Olga Novo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Olga Novo
recital Poemaria 2019, no Instituto Camoes Vigo. Detrás cartaz coa imaxe de Silvia Penas.
Nascimento 29 de janeiro de 1975 (46 anos)
Vilarmao
Cidadania Espanha
Alma mater
Ocupação poetisa, pintor, escritora, ensaísta
Prêmios
  • Premio Nacional de Poesía (2020)

Olga Novo (Vilarmao, A Pobra do Brollón, Lugo, 1975) é uma poeta e ensaísta galega[1]. Licenciada em Filologia Galego-Portuguesa pela Universidade de Santiago de Compostela, sendo também professora numerária de Ensino Secundário e leitora na Universidade da Alta Bretanha em Roazhon (Rennes), além de professora de literatura na Universidade da Bretanha Sur em Lorient.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Como poeta, deu-se a conhecer precocemente com três poemários de grande autenticidade vivencial, força expressiva, profundidade telúrica e sensualidade erótica, A teta sobre o sol (1996), Nós nus (1997) e A cousa vermella (2004). Nesta linha telúrica, destaca-se também a poesia de denúncia ligada a temas ecológicos[2].

Também publicou um livro de arte compartilhado com Alexandra Domínguez e Juan Abeleira, intitulado Magnalia, e poemas em antologias, livros colectivos, revistas (Festa da Palabra Silenciada, Dorna, Xistral) e jornais (El País, ABC). Fez parte dos conselhos de redacção das revistas Ólisbos, Animal, Unión Libre e Valdeleite. Traduziu, do galego, El contradiscurso de las mujeres. Historia del proceso feminista, de Carmen Blanco.

Publicou também livros como analista e ensaísta.

Participou com estudos em congressos e revistas (Ínsula, Moenia, Boletín Galego de Literatura, Anuario de Estudios Literarios Galegos, Revista Galega do Ensino, A Nosa Terra, La Torre. Revista de la Universidad de Puerto Rico, etc.)

Focou-se sobretudo em propostas ligadas ao Surrealismo: escreveu sobre o escritor André Breton, o cantautor Léo Ferré e o pintor Eugenio Granell, e com a temática erótica, como reflecte o seu ensaio "Tratado da pel", publicado no monográfico "Erotismos" de Unión Libre (1999), por ela mesma coordenado.

O Patronato da Cultura Galega de Montevideu dedicou-lhe o Dia da Poesia Galega em 2004.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • A teta sobre o sol (1996)
  • Nós nus (1997)
  • A cousa vermella (2004)

Análises e ensaios[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências