Pontével

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Pontével  
—  Freguesia  —
Brasão de armas de Pontével
Brasão de armas
Pontével está localizado em: Portugal Continental
Pontével
Localização de Pontével em Portugal
Coordenadas 39° 08' 57" N 8° 50' 24" O
País  Portugal
Concelho CTX1.png Cartaxo
Administração
 - Tipo Junta de freguesia
 - Presidente Jorge Manuel Pisca de Amorim Lúcio (G.C.E.)
Área
 - Total 27,84 km²
População (2011)
 - Total 4 614
    • Densidade 165,7 hab./km²
Gentílico: Pontevelense
Código postal 2070
Orago Nossa Senhora da Purificação / Nossa Senhora das Candeias
Sítio www.jf-pontevel.pt

Pontével é uma freguesia portuguesa do concelho do Cartaxo, com 27,84 km² de área e 4 614 habitantes (2011). A sua densidade populacional é 165,7 hab/km².

Tem como orago Nossa Senhora da Purificação (Nossa Senhora das Candeias). É constituída pelas localidades de Casais da Amendoeira, Casais Penedos, Vale da Zebra, Casais Lagartos, Casais Luízes, Casais das Areias, Casais d’Alcaria, Rosmaninho (Pontével), Oira, Capeludos (Pontével) e Vale de Choupos.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Pontével [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 633 1 895 2 264 2 705 3 319 3 737 4 424 4 566 4 990 5 113 5 148 6 448 4 366 4 399 4 614

Com lugares desta freguesia foi criada pela Lei n.º 66/88, de 23 de Maio, a freguesia de Vale da Pedra

Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 610 589 2 363 837 13,9% 13,4% 53,7% 19,0%
2011 678 429 2 502 1 005 14,7% 9,3% 54,2% 21,8%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

História[editar | editar código-fonte]

De fundação muito antiga, anterior á da nacionalidade, começa a constar na documentação régia logo a partir de Dom Afonso Henriques, mas, sobretudo, de Dom Sancho I, que lhe concede o primeiro foral (1194), mais tarde confirmado por Dom Afonso II[2]. Nos tempos da Reconquista era vital assegurar o povoamento de zonas limítrofes de posições importantes, como era o caso de Pontével relativamente a Santarém. Daí que o Rei fizesse doação destas terras quer aos Francos de Vila Verde quer á Ordem Militar de São João do Hospital, que então se estabelecia em Santarém. A importância da Comenda de Pontével, integrava Ereira e Lapa, está patenteada pela posição que ocupava, relativamente à sua congénere scalabitana, com a qual chegava a rivalizar em termos de supremacia hierárquica[3].

Apesar da vetusta idade, Pontével não conserva muitos vestígios do passado e encerra alguns mistérios que urge decifrar. A chamada Ponte Romana ou Medieval é um desses mistérios, pois apenas se pode constatar que se trata de uma obra rudimentar bastante arcaica. No século XIV, o fidalgo Bartolomeu Joanes (cuja sepultura podemos ainda hoje apreciar à entrada da Sé de Lisboa deixou uma disposição testamentária com vista à construção de uma ponte sobre o rio de Pontével.

A Igreja de Nossa Senhora da Purificação (Matriz de Pontével) assenta sobre o primitivo templo cristão ali erguido provavelmente logo a partir do século XII, mas foi completamente reconstruída no século XVII, sofrendo a partir daí algumas obras de restauro. No seu interior podem-se apreciar alguns elementos importantes datados entre os séculos XVI e XVIII, como a pia baptismal, os painéis pintados do Mestre da Romeira, um fresco da Padroeira no tecto da capela-mor, azulejaria, talha dourada e muitos outros motivos. São ainda de realçar os túmulos dos Comendadores do século XVII, entre os quais se destaca o de António Botto Pimentel.

O brilho de Pontével parece ter-se apagado com a extinção das ordens religiosas, de tal modo que, entre os finais do século XIX e o início do século XX, alguns ilustres visitantes se indignam com o estado de ruína da velha urbe. Por essa razão talvez, podemos assistir, a partir de então, a algum renascimento urbanístico, embora modesto. Exemplos de obras desse período são a reconstrução da Capela de Nossa Senhora do Desterro (antiga Ermida do Espírito Santo), bem como os arranjos do Rio da Fonte (o fontanário, a ponte, e a consolidação da margem esquerda do rio). Já na década de 30, noutra zona da grande beleza natural e entrada da vila, foi construída uma fonte que ostenta a forma de uma concha, à qual o povo rapidamente chamou, A Saramaga.

Poucos anos depois, em homenagem ao espírito filarmónico que também caracteriza a sociedade pontelevense, ergueu-se, no antigo Largo dos Três Fidalgos, um típico Coreto, que rebaptizou o local. Ofuscando o seu verdadeiro nome: Largo Mariano de Carvalho.

Festas anuais[editar | editar código-fonte]

  • Festa dos Fazendeiros que se realiza no Domingo de Pascoela;
  • Artével - Feira de Artesanato e Artes Plásticas que se realiza em meados de Junho;
  • Festa em honra de Nossa Senhora do Desterro que se realiza no primeiro fim de semana de Setembro.

Gente Ilustre de Pontével[editar | editar código-fonte]

Marco Chagas (Ciclista vencedor de 4 Voltas a Portugal em Bicicleta)

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  2. «Paróquia de Pontével». Arquivo Distrital de Viseu. Consultado em 22 de Outubro de 2013 
  3. PINHO, António Brandão de (2017). A Cruz da Ordem de Malta nos Brasões Autárquicos Portugueses. Lisboa: Chiado Editora. 426 páginas. Consultado em 28 de agosto de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]