Socialismo em um só país

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde junho de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O "socialismo em um só país" foi uma tese desenvolvida por Nikolai Bukharin em 1925 e adotada como política estadual por Josef Stalin. A tese sustentou que dado a derrota de todas as revoluções comunistas na Europa (ver: Revoluções de 1917-23), exceto na Rússia, a própria União Soviética deveria começar a reforçar-se internamente.[1]

A linha foi adotada pelo XIV Congresso do Partido Comunista da União Soviética, em Dezembro de 1925 e, segundo esta teoria, um país atrasado como a URSS poderia defender e desenvolver o socialismo sem que o "sistema imperialista" fosse derrotado no resto do mundo. De acordo com essa tese, isto seria precisamente a maior contribuição da classe operária soviética à revolução mundial. Este argumento encontrou a oposição de Leon Trotsky com a sua teoria da revolução permanente,[2] que promulgava a revolução mundial como a única garantia da vitória do socialismo na Rússia, uma vez que, sendo um país atrasado, não seria capaz de cumprir as missões da revolução socialista, e a industrialização, não poderia resolver para fazer um contrapeso às potências ocidentais (ver: divergências entre Stalin e Trotsky).

Esta linha foi desenvolvida no contexto de um refluxo da luta das massas, principalmente na Europa Ocidental, onde a esquerda comunista acreditava numa iminente guerra contra o primeiro Estado socialista. Embora promovido, na altura, como uma ideologia da necessidade, não a opinião do núcleo, a teoria veio definir o curso da construção política dentro da União Soviética durante toda sua história.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ruth Fischer; John C. Leggett (2006). «Socialism in one country». Stalin and German Communism: A Study in the Origins of the State Party. Col: Social Science Classics 2nd reprint ed. [S.l.]: Transaction Publishers. pp. 471–496. ISBN 0-87855-822-5 
  • The Theory of Socialism in One Country; Max Shachtman. [S.l.: s.n.] 
  • Concerning questions of Leninism

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.