Pastorícia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A pastorícia é um ramo da agricultura que trata da criação de gado, a pecuária, ou seja, a criação, manutenção e utilização de animais como camelos, cabras, vacas, iaques, lhamas e ovelhas. Pode ter uma característica móvel, em que os rebanhos são conduzidos em busca de pastos e água.

A pastorícia pode ser encontrada, em numerosas variações, por todo o mundo. A composição dos rebanhos, as práticas de administração, organização social e todos os outros aspectos da pastorícia variam entre regiões e grupos sociais. Diversas práticas tradicionais também tiveram de ser adaptadas devido às circunstâncias variáveis do mundo moderno. Os ranchos dos Estados Unidos e as sheep stations e cattle stations da Austrália são vistas como variações modernas.

Benefícios da atividade pastorícia[editar | editar código-fonte]

A atividade pastorícia possui uma grande relevância enquanto ferramenta de gestão de paisagem devido aos enormes e múltiplos benefícios que proporciona,[1] nomeadamente os seguintes serviços dos ecossistemas:

  • Sequestro de carbono;
  • Proteção do ciclo hidrológico;
  • Proteção de reservas freáticas;
  • Conservação da biodiversidade;
  • Cultura pastoril;
  • Segurança alimentar;
  • Redução do risco de calamidades;
  • Redução da pobreza;
  • Integridade dos ecossistemas;
  • Adaptação às alterações climáticas.

Valorização da cultura pastoril[editar | editar código-fonte]

A cultura pastoril é ainda bastante valorizada pela sociedade, facto comprovado pela existência de numerosos lugares e eventos culturais relacionados com a pastorícia e a transumância, tais como museus, feiras de gado, festas da transumância, assim como através da publicação de monografias e realização de seminários especializados, etc.

Em Portugal existem vários museus e espaços museológicos dedicados à pastorícia e cultura pastoril:

Museus e espaços museológicos de Portugal - Pastorícia e cultura pastoril[2]
Museu Localização Relevância do acervo para a cultura pastoril
Núcleo Museológico da Pastorícia – Salgueiro Salgueiro, Fundão Possui instrumentos musicais e utilitários produzidos através de arte pastoril; Entrevistas com pastores com as suas memórias, as suas práticas e percursos de transumância, exposição fotográfica;.
Museu do Pastor Cativelos, Gouveia Reconstituição da cabana do pastor da Serra da Estrela. Exposição de diferentes utensílios relacionados com o pastoreio e com o fabrico do queijo.
Museu Etnográfico do Rancho "Os Pastores de São Romão" São Romão, Seia Acervo diversificado: utensílios de uso doméstico, instrumentos de trabalho, relativos a diversas artes e ofícios; alfaias agrícolas e pastoris/laticínios
Museu do Agricultor e do Queijo Celorico da Beira Exposição sobre a profissão de pastor/agricultor.
Centro Cultural Raiano Idanha-a-Nova Recolhas locais que caracterizam a cultura da região: agricultura; olaria; pastorícia; espaço doméstico; faiança; mobiliário
Museu de Aldeia da Ponte Aldeia da Ponte, Sabugal Objetos de cariz etnográfico que reproduzem algumas atividades que caracterizam a região: do pão ao linho, da agricultura à pastorícia, entre outros.
Museu da Memória Rural Vilarinho da Castanheira, Carrazeda de Ansiães Depoimentos em vídeo da profissão tradicional de Pastor.
Museu de Tecelagem dos Meios Meios, Guarda Materiais ligados à temática da pastorícia, transumância e aproveitamento da lã de ovelha.
Casa do Mundo Rural de Prados Prados, Celorico da Beira Núcleo museológico recria a casa e a vida familiar, a par com o trabalho no campo e o pastoreio
Núcleo Museológico e Etnográfico do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Nespereira Nespereira, Gouveia Acervo representativo das profissões características da freguesia (canteiro, carpinteiro, pastor, queijeira, alfaiate, etc.)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. McGahey, D., Davies, J., Hagelberg, N., and Ouedraogo, R., 2014. Pastoralism and the Green Economy – a natural nexus? Nairobi: IUCN and UNEP. x + 58p
  2. Roteiro dos Museus da Região Centro

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alvard, M. S. and L. Kuznar (2001). Deferred harvest: the transition from hunting to animal husbandry. American Antiquity 103(2): 295-311.
  • Fagan, B. (1999) "Drought Follows the Plow", adapted from Floods, Famines and Emperors: Basic Books
  • Fratkin, E. (1997) Pastoralism: Governance & Development Issues. Annual Review of Anthropology, 26
  • Hardin, G. (1968) The Tragedy of the Commons. Science, 162, 1243–1248
  • Hole, F. (1996). "The context of caprine domestication in the Zagros region'". in The Origins and Spread of Agriculture and Pastoralism in Eurasia. D. R. Harris (ed.). London, University College of London: 263-281.
  • Ingold, T. (2000). The Perception of the Environment. London: Routledge.
  • Kipuri, N. & Ridgewell, A. (2008) A Double Bind: The Exclusion of Pastoralist Women in the East and Horn of Africa, London, Minority Rights Group
  • Lees, S & Bates, D. (1974) The Origins of Specialized Nomadic Pastorlaism: A Systematic Model. American Antiquity, 39, 2.
  • Levy, T. E. (1983). Emergence of specialized pastoralism in the Levant. World Archaeology 15(1): 15-37.
  • Markakis, J. (2004) Pastoralism on the Margin, London, Minority Rights Group
  • Monbiot, G. (1994) The Tragedy of Enclosure. The Scientific American
  • Pyne, Stephen J. (1997) Vestal Fire: An Environmental History, Told through Fire, of Europe and Europe's Encounter with the World. Seattle and London: University of Washington Press. ISBN 0-295-97596-2
  • Saltini Antonio, Storia delle scienze agrarie, 4 vols, Bologna 1984-89, ISBN 88-206-2412-5, ISBN 88-206-2413-3, ISBN 88-206-2414-1, ISBN 88-206-2414-X
  • Smith, A. B. (1992). Pastoralism in Africa. London, Hurst & Company.
  • Wilson, K.B. (1992) Rethinking Pastoral Ecological Impact in East Africa. Journal of Tropical Ecology, 8, 4