.

Nas Inquirições de 1220, Nogueira da Regedoura é referida como "Nogeira de Liuaes": "Jn frigisia de Nogeira de Liuaes habet Ecclesiola v casalia et Palumbario iij casalia media et Ospital v casalia et ipsam ecclesiam.",[1] Acreditando-se que talvez haja alguma relação com o atual lugar de Olivães.

Sabe-se ainda que a Pousadela de hoje (lugar de Nogueira da Regedoura), com a denominação de Pousada, surge no reinado de D. Dinis. Porém, encontrava-se separada de Nogueira da Regedoura. Por inquirição mandada efectuar por D. Dinis a propósito das localidades que pagaram ou não pagaram portagem, lê-se: «Sam Xfonam de Nogueira e no lugar que chamam Pousadela» . Isto passa-se em 1288. A actual Pousadela aparece nos documentos medievais associada a "Ermógenes" (Esmojães) por razões não totalmente esclarecidas.

Fosse como fosse, a verdade é que Nogueira da Regedoura esteve historicamente ligada às Terras de Santa Maria e, administrativamente ao seu Concelho. Curiosamente, houve um período em que tal não se verificou. No século passado, aparecia-nos Nogueira da Regedoura, Espinho e outras localidades, dependentes administrativamente do Concelho da feira. Com o polémico processo de desanexação de Espinho do Concelho da Feira entre Fevereiro de 1889 e Outubro do mesmo ano, viu-se Nogueira temporariamente dependente do recém-criado Concelho de espinho, do qual viria a desvincular-se em 19 de Abril de 1928, pelo Dec- lei nº 15395, de 19/4, ficando novamente a pertencer ao Concelho de Santa Maria da Feira.

A Paróquia de Nogueira da Regedoura confunde-se nas suas delimitações geográficas com a própria freguesia por razões sócio-históricas que têm que ver com a gênese dos povoados primitivos, fortemente subsidiária dos padrões da organização eclesiástica, como é natural, dada a ilustração do clero.

Nucária da Rugidoira foi um Curato da Congregação dos Cónegos Seculares de S. João Evangelista da Vila da Feira (Cónegos Loios, antigamente designados por «Cónegos Azuis» por ser esta a côr do hate dos seus frades) e, mais tarde, abadia. A título de curiosidade refira-se que, em 1875 o cura da altura recebia 70 reis de rendimento, afora outras benesses.

O orago da paróquia é S. Cristóvão, pertencendo aquela à Diocese do Porto.

Presume-se que ao longo destes séculos o povo de Nogueira da Regedoura não se afastasse muito dos padrões de vida próprios de uma localidade rústica onde a vida decorria em condições severas e difíceis em meio de um trabalho penoso e insano de agricultores e artesãos. Sabe-se que o artesanato assentou aqui arraiais, conhecendo algum fulgor a partir dos fins do Sec. XIX até meados do Sec XX, através das tecedeiras que carregavam à cabeça em direcção ao Porto as suas teias coloridas, de algodão saídas de teares ancestrais. No regresso as tecedeiras traziam novamente à cabeça as tramas e fios para urdir as novas teias.

Havia por essa altura na freguesia vários moínhos rústicos bem como uma fábrica de telhas que adquiriu fama em todo o país por volta dos séculos XVI e XVII.

Para fabricar papel de embrulho existiu aqui um engenho artesanal. Esse papel servia para o fabrico de sacos de papel que gerou especialistas que se chamaram saqueiras. Existiram também aqui fabricantes de bombas artesanais de tirar água dos poços. As mulheres de Nogueira, as «rachonas», eram conhecidas pelo seu destemor e engenho para subirem aos pinheiros e arrancarem as pinhas com um bicheiro, as quais eram utilizadas para combustível para cozedura do pão. Os serradores e rachadores de Nogueira trabalhavam de sol a sol, transformando eucaliptos e pinheiros em traves, barrotes, ripas e tábuas usados na construção de casas e mobílias. Eram peritos no fabrico do «fasquio», que era utilizado na construção de paredes e tectos. Existiam ainda artistas que construíam carros de bois e canastros ou espigueiros.

Hoje em dia, a vila de Nogueira da Regedoura é uma típica freguesia semiurbana, que mantém grande parte das suas raízes.

População[editar | editar código-fonte]

Número de habitantes residentes [2]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 063 1 285 1 469 1 554 1 769 1 710 1 782 2 060 2 206 2 446 3 063 3 647 4 259 5 026 5 790
Distribuição da População por Grupos etários [3]
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 955 668 2893 510 19,0% 13,3% 57,6% 10,1%
2011 988 649 3384 769 17,1% 11,2% 58,4% 13,3%

Património[editar | editar código-fonte]

  • Igreja de São Cristóvão (matriz)
  • Cruzeiro
  • Capelas do Senhor dos Aflitos e da Senhora dos Remédios

Galeria de Imagens[editar | editar código-fonte]

Logótipo da Junta de Freguesia

Referências

  1. Inquirições sobre bens detidos pelas instituições religiosas na Terra de Santa Maria. [Fl. 1v]
  2. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  3. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.