Paulo Moura (jornalista)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paulo Moura
Nome completo Paulo Manuel Pires Machado Moura Antunes
Nascimento 27 de dezembro de 1959 (56 anos)
Porto, Portugal
Nacionalidade Portugal português
Ocupação Jornalista, repórter e escritor
Magnum opus Passaporte para o céu
Página oficial http://paulomoura.net

Paulo Manuel Pires Machado Moura Antunes (Porto, 27 de dezembro de 1959)[1] é autor e jornalista português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Paulo Moura é filho de Jaime Moura Botelho Antunes e de Maria Alzira de Moura Pires Machado. Licenciou-se em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em 1984 e concluiu o curso em Comunicação Social pela Escola Superior de Jornalismo do Porto, em 1989. Lecionou História e Português no ensino secundário. Actualmente, na Escola Superior de Comunicação Social em Lisboa, lecciona Atelie de Imprensa, Reportagem e Jornalismo Literário.

Paulo Moura é um escritor e repórter freelance português. Durante 23 anos, foi jornalista do Público, diário com que mantém uma colaboração regular. Entre 1989 e 1992 trabalhou na secção Internacional daquele jornal. Durante o período de 1993 a 1995 foi correspondente permanente nos Estados Unidos, Canadá e México. De volta a Portugal, colaborou com as secções de Cultura, Sociedade e Media, tendo passado para a redacção da revista Pública, revista de domingo daquele diário, em 1997. Entre 1999 e 2000 assumiu o cargo de editor desta publicação. Em 2000, voltou a ser jornalista da Pública e da secção «Internacional». Destacou-se com as suas reportagens no Afeganistão, Argélia, Caxemira, China, Tchetchénia, Haiti, Iraque, Sudão, Egipto, Líbia, Kosovo, entre muitos outros países.[2]

Paulo Moura publicou várias reportagens em revistas internacionais, como a Harper's Magazine, a New York Times, o Courrier Internacional, a Lettre International Deutschland, a Lettre Romania, a World Media e Néon.

Prémios[editar | editar código-fonte]

Paulo Moura foi galardoado com vários prémios de jornalismo, entre os quais se destacam:

  • Prémio Direitos Humanos e Integração da Comissão Nacional da UNESCO, pela reportagem A Revolução virá do Campo, realizada na China (2013)
  • Prémio Gazeta de Jornalismo, atribuído pelo Clube de Jornalistas, pelo conjunto de reportagens sob o título Diário da Primavera Árabe, realizadas no Egipto e na Líbia (2012)
  • Primeiro Prémio “Jornalismo Contra a Indiferença” da Fundação AMI – Assistência    Médica Internacional, com a reportagem Darfur – Epitáfio para Dois Milhões de Vivos, realizada no Sudão (2005)
  • Finalista  (short list) do Lettre Ulysses Award for the Art of Reportage, Berlim (2004)
  • Segundo Prémio Lorenzo Natali For Journalism, da Comissão Europeia, Bruxelas (2004)
  • Grande Prémio Imigração e Minorias Étnicas: Jornalismo pela Tolerância, do Alto Comissariado para a Imigração e Minorias Étnicas, com duas reportagens sobre imigrantes ilegais sub-saarianos tentando alcançar a Europa (2003)
  • Prémio de Jornalismo “O Futuro da Europa”, atribuído pela Comissão Europeia, com o conjunto de reportagens “As Novas Fronteiras da Europa”, realizadas na Jugoslávia, Bulgária, Roménia, Polónia, Hungria e Ucrânia. (2001)
  • Grande Prémio de Reportagem Escrita do Clube Português de Imprensa com a reportagem “O Segredo da Cartuxa”, sobre o Convento de Santa Maria Scala Coeli, em Évora (2001)
  • Grande Prémio de Reportagem Escrita do Clube Português de Imprensa com a reportagem “O Segredo do País dos Mouros”, sobre a escravatura na Mauritânia (1998)
  • Grande Prémio de Reportagem Escrita do Clube Português de Imprensa com um conjunto de reportagens sobre a Rússia e a guerra da Tchetchénia (1996)
  • Grande Prémio de Reportagem da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) com um conjunto de reportagens sobre a visita do Papa João Paulo II ao Colorado, nos EUA (1994) [1].

Obras[editar | editar código-fonte]

Paulo Moura é autor de vários livros:

Referências

  1. a b «Perfil: Paulo Moura». Nuno de Noronha. 2 de janeiro de 2009. Consultado em 30 de janeiro de 204. 
  2. Paulo Moura (30 de Janeiro de 2014). «Paulo Moura Oficial». Paulo Moura.net.  Parâmetro desconhecido |acessomesdia= ignorado (|acessodata=) (Ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.