Pintassilgo-dos-andes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaPintassilgo-dos-andes
Carduelis spinescens.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Família: Fringillidae
Género: Carduelis
Espécie: C. spinescens
Nome binomial
'''Carduelis spinescens'''
(Bonaparte, 1851)

O Pintassilgo-dos-andes (Carduelis spinescens) é um passeriforme da família Fringillidae.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Segundo Hilty (2003, p. 831), tem um comprimento de cerca de 10,9 cm e um peso de 11,5g. O macho tem o alto da cabeça negro, o dorso é verde-oliva, as asas são pretas com uma barra amarela, a cauda é preta com penas amarelas, o peito é amarelo-oliva, o ventre é amarelo e o uropígio é também amarelo. A fêmea tem cores mais baças do que o macho, sem a coroa negra, a cabeça e o dorso são verde-oliva, o peito é amarelo acinzentado, o ventre é amarelo esbranquiçado, as asas e a cauda são iguais às do macho. Os juvenis são parecidos com as fêmeas mas mais acinzentados.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Pode ser encontrado na Colômbia, Equador, e Venezuela.[1]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Descoberto por Bonaparte, em 1850 (a data não é consensual, segundo a IUCN[1] é 1851, para a Avibase[2] é 1850), em Bogotá, na Colômbia., tendo-lhe dado o nome de Chrysomitris spinescens . Muito parecido com o pintassilgo-do-nordeste (Carduelis yarrellii). Recentemente foi proposto incluir esta espécie nos géneros Spinus ou Sporagra, mas isso implicaria a revisão de todas as espécies e seus parentescos, o que ainda não foi feito. A subespécie Carduelis spinescens capitanea (Norte da Colômbia (Sierra Nevada de Santa Marta)) deve ser incluída na subespécie nominal. Consideram-se 2 subespécies.[3]

Subespécies e sua distribuição[editar | editar código-fonte]

As subespécies são muito semelhantes mas o Carduelis spinescens nigricauda tem a cauda totalmente preta.[4]

Habitat[editar | editar código-fonte]

Os seus habitats naturais são as florestas subtropicais ou tropicais de montanha, os matagais subtropicais ou tropicais de altitude e as pradarias de altitude (páramos). Frequenta também zonas cultivadas. Encontra-se entre 1800 e os 4000m de altitude[5]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

Alimenta-se tanto no topo das árvores, como a meia altura ou mesmo no solo, sobretudo de sementes, em especial de Espeletia (Hilty, 2003, p. 831). Segundo fotos de Ottaviani (2011), consome também sementes e flores de escova-de-garrafa (Callistemon viminalis), da família Myrtaceae, de uma asterácea, Picris hieracioides, de uma liliaceae (agavaceae), Anthericum peruvianum e sementes de uma Poaceae, Anthoxanthum odoratum.

Nidificação[editar | editar código-fonte]

Reproduz-se a partir de Fevereiro, o ninho em forma de taça, é construído numa árvore ou arbusto, com raízes, ervas secas, musgos e forrado no interior com penugem animal e vegetal. A fêmea põe 3 a 5 ovos branco-esverdeado ou branco-azulado com pintas castanhas. As crias nascem ao fim de 13 dias.

Filogenia[editar | editar código-fonte]

Foi obtida por Antonio Arnaiz-Villena et al.[6] [7]

Referências

  1. a b BirdLife International 2012. Andean Siskin Carduelis spinescens. 2013 IUCN Red List of Threatened Species. Acesso a 27-05-2014
  2. Avibase Andean siskin
  3. a b c The Internet Bird Collection Andean-siskin. Consultado em 03 de Dezembro de 2012.
  4. TRIPOD - Siskins Of The World Siskins Of The World
  5. Zipcodezoo Carduelis spinescens
  6. Arnaiz-Villena, Antonio; Alvarez-Tejado M., Ruiz-del-Valle V., García-de-la-Torre C., Varela P, Recio M. J., Ferre S., Martinez-Laso J.. (1998). "Phylogeny and rapid Northern and Southern Hemisphere speciation of goldfinches during the Miocene and Pliocene Epochs". Cell.Mol.Life.Sci. 54(9): 1031–41.
  7. Arnaiz-Villena A, Ruiz-del-Valle V, Moscoso J, Serrano Vela JI, Zamora J.. (2007). "mtDNA phylogeography of North American Carduelis pinus group of birds". Ardeola 54: 1–14.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]