Perry Anderson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Perry Anderson.jpg

Perry Anderson (Londres, 11 de setembro de 1938)[1] é um historiador marxista, professor de História e Sociologia na UCLA e editor da New Left Review. É irmão do historiador Benedict Anderson.

Sua formação política data de 1956, quando ingressou na Universidade de Oxford e passou a militar em grupos de esquerda na faculdade. Seu primeiro interesse pelo marxismo teve num primeiro momento, como vários intelectuais de sua geração, a influência de Jean-Paul Sartre. Ela está presente particularmente em Questão de Método, públicado em 1960.

No mesmo ano surge a New Left Review, que se engajou ao movimento britânico contra os armamentos nucleares. A campanha sofreu uma grande derrota, causando uma profunda crise na revista. Logo depois, Perry Anderson tornou-se editor. Foram necessários dois anos para que ele criasse um novo corpo editorial, agora declaradamente marxista.

Perry Anderson trouxe a revista a um profundo conhecimento da obra de Sartre e do marxismo. Inicialmente sua linha editorial sofreu a influência de Gramsci e mais tarde de Lukács e Althusser. Dedicou-ser a introduzir, comparar e criticar as principais correntes da tradição marxista ocidental.

A derrota do movimento de 1968 na França conduziu Perry Anderson ao estudo do Estado burguês nos países desenvolvidos. Daí resultaram dois livros: Passagens da Antiguidade ao Feudalismo e Linhagens do Estado Absolutista, ambos de 1974, além de uma obra não concluída sobre as revoluções burguesas.

A essas pesquisas somam-se inúmeros artigos publicados na New Left Review no anos 60 sobre o caráter da sociedade e da cultura inglesas, onde polemizou vivamente com E. P. Thompson. Nos últimos anos sua obra embrenhou-se por outra vertente: a análise do marxismo oficial, iniciada com a publicação de Considerações sobre o Marxismo Ocidental, de 1976, e continuada com A crise da crise do Marxismo, de 1983.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Portugal and the End of Ultra-Colonialism, 1962 (edição brasileira: Portugal e o fim do ultracolonialismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966)
  • Passages From Antiquity to Feudalism, 1974 (edição portuguesa: Passagens da antiguidade ao feudalismo. Porto: Edições Afrontamento, 1985)
  • Lineages of the Absolutist State, 1974 (edição brasileira: Linhagens do Estado Absolutista. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985)
  • Considerations on Western Marxism, 1976 (edição brasileira: Considerações sobre o Marxismo Ocidental/Nas trilhas do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004)
  • Arguments within English Marxism, 1980
  • In the Tracks of Historical Materialism, 1983 (edição brasileira: Considerações sobre o Marxismo Ocidental/Nas trilhas do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004)
  • English Questions, 1992
  • A Zone of Engagement, 1992 (edição brasileira: Zona de Compromisso. São Paulo: Unesp, 1996)
  • O Fim da História: de Hegel a Fukuyama. São Paulo: Zahar, 1992 (retirado de A zone of engagement)
  • Mapping the West European Left, 1994 (organizador)(edição brasileira: Um mapa da esquerda na Europa Ocidental. São Paulo: Contraponto, 1996)
  • The Origins of Postmodernity, 1998 (As Origens da Pós-Modernidade
  • Afinidades Seletivas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2002
  • Spectrum: From Right to Left in the World of Ideas, 2005 (edição brasileira: Espectro - Da direita a esquerda no mundo das ideias. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012)
  • The New Old World, 2009
  • The Indian Ideology, 2012
  • American Foreign Policy and Its Thinkers, 2015 (edição brasileira: A política externa americana e seus teóricos. São Paulo: Boitempo Editorial, 2015


Ícone de esboço Este artigo sobre a biografia de um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Sir Bernard Burke, Peter Townsend, Burke's Genealogical and Heraldic History of the Landed Gentry (1969), p. 41