Novo Universo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Novo Universo foi uma linha editorial da Marvel Comics.

Criada em 1986, por altura do 25º aniversário da Marvel, o então director Jim Shooter lançou esta nova linha[1] . Tratava-se de um universo completamente separado, com a sua própria continuidade e sem a existência de crossovers com personagens de outras linhas ou editoras. Pretendendo ser mais realista, não existiram seres mitológicos, deuses, magia, supertecnologia ou extra-terrestres.

A quantidade de super-seres e super-poderes seriam também limitados, não sendo os personagens tão sensacionalistas ou perfeitos. Tal era um contraste directo com o Universo Marvel tradicional, o qual não é mais do que um espelho do mundo real no qual o conhecimento público de super-heróis, super-vilões e das suas actividades tem pouco efeito no quotidiano do cidadão comum.

A limitação dos elementos de fantasia e as actividades dos seus personagens serem pouco expostas ao público, tornou-o mais real. No entanto, este Novo Universo permitiu também eventos catastróficos, antes da sua extinção, os quais dificilmente ocorreriam no universo tradicional, como a destruição de Pittsburgh em The Pitt e a guerra com a África do Sul em The Draft e The War.

O Novo Universo não foi o sucesso esperado pela Marvel. Os críticos queixavam-se que os conceitos dos personagens eram pouco inspirados e alguns eram derivados de outros já estabelecidos, sendo Estigma, a Marca da Estrela considerado quase uma cópia do Lanterna Verde. As vendas eram baixas e em 1989 o conceito foi abruptamente encerrado, tendo no entanto existido nos meses seguintes a publicação de The War, que tentava resolver algumas pendências[2] .

Posteriormente, o Novo Universo tem tido algumas aparições fugazes. Peter David introduziu Justice como o Profeta da Rede no universo Marvel 2099 e Fabian Nicieza deu um pequeno papel a Estigma em Gambit. Mark Gruenwald trouxe o Novo Universo de volta num número na revista Quasar #31, em Fevereiro de 1992, o que originou a mini-série Starblast em 1994, um crossover onde se viram as personagens do Novo Universo pela última vez.

Títulos publicados[editar | editar código-fonte]

A maioria destes títulos foram publicados no Brasil pela Editora Abril. Algumas das histórias dos oito títulos principais foram publicados nas revistas Justice e Força Psi, exclusivas do Novo Universo, as quais duraram 12 números. Parte da restante saga de Estigma foi publicada na revista Superaventuras Marvel[3] .

Referências

  1. Thiago Augusto (07/08/06). Warren Ellis e Salvador Larocca recriam o Novo Universo. Universo HQ.
  2. James Albuquerque Tiossi. (Junho de 2007) "Parece Quadrinho, mas não é!" (em português). Revista Crash 5: 76 a 79. Editora Escala. ISSN 19808739.
  3. Vinícius Schiavini (09/12/2005). Warren Ellis com projeto no Novo Universo. HQManiacs.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]