Os Oito Traidores

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Os Oito Traidores (em inglês: traitorous eight) são oito homens que deixaram o Shockley Semiconductor Laboratory em 1957. William Shockley recrutou em 1956 um grupo de jovens com um título de doutorado (Ph.D.) com o propósito de desenvolver e produzir novos produtos com dispositivos semicondutorer. Shockley tinha recebido o Nobel de Física de 1956 e era um pesquisador e professor de experiência, mas sua condução do grupo criou desagradáveis condições de trabalho.[nota 1] Shockley escolheu uma estratégia para o projeto de circuitos que falhou, e criou uma atmosfera de trabalho intolerável.[nota 2] O grupo de doutorados contratados exigiu a substituição de Shockley. Quando seu pedido foi rejeitado, eles perceberam que tinham de sair.

Shockley descreveu sua saída como uma "traição". Os oito que deixaram a Shockley Semiconductor foram Julius Blank, Victor Grinich, Jean Hoerni, Eugene Kleiner, Jay Last, Gordon Moore, Robert Noyce e Sheldon Roberts. Em agosto de 1957 chegaram a um acordo com Sherman Fairchild e em 18 de setembro de 1957 formaram a Fairchild Semiconductor. A recém-fundada Fairchild Semiconductor logo se tornou um líder da indústria de semicondutores. Em 1960 tornou-se uma incubadora do Vale do Silício, e esteve direta ou indiretamente envolvida na criação de dezenas de empresas como a AMD e Intel Corporation.[1] Estas muitas empresas que vieram a ser um subproduto (spin-off) ficaram conhecidas como "Fairchildren".

Início[editar | editar código-fonte]

Shockley em 1975

No inverno de 1954–1955 William Shockley, um dos inventores do transistor e professor visitante na Universidade Stanford, decidiu estabelecer sua própria produção em massa de transistores avançadose diodos Shockley.[2] Encontrou um patrocinador na Raytheon, mas a Raytheon descontinuou o projeto após um mês.[3] Em agosto de 1955 Shockley se dirigiu para o financista Arnold Orville Beckman, proprietário da Beckman Instruments.[2][4] Shockley necessitava de um milhão de dólares.[3] Beckman sabia que Shockley não tinha tino nos negócios, mas acreditava que as novas invenções de Shockley seriam benéficas para sua companhia e não queria que elas ficassem com seus competidores.[5] Assim, Beckman concordou em criar e fundar um laboratório sob a condição de que suas descobertas deveriam ser levadas à produção em massa dentro de dois anos.[6]

O novo departamento da Beckman Instruments recebeu o nome de Shockley Semi-Conductor Laboratories (o hífen era convencional naquela época).[7] Durante 1955 Beckman e Shockley assinaram o acordo,[8] as patentes necessárias foram compradas por US$ 25.000,[9] e escolheram o local em Mountain View, próximo a Palo Alto.[6] O local não se revelou muito adequado: os colegas de Shockley no Bell Labs e Radio Corporation of America (RCA) recusaram ir morar em uma localidade rural sem serviço de telefone a longa distância.[10] A vasta maioria das companhias e profissionais relacionadas a semicondutores estavam localizadas na Costa Leste dos Estados Unidos, e assim Shockley postou anúncios no The New York Times e no New York Herald Tribune.[11] Os primeiros a responder incluíram Sheldon Roberts da Dow Chemical, Robert Noyce da Philco e Jay Last, um ex-estagiário da Beckman Instruments.[12][13] A campanha nos jornais resultou em cerca de trezentas respostas, e quinze pessoas, incluindo Gordon Moore e David Allison,[14] o próprio Shockley recrutou em uma reunião da American Physical Society.[15][16]

A seleção continuou durante 1956. Shockley foi um proponente das tecnologias sociais (que o levou depois à eugenia) e questionava cada candidato a passar por um teste psicológico,[17] seguido de uma entrevista.[4]

Blank, Last, Moore, Noyce e Roberts começaram a trabalhar em abril-maio, e Kleiner, Grinich e Hoerni chegaram durante o verão.[15] Em setembro de 1956 o laboratório tinha 32 empregados, incluindo Shockley.[18] Cada candidato de sucesso tinha de negociar seu salário diretamente com Shockley. Kleiner, Noyce e Roberts se acertaram por US$ 1.000 por mês; o menos experiente Last obteve US$ 675. Hoerni não se preocupou com o seu pagamento.[18] Shockley fixou seu próprio salário em US$ 2.500 e deixou acessíveis para todos os funcionários o salário de seus companheiros.[15] Duas das escolhas de Shockley revelaram-se mais tarde erradas: William Happ foi provado ser insuficientemente competente para o trabalho,[19] e o tecnologista Dean Knapic esqueceu seus documentos de grau universitário e certificado de serviço militar. Mais tarde ele entregou tecnologias de Shockley para seus competidores.[20][21]


In translation icon.png
Este artigo ou se(c)ção possui partes em língua estrangeira.
Ajude e colabore com a tradução.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Berlin, pp. 86–87; Coller, p. 174; Elkus, 2008, p. 91: "Shockley's paranoid, micromanaging personality ... kept his company from producing any viable commercial product"; Lojek, 2007, p. 77; Plotz, 2010, p. 90: "A disastrously bad businessman and a worse manager"; Thackray, 2000, p. 246; Shurkin, pp. 173–174: "In truth, he had no idea how to manage ... One physicist swore that Shockley could actually see electrons [but] He had trouble seeing people".
    Shockley's managing abilities were even mentioned in his Stanford University obituary: Linvill, J.; et al. (1989). «Memorial Resolution: William Shockley (1910–1989)» (PDF). Universidade Stanford. Consultado em 8 de março de 2016. In retrospect, it is clear that the kind of intellectual leadership Bill Shockley so brilliantly exercised at the Bell Laboratories did not directly translate into business management success 
  2. Shurkin, 2008, pp. 231–235; Berlin 2005, p. 87; Coller, 2009, p. 174; Elkus, 2008, p. 91; Manners, 1995, p. 36; Plotz 2005, p. 90; Robinson 2010; Thackray, 2000, p. 245; etc.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Fairchild's Offspring» (PDF). BusinessWeek. 25 de dezembro de 1997. Consultado em 28 de fevereiro de 2012 
  2. a b Lojek 2007, p. 67.
  3. a b Lojek 2007, p. 69.
  4. a b Shurkin 2008, pp. 164–165.
  5. Lojek 2007, pp. 68, 86: Por exemplo, o transistor com efeito de campo com uma junção p-n proposta por Shockley idealmente adequado para moduladores DC foi produzido pela Beckman Instruments..
  6. a b Lojek 2007, p. 68.
  7. Lojek 2007, pp. 68, 73.
  8. Shurkin 2008, p. 168.
  9. Lojek 2007, pp. 81–82: Shockley tinha acesso a todos os desenvolvimentos do Bell Labs; ele obteve licenças sobre as mais recentes tecnologias envolvendo litografia fotorresistiva e passivação de óxido de silício..
  10. Lojek 2007, pp. 69–70: uma linha de longa distância foi instalada em Palo Alto em 1957.
  11. Lojek 2007, pp. 70–71.
  12. Brock 2010, p. 141: Jay Last recusou uma oferta da Beckman Instruments em favor do Shockley Labs..
  13. Lojek 2007, pp. 71–73.
  14. Lécuyer 2000, p. 241: Allison trocou a Shockley pela Fairchild após o episódio dos oito traidores, e fundou mais tarde a Signetics.
  15. a b c Lojek 2007, p. 74.
  16. Shurkin 2008, p. 169. De acordo com outra versão, Moore enviou sua inscrição ao Laboratório Nacional de Lawrence Livermore, e Shockley, usando sua senha de acesso pessoal, levou-o de lá. Walker, R. (5 de março de 1995). «Interview with Gordon Moore. March 3, 1995, Los Altos Hills, California». Silicon Genesis: An Oral History of Semiconductor Technology. Universidade Stanford .
  17. Shurkin 2008, p. 170: Os consultores julgaram Shockley, Noyce e Moore "muito brilhantes, mas jamais seriam bons gestores".
  18. a b Lojek 2007, p. 75.
  19. Lojek 2007, p. 89.
  20. a b Lojek 2007, p. 91.
  21. Brock 2010, pp. 45, 69.
  22. a b Vitello, P. (23 de setembro de 2011). «Julius Blank, Who Built First Chip Maker, Dies at 86». The New York Times. p. A33 
  23. a b c d e Lécuyer 2000, p. 160.
  24. a b Brock 2010, p. 84.
  25. a b «Jean A. Hoerni, 1972 W. Wallace McDowell Award Recipient». IEEE Computer Society. 1972. Consultado em 28 de fevereiro de 2012 
  26. Hoerni, Jean. (1949). «Diffraction of Electrons in Graphite». Nature. 164 (4181): 1045–1046. doi:10.1038/1641045a0 
  27. Hoerni, Jean A.; Ibers, James A. (1953). «Complex Amplitudes for Electron Scattering by Atoms». Physical Review. 91 (5): 1182–1185. doi:10.1103/PhysRev.91.1182 
  28. a b Brock 2010, p. 45.

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "G1" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "G2" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r3" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r4" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r5" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r6" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r7" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r8" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r9" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r10" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r11" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r12" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "MW01" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "SL" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "SR" definido em <references> não é utilizado no texto da página.
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "r6" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Erro de citação: Elemento <ref> com nome "SFG" definido em <references> não é utilizado no texto da página.

Bibliography[editar | editar código-fonte]

-->

Ligações externas[editar | editar código-fonte]