Terminologia soviética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A terminologia soviética foi o conjunto de termos (na imensa maioria, neologismos) criados durante o período da União Soviética e do regime político-econômico socialista na Rússia e nas repúblicas constituintes, para indicar o estilo de vida soviético e as novas formas de organização da economia e da sociedade naquele país. [1]

O estilo da terminologia soviética também influenciou outros países socialistas, principalmente no Leste Europeu e no Extremo Oriente (China, Coreia do Norte, Mongólia, Vietnã, Laos, Camboja), estivessem ou não sob a esfera de influência soviética. Na Iugoslávia do Marechal Josip Broz Tito, por exemplo, uma terminologia própria utilizava o prefixo Iugo- (ou Jugo-; literalmente, sul ou meridional) para designar várias instituições e aspectos nacionais.

Sob esta terminologia, acontecia ainda a adoção de símbolos comuns aos países socialistas, como a foice e martelo e a bandeira vermelha. Na literatura e nas artes, a Terminologia Soviética está fortemente associada ao realismo socialista.

Com a dissolução da URSS em 1991, a Terminologia Soviética caiu em desuso, e passou a ser associada principalmente à nostalgia socialista.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Parte dos neologismos derivou dos escritos teóricos de Lenin, cujo pensamento inovador a respeito da organização político-econômica dos trabalhadores adaptou a teoria marxista à prática, criando o leninismo. Outra parte significativa, porém, foi inventada durante a implantação do socialismo real, sob o estalinismo de Josif Stalin.

Os seguintes tipos principais de moeda soviética podem ser reconhecidos:[2]

Humor político soviético[editar | editar código-fonte]

Ben Lewis escreveu em seus ensaio[3] livro,[4] e filme[5], (todos intitulados Hammer & Tickle) que "Comunismo era uma máquina produtora de humor. Suas teorias econômicas e sistema de repressão criavam situações inerentemente engraçadas. Havia piadas sob o fascismo e os nazistas também, mas esses sistemas não criaram uma realidade ridícula como o comunismo."

O povo soviético cunhou definições irreverentes para seus líderes. "Mineralny sekretar" era um apelido para o presidente Mikhail Gorbatchov (devido a sua campanha contra o álcool). "Kukuruznik" (de "kukuruza", milho) referido a Nikita Khrushchev.

Lista de termos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. * "Soviet Language", BBC Russian Service, October 11, 2005 (em russo)
  2. a b c d e f g V. M. Mokiyenko, T.G. Nikitina, "Vocabulary of the Sovdepiya Language", St. Petersburg, Folio-Press, 1998, 704 pp. (В. М. Мокиенко, Т. Г. Никитина. Толковый словарь языка Совдепии. СПб.: Фолио-Пресс, 1998. - 704 с.) (em russo)
  3. "Hammer & tickle", Prospect Magazine, May 2006, essay by Ben Lewis on jokes in Communist countries
  4. Ben Lewis (2008) "Hammer and Tickle", ISBN 0-297-85354-6 (a review online)
  5. Hammer & Tickle (em inglês) no Internet Movie Database

Veja Também[editar | editar código-fonte]