Partido Comunista da União Soviética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de PCUS)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2008)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Partido Comunista da União Soviética
Коммунистическая партия Советского Союза
Kommunisticheskaya partiya Sovetskogo Soyuza
Trabalhadores do mundo, uni-vos!
Fundador Vladimir Lenin
Fundação 1 de janeiro de 1912
Dissolução 29 de agosto de 1991
(em território soviético)
6 de novembro de 1991
(em território russo)
Ideologia Marxismo-leninismo
Nacionalismo de esquerda
Stalinismo (até 1956)
Espectro político Extrema Esquerda
Publicação Pravda
Ala jovem Komsomol
Antecessor POSDR
Sucessor Nenhum (de jure)
PCFR (auto-proclamado)
Membros  (1986) 19 milhões
Afiliação internacional Comintern (1919–1943)
Cominform (1947–1956)
Cores      Vermelho
     Amarelo
Hino A Internacional
Bandeira do partido
Flag of the Soviet Union.svg
Política da União Soviética

Partidos políticos

Eleições

O Partido Comunista da União Soviética (em russo: Коммунистическая партия Советского Союза, КПСС; transl.: Kommunisticheskaya partiya Sovetskogo Soyuza) abreviado PCUS em português, foi o partido político fundador e governante da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). O PCUS era o único partido permitido por lei da União Soviética até 1990, quando o Congresso dos Deputados do Povo modificou o artigo da constituição que dava ao PCUS um monopólio sobre o sistema político. O partido foi fundado no ano de 1912 pelos bolcheviques (facção majoritária do Partido Operário Social-Democrata Russo), um grupo revolucionário, liderado por Vladimir Lenin, que ascendeu ao poder após a Revolução de Outubro de 1917. O partido foi dissolvido no dia 29 de agosto de 1991 em território soviético e, após uma tentativa de golpe de Estado, no dia 6 de novembro de 1991 em território russo.

O PCUS era um partido comunista organizado com base no centralismo democrático, um princípio concebido por Lenin, que, dentro do partido, promove discussões democráticas e abertas sobre questões políticas, havendo uma exigência de unidade dos membros na sustentação das políticas acordadas. O órgão mais alto do PCUS era o Congresso, que se reunia a cada cinco anos. Nos períodos em que não havia sessões do Congresso, o órgão máximo era o Comitê Central. Pelo fato de o Comitê Central se encontrar apenas duas vezes ao ano, a grande maioria dos deveres e responsabilidades cotidianas eram exercidas pelo Politburo, pelo Secretariado e pelo Orgburo (até 1952). O líder do partido era o chefe de governo e ocupava o cargo de Secretário Geral, primeiro-ministro ou chefe de Estado, ou dois dos três cargos concomitantemente — porém nunca os três ao mesmo tempo. O líder do PCUS era o presidente de facto do Politburo e chefe executivo da URSS; a incerteza entre o partido e o Estado (Conselho de Ministros) sobre quem ocupa o poder máximo nunca fora formalmente resolvido, entretanto, na prática, o partido tinha maior autoridade, e sempre houve "líder supremo" da nação (o primeiro sendo Lenin e depois o Secretário Geral).

Segundo seu estatuto, o PCUS seguia o marxismo-leninismo, uma ideologia baseada nos escritos de Vladimir Lenin e Karl Marx, e consolidada por Josef Stalin. O partido almejava o socialismo estatal, sob o qual todas as industrias seriam nacionalizadas e uma economia planificada seria implementada. Antes de haver um planejamento central da economia em 1929, Lenin introduziu no país uma economia mista, a chamada Nova Política Econômica (NEP), na década de 1920, que permitia a presença de certos elementos capitalistas na economia soviética. Com a ascensão de Mikhail Gorbachev ao poder, em 1985, após ter tentado inicialmente sustentar a economia planejada estagnada, foi feito um rápido avanço para transformara o sistema econômico em uma economia de mercado. Gorbachev e seus aliados previram a introdução de uma economia similar à NEP, por meio da perestroika, porém os resultados desta reforma mais contribuíram para a decadência do sistema de governo inteiro.

Uma série de fatores contribuíram para a perda de controle do PCUS e a dissolução da União Soviética. Alguns historiadores apontam como a raiz do problema a glasnost, implementada pelo governo Gorbachev, que promovia uma abertura política na URSS, enfraquecendo o controle do partido sobre a sociedade. Gorbachev afirmava que a perestroika sem a glasnost estaria fadada ao fracasso de qualquer maneira. Outros, por outro lado, culpam a estagnação econômica e a consequente desilusão da população em geral com a ideologia comunista.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

VKP(b)[editar | editar código-fonte]

Em 1919, foi criado um Politburo de cinco membros, para a gestão cotidiana do partido. Os cinco primeros membros foram Lenin, Lev Trotski, Lev Kamenev, Iosif Stalin e Nikolai Krestinski tendo Nikolai Bukharin, Grigori Zinoviev e Mikhail Kalinin como membros candidatos.

PCUS[editar | editar código-fonte]

O órgão de governo do PCUS era o Congresso do Partido que, em princípio, se reunia de modo anual. Suas reuniões se fizeram menos frequêntes, em particular com Stalin. Os Congressos do Partido elegiam o Comitê Central que, por sua vez, elegia o Politburo. Com Stalin no poder, o cargo mais importante foi o de secretário-geral, que era eleito pelo Politburo. Em 1952 o cargo de secretário-geral foi abolido, mas recriado no ano seguinte como primeiro secretário e o Politburo foi rebatizado como Presidium; Os nomes originais foram retomados por Leonid Brejnev em 1966.

Em teoria, o poder supremo no partido correspondia ao Congresso do Partido, mas na prática, a estrutura de poder se inverteu e, particularmente, depois da morte de Lenin o poder supremo estava nas mãos do secretário-geral.

Nos níveis mais baixos, a organização hierárquica do partido estava protagonizada pelos comitês do Partido ou partkoms (em russo партком). Um partkom era dirigido por um secretário do partkom (секретарь парткома). Em empresas, instituções e koljósé se denominava partkoms; em níveis mais elevados o nome dos comitês se abreviava segundo a mesma lógica: raikoms (райком) no nível raion, obkoms (обком) para os oblasts (anteriormente gubkoms (губком)), gorkom (горком) no nível municipal, etc.

A base do partido era a sua organização primária (первичная партийная организация), ou célula do partido (партийная ячейка). Se criava sem entidade, onde quer que houvesse ao menos três comunistas; o órgão de governo de uma célula era o bureau do partido (партийное бюро, партбюро). Esse partbureau era encabeçado por um secretário (секретарь партбюро).

Nas células menores do partido, os secretários eram trabalhadores da correspondente fábrica/hospital/escola/etc. Se a organização do partido era suficientemente grande, era encabeçada por um secretário exento (освобожденный секретарь), cujo salário estava a cargo do Partido.

Militância[editar | editar código-fonte]

Nos anos 1930, os membros do partido sofreram expurgos sob a direção de Stalin. Toda a Oposição de Esquerda, liderada por Trotsky, foi acusada de dissidência (por haver criado uma corrente interna dentro do partido, algo terminantemente proibido) e alguns membros de terrorismo. Alguns deles foram condenados a penas de prisão, enquanto outros foram executados.

A militância no partido não estava aberta a todos. Para ser membro, a solicitação deveria ser aprovada por vários comitês. Se conseguia essa aprovação depois de se superar uma série de fases: as crianças formavam parte do movimento de pioneiros até os 14 anos, depois passavam ao Komsomol. Se, como adulto, provava sua adesão à disciplina do Partido ou dispunha dos contatos adequados, podia chegar a ser membro do Partido Comunista.

Em 1933, o partido tinha mais de três milhões e meio de membros e aspirantes, mas, como resultado dos expurgos, a militância ficou reduzida a menos de dois milhões em 1939.[carece de fontes?] Em 1986, o PCUS tinha mais de 19 milhões de membros — aproximadamente 10% da população adulta da URSS. Esta cifra equivalia aos funcionários, diretores de fábrica, membros da KGB e demais oficiais que controlavam o aparato do Estado soviético. Este grupo era conhecido como apparatchiks.

Depois do desmembramento da União Soviética, a maioria de sua militância abandonou o Partido, que foi declarado ilegal e despojado de todos seus bens. Na Rússia, 500 000 militantes formaram o Partido Comunista da Federação Russa, que foi legalizado em 1993 e é, hoje, um dos principais partidos de oposição no país, enquanto outros partidos comunistas locais foram fundados nos países recém-surgidos, como Bielorrússia, Ucrânia ou Moldávia.

Órgãos principais[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Partido Comunista da União Soviética